Etiqueta: Teresinha

Calçado Mãe & Filha

pisamonas

Sempre quis ser mãe de uma menina.

Antes sequer de sonhar com a Teresa, dizia que ter uma menina me permitiria voltar a brincar às bonecas e oferecer-lhe aquilo que gostava de ter para mim mas já não considero adequado ou não existe para o meu tamanho.

Bom, a parte da adequação é subjectiva, confesso: sou aquela mãe que não tem vergonha ne-nhu-ma de andar igual à filha. Não é sempre, mas há dias em que é a coisa mais fofa do mundo! Torna-se ainda mais engraçado porque a minha menina, embora pequenina, é muito vaidosa e percebe muito bem o que se passa à sua volta. Adora quando a deixamos imitar quem somos, o que fazemos ou o que vestimos.

Nem sempre é fácil alimentar esta coisa de mãe e filha, embora eu encontre muitos artigos na secção infantil.

É complicado encontrar, por vezes, moda gira para bebés abaixo dos 12 meses. Ainda por cima, a Teresa é uma bebé mais pequena que a média. No que toca ao calçado, torna-se tudo pior – o mesmo número de calçado nunca corresponde ao mesmo tamanho entre marcas e a maior parte dos sítios ainda nos pede os olhos da cara por algo que só será útil por um par de meses.

É terrível procurar calçado bonito que não pareça pantufos e modelos abaixo do tamanho 20 que se adequem a uma bebé que começa a querer dar os primeiros passos.

pisamonas

Já tinha ouvido falar da Pisamonas e recentemente fiz uma encomenda que me deixou muito satisfeita. Primeiro li e depois constatei que tinham calçado com uma óptima relação qualidade/preço. Apesar do meu receio com as diferenças de tamanho, se houvesse algum problema, o processo de envios, trocas e devoluções é rápido e gratuito.

Há modelos, cores e materiais para todos os gostos, muitos deles desde os tamanhos mais pequenos de bebé até aos maiores de adulto.

Encomendei justamente o que precisava e procurava, sem extravagâncias:

  • Botas safari, intemporais e úteis em todas as estações do ano, para mim e para a Teresa. Sim, na mesma cor e tudo.
  • Menorquinas em nobuck, castanhas, super básicas e bonitas, ficam bem com tudo, também para mim e para a Teresa. As dela têm uma fivela em velcro para não fugirem do pé (adoro esta adaptação do modelo para os mais pequeninos).
  • Merceditas em branco e rosa brilhante para a Teresa. Não vieram iguais para mim porque não havia, senão…

pisamonas

Fiquei surpreendida porque passadas menos de 48h após a minha encomenda, tinha um estafeta a entregar tudo muito bem empacotado à porta de casa.

Escusado será dizer que a vaidosa mais pequenina quis logo bisbilhotar o conteúdo e ficou toda contente quando percebeu que tinha sapatinhos novos!

Gostei muito de constatar que os modelos que escolhi para a bebé correspondem ao tamanho esperado e não têm diferenças entre si. Todas as peças são de óptima qualidade e algumas delas chegam a ser cerca de 20€ mais baratas relativamente a outros locais onde procurei.

Sem dúvida, a Pisamonas ganha aqui uma família de clientes – graúdos e miúda! Defendo que as crianças não devem ter calçado em excesso, mas quero assegurar que há alternativas para os imprevistos do quotidiano e para as ocasiões especiais e esta loja online é um bom sítio para o fazer.

pisamonas

O dia em que a Teresa nasceu

hospital beatriz ângelo

Parece que foi ontem, mas já lá vai quase um ano. Cada vez que vejo, são tantas as vezes que vejo, vejo sempre para me lembrar sempre. Cada vez que vejo os registos tantos que fui fazendo, esqueço-me que já passou este tempo todo. Passou a correr. Ainda ontem estava a preparar a chegada da minha Teresa.

