Nos últimos anos, a abordagem ao Natal tem surgido muito precocemente.

Sinceramente, já não me espanta que os catálogos dos brinquedos e tudo mais surjam logo a seguir aos catálogos do material escolar, mas não deixa de ser assustador o facto de a cada ano se fazer mais alarido a esta época festiva, pelos motivos errados.

Era tudo muito bonito se as pessoas praticassem uma série de valores associados ao Natal, de preferência durante todo o ano.

O que acontece é que já ninguém quer saber da confraternização e da compaixão, ninguém quer saber do outro e a única preocupação que temos é como gerir o dinheiro das prendas e o que colocar na nossa própria lista.

Moralismos de lado, a verdade é que tod@s nós adoramos receber prendas.

Pessoalmente, também adoro oferecê-las. Principalmente se forem feitas por mim. E ofereço quando me parece bem oferecer e não nas datas que os senhores do comércio determinaram que assim fosse.

No entanto, e como eu sei que a malta que por cá anda é toda muito prendada, acho por bem começar a abordar uma série de clichés da época natalícia, uns que devemos manter e outros que não colam, de todo.

Por hoje, vou discutir alguns aspectos sobre prendas que não devemos oferecer porque nem nós gostamos (penso eu, penso eu…) de as receber, embora o que realmente importa seja o acto em si.

Como diz o povo, não devemos fazer aos outros o que não gostamos que nos façam.

Neste caso, é uma perspectiva materialista, mas não é mesmo disso que se trata o Natal de hoje? Posto isto, cá vamos nós:

