O que é que se faz ao cabelo assim, encaracolado, quando já nos dá pela cintura?

Não quero mais franjas. Não sei se o corto (pelos ombros, talvez?), se o deixo crescer… Não sei o que lhe vou fazer. Só sei que um dia vou experimentar pintá-lo de preto (ou não!).

Aceitam-se conselhos, opiniões e testemunhos. Gostei de ver o cabelo da Rita mas não tenho tenho coragem de fazer o mesmo. Se ia sobreviver sem poder fazer tranças, rabos de cavalo e outras coisas bonitas? Hum, não me parece…

4 comments on “Hoje a Guida Não Sabe de Nada

  1. Tens fotos tão giras, sempre! 🙂

    Eu acho que é sempre bom experimentar mas estabelecer alguns limites, pra não ter surpresas desagradáveis. Eu, por exemplo, não consigo ter o cabelo mt curto. Para mim, pelos ombros é p/aí o limite do que conseguiria cortar. Se gostas de fazer essas coisinhas bonitas todas, tbm não devias cortar mt… Podias cortar pelos ombros e pintar de preto =P

    Eu gosto mt mt da franjinha escorrida, pra frente, à Cleopatra e já a tive duas vezes. Mas p andar bonitinha, tem de andar smp esticada. Se o tempo se mantiver como está hoje, optimo. Se estiver humidade, fica uma porcaria =/ Mas não queres franjas, de todo?

  2. Olá…
    Se cortas no maximo pelos ombros nunca mais, eu tenho o meu cabelo ondulado como o teu, já u usei curto e fica terrivel, no maximo pelo ombro neste momento estou a deixar o meu crescer…
    Quanto ao pintar de preto eu aderi o ano passado em Junho… já tinha usado outros tons desde tons castanhos, loiros, vermelhos mas sinceramente o preto foi a minha melhor aposta ate hoje, pois sou bastante branquinha e faz sobressair os meus olhinhos que são azuis 😉 lol…
    Beijinho… aí mas por favor LOLOL no maximo ate aos ombros lol nunca mais… 😉 pois tens um cabelo lindo não faças essa asneira

  3. o trauma de sempre… como cortar?
    e depois, corto sempre da mesma maneira.
    até já me atrevi a cortá-lo em casa, há uns anos. no dia a seguir só saí de casa para ir à cabeleireira. nem consegui ir às aulas… nunca mais me atrevi!

Deixar uma resposta