Tenho de falar do dia antes do dia. Iria ser a primeira consulta de CTG. 13 de Julho de 2016. Já passávamos das 38 semanas. Decorreu sempre tudo de forma pacífica, pelo que não me aborreci com a marcação algo tardia (e adiada…) da consulta quando recebi a carta do Hospital Beatriz Ângelo (HBA). Calhou-nos pela proa uma administrativa horrorosa que se recusou a registar a nossa presença quando chegámos, ainda antes da hora da consulta. Referiu que deveríamos ter chegado pelo menos meia hora antes. Que agora o médico já não a vai ver. Aqui tem a remarcação, para depois da data prevista do parto.

Fiquei furiosa, ansiosa, triste com tamanha insensibilidade e incompetência de um serviço que deveria funcionar em pleno e que tantas horas me havia feito esperar ao longo de todo o processo da gravidez. Apeteceu-me armar o maior escabeche nas urgências de obstetrícia, que estava nervosa e indisposta com este incidente. Optei antes por colocar os nervos na bagagem e regressar a casa.

Acalmámos, jantámos, deitámos. Afinal, haveria de correr tudo bem e a bebé chegaria ao mundo quando tivesse de chegar. Poderia faltar algum tempo. Uma, duas, quiçá três semanas. Adormecemos, com alguma dificuldade. O Luís pouco tinha dormido na noite anterior e preparava-se para, mais uma vez, acordar às cinco horas.

Acordei com um ploc dentro de mim. Não tive tempo de pensar no que era, porque a cama ficou alagada nesse instante. Amor, acorda. A Teresa vai nascer. Rebentou a bolsa. Eram duas e meia da manhã. E agora, o que fazemos? Perguntava ele em alvoroço. Arranjámo-nos calmamente, pegámos nas nossas coisas, ligámos aos nossos pais e em coisa de quinze minutos estávamos a dar entrada nas urgências do hospital. Foi rápido e indolor.

Na triagem, a coisa piorou: começaram as contracções horrorosas. O Luís ficou lá fora. Só quando já estava instalada no bloco (no HBA, há quartos isolados onde permanecemos durante todo o trabalho de parto), com duche tomado e toda uma panóplia de cabos, tubinhos e tubetas, é que o chamaram. As condições são, efectivamente, muito boas e diferentes da maioria dos hospitais públicos. Há cromoterapia, música a gosto, bolas de pilates e toda uma série de recursos para ajudar a melhorar este processo que pode ser muito moroso.

Pensei, na minha inocência, que a coisa iria ser rápida. Cerca das sete da manhã, muitas contracções, nada de dilatação. Precisava de, pelo menos, 4 dedos para poder fazer a epidural. Já gritava por ela! Foi necessário o recurso a fármacos, mas lá avançámos um bocadinho e finalmente tive direito à bendita anestesia. A manhã foi passando, fomos mantendo o contacto telefónico com as pessoas mais importantes, pairava muita ansiedade no ar.

Nada de dilatação, faça assim, faça assado, só não fiz o pino porque estava ligada ao CTG (que neste quarto ainda era cheio de fios), tenho fome, mas não pode comer, só esta gelatina, agora o pai tem que sair para fazermos o toque, pai já pode voltar. E eu já estava exausta. O Luís já estava exausto. Toda a equipa estava, com certeza, exausta e farta de aturar as minhas macacadas – acreditem, todos os profissionais de saúde e auxiliares que encontrei desde a entrada na urgência até à alta foram impecáveis! E a Teresa teimava em não vir conhecer o mundo.

Aparentemente, a piquena tinha a cabeça mal posicionada e não havia maneira de se endireitar. E as horas passavam. E as dores voltavam, vinham as repicagens da analgesia, eu melhorava qualquer coisa. Estava cansada. Não avançávamos. Aproximava-se a hora do jantar e nada de Teresa. Atravessámos três turnos, estamos a dizer olá novamente aos enfermeiros da noite anterior. Que raio descansaram eles, a sair depois das 9h e a estar por cá às 15h30′? Não quero esta vida para mim. Espero que jantem por mim.