  • Objectos alusivos ao Natal e coisas com cheiro a Natal. Pensem comigo. A festa do Natal resume-se a dois dias: a véspera, com a noite bonita, e o dia de Natal propriamente dito. Então, o que é que fazemos às renas e aos bonecos de neve e ao resto dos peluches todos? Para além disso, quem é que quer andar na rua a cheirar a bolo de Natal ou coisa do género?
  • Dinheiro. Faz muito jeito, é verdade, ninguém nega isso. No entanto, oferecer dinheiro mostra que não nos preocupamos com a pessoa que o vai receber, de tal forma que nem perdemos um pingo do nosso tempo a escolher um presente. Podia até ser o tal peluche de Natal ou o perfume de bolo rei, significava que já havia algum empenho na escolha. Depois, que recordação guardamos nós do envelope com dinheiro que o avô, ou o tio, ou o primo nos ofereceram? Zero. Acabamos por gastar o dinheiro em algo que vamos considerar como comprado com o nosso dinheiro e não como a prenda que a tal pessoa nos ofereceu.
  • O perfume que a senhora da loja recomendou por ser o que mais vende. Podem até ter a sorte de a pessoa não ter recebido nenhum igual, ou de até ter recebido vários e gostar. Por experiência própria, digo-vos que na maior parte dos casos o dito perfume vai ficar arrumado a um canto porque a pessoa a quem o oferecem não gosta do cheiro. Assim, procurem saber que tipo de fragrâncias encaixam na pessoa em causa, e se não conseguirem mesmo descobrir, perguntem directamente
  • Algo que vemos com frequência e que está in. Estão directamente relacionadas com o item dos perfumes, e ao longo da minha vida tenho sofrido (e muito!) com esta questão. Tenham isto em conta, principalmente se vão oferecer algo aos vossos primos ou sobrinhos mais novos. Se estes forem jovens na idade do armário (nem sei bem se ainda me enquadro neste grupo…), redobrem a atenção. Lá porque o Top+ diz que os morangóides são os maiores ou porque a norma é o pessoal ir comprar roupa na tal loja de marca x que é um must, não quer dizer que o vosso ente querido que vai receber uma prendinha faz parte da regra. Se querem que a vossa prenda fique na memória, tentem conhecer o estilo da pessoa em causa e não ofereçam só porque é o que se vê na rua. O estereótipo do estereótipo deve ser posto de lado!
  • Bombons falsificados. Eca, yuck, bleh, agh, vómito! Não me venham com histórias, porque há bombons óptimos e a preços bastante acessíveis! É preferível oferecer menos mas de boa qualidade. Por isso, declarem morte aos pseudo Ferrero Rocher, Bacci, e por aí fora. Ter uma caixa de bombons rasca a estragar-se em casa é feio, muito feio. Para além disso, ficariam recordad@s como “@s forretas que ofereceram os bombons ranhosos”.
  • O bibelô que recebemos no ano passado e detestámos. Deixem-no escondido, doem-no para as rifas da paróquia, whatever. Despachar o presente para outras pessoas só porque é um estorvo lá em casa é um mau princípio! Em primeiro lugar, é muito feio desvalorizar as prendas que nos oferecem (porque apesar de haver artigos sobre este assunto, ainda há quem não os tenha em conta – e depois? A Guida é uma chata que só diz porcaria). Depois, reforço a ideia: se nós não gostámos, por que é que o resto das pessoas iria gostar?
  • Meias. Cliché, cliché! A menos que sejam meias bonitas com algum pormenor especial, esqueçam. Pensam que o pai, o tio ou o avô não têm ainda meias novas para dar e vender ao longo de tantos anos a receber a mesma coisa? Ainda por cima, sempre iguais? Sempre feias, sempre das mesmas cores? Que falta de gosto…
  • Brinquedos. Alto, não quis dizer todos os brinquedos! É bom receber brinquedos, até eu que já não tenho idade (e que idade é essa?) para isso adoro quando me surpreendem com uma boneca. O que quero focar neste ponto é mais ou menos o que surgiu no item dos perfumes e no item das tendências. Tenham muito cuidado na hora de escolher, pois tal como vocês viram o brinquedo XPTO nos anúncios, o resto dos amigaços mimosos que também querem presentear a criança também o viu. E vocês não vão querer que a vossa criança tenha dois ou três brinquedos iguais, pois não?
  • Utensílios para a realização de tarefas domésticas. Tal como o dinheiro, tudo o que vem em prol do apetrechamento da casa faz imenso jeito. No entanto, e este item é especialmente dirigido aos maridos, namorados, companheiros e por aí fora. Por que raio é que a vossa amada iria querer receber um ferro de engomar ou um aspirador no Natal? O que é que estas coisas têm de prenda? 
  • Livros. Outro item que requer atenção. Eu adoro receber livros, mas só quando são livros que quero ler, ou dentro dos géneros que gosto. Por isso, não se atrevam a comprar o primeiro livro que vos aparecer à frente só porque está em promoção ou é um best seller. Eu cá gosto de ler tudo o que tenho, não me parece que os livros sejam só para enfeitar. E receber um mau livro é dose. Pesada. Tortuosa. É péssimo!

Agora, façam o favor de ter este artigo em conta e façam a diferença, fiquem na memória das pessoas por oferecer prendas bonitas e não o contrário. Aposto que também detestam quando são vocês a receber algo que não vai de encontro aos vossos interesses.

18 comments on “O que não oferecer no Natal”

  1. Gostei deste teu artigo, muito elucidativo e resume na perfeição muita sdas gaffes qye se costumam cometer nesta altura. Falando de mim, eu procuro sempre dar prendas dentro dos gostos das pessoas. Não dou só por dar, gosto de escolher e pensar se se adequa à pessoa em questão. Ultimamente tenho também feito uns conjuntinhos de bijutaria para oferecer às amigas que sei que gostam das minhas peças!

    xoxo
    cindy

  2. Pois, a mim já me calhou Perfumes e Livros. O perfume eu achei horrivel – acho que nem para o desenrasca o uso – e o livro está guardado à espera de uma fase desesperada em que não tenha mais nada para ler.