Começava a ver o meu caso mal parado. Ouvia-os, todos, a falar em código. Não iria conseguir parir sem ajuda. E se agora vamos para cesariana? Eu não quero! Podem falar de ventosas e fórceps sem códigos, eu sei, não me assustam. Decidam, por favor, quero a minha filha! As dores voltavam, havia alguma hesitação no reforço da analgesia porque estava cada vez mais perto do grande momento e teria de sentir qualquer coisa para cooperar.

Fórceps, foi o que foi. Pediram ao pai para sair e o processo de expulsão foi algo que me custou muito, embora tenha a noção de que aconteceu depressa, o momento em si. Não sei por que é que pediram ao pai para sair do quarto. Há homens sensíveis, mas o meu não é um deles, bolas! Logo a seguir (obviamente!) entrou para poder pegar na bebé ao colo e viu tooodo o cenário escangalhado.

Sabe muito melhor que eu dos estragos ocorridos e de todos os pontos que levei – e que me custaram tanto, porque os senti bem de mais a todos! – por dentro e por fora. Não ficou traumatizado. Passei por uma episiotomia (teve que ser e fui informada, tal como em todos os outros momentos) e ainda ocorreu uma laceraçãozita noutro local. Se chegaram a esta parte da leitura, não se assustem! Passadas duas semanas, parecia que nada tinha acontecido.

Sabem que mais? É mesmo verdade quando nos dizem que, por maiores que sejam as dores, esquecemos (quase) tudo imediatamente quando temos os nossos bebés nos braços. Às 21h15′ do dia 14 de Julho de 2016, nasceu a minha Teresa. Foi, é, o melhor desta vida. Não sei como aconteceu, mas apaguei as horas dolorosas anteriores ao momento. E foi uma festa. Senti que toda a equipa estava realmente connosco, feliz connosco, a dar o melhor por nós.

Fomos para o recobro, no mesmo serviço. A Teresa teve maminha. Pouco tempo depois, fomos transferidas para o internamento – no HBA, os quartos do internamento acolhem duas mães e os seus respectivos bebés, que estão sempre ao pé de nós. Cada quarto tem o seu quarto de banho, é mesmo um hospital excepcional no que toda às condições. Não tivemos acesso aos nossos pertences, já que devem ser trazidos dentro do horário de visitas (antes das 20h). Ainda assim, foi-nos providenciado tudo aquilo de que poderíamos necessitar nas primeiras horas.

Posso dizer que nem meia hora depois de estar no internamento, já tinha ido à casa de banho autonomamente. Tomei duche e tudo. Tive dores, sim. Os primeiros dias do pós-parto foram um pouco aborrecidos nesse aspecto, mas nada do outro mundo – fico mais transtornada, por exemplo, quando tenho uma gripe daquelas mesmo feias. Tivemos alta menos de 48h depois e a estadia não poderia ter sido melhor. Ok, se por lá passarem, levem uns acepipes.

Não fiz nenhum plano de parto previamente e não creio que tivesse necessitado. Para mim, o meu parto foi o mais humanizado que poderia ter sido – num hospital, com todos os recursos necessários para assegurar que nada correria mal, com conforto e com muito respeito. Decorreu em óptimas condições, contei com óptimos profissionais de saúde, estivemos sempre a comunicar, coloquei as questões que entendi serem necessárias e obtive sempre resposta. Aturaram coisas que não eram da sua competência, sempre com a maior amabilidade.

Nunca é possível prever um parto, pelo que acredito que as coisas aconteceram como tinha que ser e fomos – eu, a Teresa e o Luís – tratados com a maior dignidade. Melhor, só se tivesse sido mais rápido, mas não poderíamos ter feito mais nada neste sentido. Não poderia ter escolhido melhor o local de nascimento da Teresa e recomendo mesmo muito o HBA. Daqui a uns anos, é lá que quererei ser mãe novamente.

É Carnaval, ninguém leva a mal!

bebé carnaval

Tinha mesmo de mostrar a minha Minnie. Porque eu nem era eu se não mostrasse à minha filha, logo de pequenina, o que é o Carnaval. Porque ela pode ser 7 meses de gente, mas já alinha nas minhas macacadas. É uma vaidosa, é a minha princesa!

Para quem diz ah e tal, que é difícil encontrar disfarces de Carnaval para bebés: ilustres, do pouco se faz muito! Encontrámos um vestido com saia de tule a 3.99€ na H&M (há-de servir para outras trapalhadas), as orelhinhas com laçarote comprámos no chinês – vinham numa bandolete, mas a minha mãe retirou-as e coseu numa fita de cabelo. O casaco (feito pela minha mãe para mim, já tem quase 30 anos!) e os collants (e os sapatos, aqui estava descalça mas usa sempre sapatos tal e qual gente crescida) são da roupa que veste normalmente.

Ficou ou não ficou a Minnie mais amorosa de todas?

E agora, vá, vamos tod@s limpar a baba e seguir com as nossas vidas.

Bebés 101: Escolher Fraldas

Escolher as melhores fraldas (e restantes produtos associados à muda) para os nossos bebés é um grande desafio.

Lembro-me que, quando estava grávida e pensava nas compras que tinha de fazer para a Teresa, as fraldas eram um dos produtos que maiores dúvidas levantava. Queremos aproveitar as promoções, mas por outro lado nunca sabemos quais são as melhores, nem se os bebés farão alergia ou quais os tamanhos a trazer.

Se vão ser mães pela primeira vez ou acabaram de dar à luz e ainda andam aos apalpões, deixem-me ajudar-vos com este post. Começo por vos dar um conselho de amiga (a sério, podem dizer-vos o contrário, mas isto é o que tenho verificado):

Não façam stocks de fraldas antes de os bebés nascerem.

A sério. Em primeiro lugar, não se deixem iludir pelas histórias de promoções e feiras de bebés. Salvo raríssimas excepções, não compensam. Vão ter os mesmos ou melhores descontos ao longo do resto do ano. Depois, já viram se investem tudo numa determinada marca e vai na volta o bebé é alérgico ou nem sequer gostam da marca? Não vale a pena fazer fretes. O que sugiro é que tenham 1 ou 2 pacotes de tamanho 1 a jeito para quando a criança nascer. Tenho quase a certeza que, numa aflição, o hospital (se for esta a vossa opção) onde nasce o bebé também vos fornece algumas fraldas. Referi o tamanho 1 porque é o que faz mais sentido na maior parte dos casos:

  • Abrange um leque de pesos que apanha a maior parte dos recém-nascidos;
  • Há marcas que já disponibilizam o tamanho 0 (para bebés abaixo dos 3kg), como as Dodot Sensitive – se necessitarem, dá perfeitamente para comprar já depois de o bebé nascer e assim não ficam com fraldas empatadas para os Nenucos;
  • Mesmo que tenham um bebé grande, acreditem que é provável darem conta de um pacote de fraldas T1 num instante. Os recém-nascidos tendem a ser muito cagõezinhos!

Stocks de fraldas só se fazem quando já conseguimos prever mais ou menos o crescimento dos nossos bebés. É o meu conselho de amiga!

Quanto a marcas, segue abaixo a minha crítica.

Comecemos por desmistificar o descartável vs pano. Até podem ter óptimas intenções para com o ambiente, mas quando começarem a ver as fraldas de pano/reutilizáveis todas feias e a ter de as lavar à velocidade da luz, vão desistir dessa ideia. Felizmente, hoje em dia o mercado oferece-nos opções de fraldas descartáveis para todos os gostos, ideologias e bolsos. Há que salientar que só posso falar das que conheço, pelo que fico à espera de ouvir outras opiniões nos comentários. Felizmente, a Teresa nunca fez alergia a coisíssima nenhuma e espero que assim se mantenha.