  3. Olhos Dourados: Até tenho algumas ideias, mas não para o meu 😛 Logo falo disso ;D

    Su: Ui, e há dois ou três anos? Ofereceram-me dois ou três conjuntos Cool Water. Resta dizer que detesto aquela coisa pestilenta. Acabei por dar tudo a uma colega que o usava, mas mal a conhecia…

    Cat: E até já tenho planos para o dindim que receber. Mas preferia mil vezes que me perguntassem o que quero e que se esforçassem por encontrar em vez de darem os típicos envelopes 🙁

    Beijinho

  4. Magnífico artigo. Parabéns, Joana! tens razão em tudo e é delicioso rever o ponto de vista de uma pós-adolescente(?)

    Beijinhos e votos de BOAS prendas.

    Mª Eugénia

    P.S. Para terminar, só faltou mesmo o item das (execráveis) velas de cheiro! Blhac!

  5. Simplesmente preciso o seu artigo!! Dicas pra guardar sempre!
    Morri de rir com os bombons falsificados! ehehe Graças a Deus, nunca os recebi!
    E ganhar uma panela Wok é uma delícia mesmo! Principalmente usá-la, depois!! Já postei várias receitinhas chinesas de wok no blog e vou postar mais!
    Adorei!!
    Beijinhos!

  6. Adorei e ri horrores.
    Eu não tenho problema em ganhar meias desde que sejam meia-calça(ahahaha) e bem estilosas.
    Concordo com tudo que vc falou,eu odiaria receber crepusculo de presente natalino mesmo adorando ler.

  7. Bem, dinheiro é sempre benvindo, mas realmente é impessoal.
    A mim também me calham sempre prendas esquisitas no amigo oculto. Se vejo mais algum peluche rançoso dos chineses ou das maquinas que têm aquela garra que de garra não tem nada… grrr… breath in breathe out.

  8. Concordo plenamente contigo no que respeita os livros – adoro livros, mas aqueles que eu decido comprar, os que me oferecem acabam por ficar esquecidos na prateleira. Não concordo nada no que diz respeito ao dinheiro: eu adoro receber dinheiro, assim compro o que realmente quiser!Claro que se uma amiga me der dinheiro vou achar muito estranho, mas os papás podem-no fazer sem problema 😉 E os outros podem usar uma estratégia que é ir às compras comigo e quando virem que eu gosto de uma coisa insistem 😉 em oferecer-ma! Assim, não me estão a dar dinheiro, mas a usá-lo nas coisas certas!

  9. Maria Eugénia: Eu até gosto de castiçais e coisas assim, mas só se forem os meus tios a escolher.

    Mas, bleh, ficar com a casa a tresandar a coisas estranhas (sim, será que alguém espera que a gente guarde as velas em vez de as queimar?)…

    Renata: Vocês aí só com os chocolates Garoto fazem a festa ;D

    Palavras Perdidas: O meu homem tem bom gosto e acerta no número a olho. Esquece-se é que sou alérgica a uma série de materiais…

    Miss Betterme: Pois, mas o problema é exactamente o que referi: o que compras com o dinheiro fica lembrado como a prenda do Zé ou da Maria, seja lá de quem for, ou como comprado com o dinheiro que recebeste no Natal? :

    Beijinho

  10. ola, vim deixar aqui a minha opinião lol
    Então é assim o dinheiro depende, acho que entre darem algo que não gosto e dinheiro prefiro dinheiro, apesar d não gostar muito que me dêem a não ser qdo ando apertada…ultimamente os meus avós dão me uma prenda dinheiro pra ir aos saldos yeye, isso dos perfumes acho mto dificil dar a alguem, já me aconteceu de o meu namorado me dar um que eu queria e na volta eu era alérgica, cada vez k punha desatava a tossir…Os bibelot bem isso axo mm despensavel, axo mais giro entao uma molura com foto da pessoa k oferece e da que recebe (uma foto k estejam juntas) meias depende, uma amiga deu m umas antiderrapantes e amo-as sao super quentes e prticas p andar em casa, tb dei umas farfalhudas à minha cunhada que trazia uma fitinha a volta e gostei tanto k comprei-as para mim.
    De resto concordo com tudo a 100% e não tenho nada a acrescentr. Bjsss

Deixar uma resposta