  • Bambino – eram as do hospital. Já as conhecia de outras andanças. São razoáveis. Não transbordam mas são muito “plásticas”.
  • Chicco Dry Fit Advanced – Foram as que comprei em primeiro lugar e foram as melhores. Estão frequentemente com 50% de desconto. São fofas, respiráveis, ajustam-se bem e não transbordam. Recomendo muito!
  • Continente – No que diz respeito às marcas brancas, são as que mais gostamos (e as que mais compramos). Não devem muito às da Chicco. Só não me parecem tão fofas e, consequentemente, um pouco menos absorventes. É frequente terem packs mensais a cerca de 11€. Querem melhor?
  • Lidl – Não são más, mas não se ajustam tão bem ao corpo do bebé. São muito “rígidas”. Se os cocós forem muito líquidos, estas fraldas transbordam especialmente pelas costas, já que o rebordo não tem elasticidade.
  • Libero – Fujam! A sério. Ouvi dizer muito bem delas, nem sei bem como. Transbordam, trespassam, são um horror. E o pior é que a humidade também se mantém à superfície. Resultado: muitos rabinhos assados.
  • Dodot Sensitive – Não percebo, também, o alarido feito em torno desta linha. As fraldas são boas. Mas poderiam ser melhores! Parecem-me muito “plastificadas” no interior. Têm uma espécie de rede. E retêm muita humidade nessa camada, o que resulta numa espécie de caldinho a refogar e acaba por originar o mesmo que as Libero.

Aparte: gostava muito de experimentar as Nunex, mas nunca calhou. São portuguesas e ouvi falar muito bem delas. Confere?

Passando ao capítulo da limpeza, impera o seguinte conceito (especialmente nos primeiros tempos de vida do bebé): façam-na da forma mais simples possível. O ideal é utilizar compressas com água, mas este formato nem sempre é o mais prático.

Por aqui, adoramos as Water Wipes (são toalhitas praticamente só com água). Com o passar do tempo, após verificarmos que não havia reacções adversas, começámos a intercalar com as Huggies Pure e com a Johnson’s Baby Gentle Cleansing. Já experimentámos todas as variedades da Dodot, marca branca Continente e Lidl, outras variedades de Huggies e todas elas tendem a deixar o rabinho da Teresa irritado.

Sei que há várias marcas no mercado que disponibilizam linimentos, mas eu diria que é um produto dispensável (de qualquer forma, gosto do da Uriage).

O que fica a faltar nesta conversa? Ah, os cremes da muda da fralda. Aqui tenho uma opinião muito vincada e uma experiência muito positiva com determinados produtos, pelo que me recuso a experimentar outros:

  • Quando a pele está íntegra, com bom aspecto, não aplico sempre creme. Aplico a pasta d’água da Bioderma uma ou duas vezes por dia e chega. Quando vejo que o rabinho está a ficar vermelho, siga deste belo produto em todas as mudas!
  • Quando a coisa é mais séria (muito xixi, cocós mais ácidos), aí recorro à pomada Nutraisdin ZN40 da Isdin. É do melhor que há neste mundo.
  • Uma boa dica caso por cima disto necessitem de um produto tipo talco para ajudar a “secar”: utilizem farinha Maizena. A sério, tal como se fosse pó de talco. Faz-se disto há séculos, está estudado e tem bom resultado.

Penso que não me esqueci de nada do que considero ser importante sobre a temática das fraldas, mas caso tenham dúvidas ou sugestões a fazer é só escrever. Espero ter ajudado alguém com a minha experiência!

Bolachas para toda a família

Do bebé de 6 meses até ao velhote da família. A sério.

Sou mãe de uma menina muito boa de boca. Amamentei em livre demanda e de forma exclusiva até aos 4 meses da Teresa. Depois disso, tive pena da piquena, que tinha os seus ataques quando nos via comer e não lhe dávamos nada. Introduzi, então, sem grandes regras quanto a horários e quantidades, a sopa e a fruta. Foi um sucesso! Comeu muitos vegetais diferentes e só não achou grande piada às nabiças. A esta altura do campeonato já fez a introdução de alguns cereais e da carne.

Estou a transitar das sopinhas e purés (a Teresa ainda mama quando lhe apetece e não me parece que vá mudar em breve) para uma espécie de baby led weaning (BLW). Mais tarde, falarei melhor disto, mas o BLW consiste, por alto, em dar autonomia ao bebé para que coma o que lhe apetecer, com as suas mãos.

bolachas saudáveis
Feito por mim: bolachas de banana, aveia e coco.

Por um lado, a Teresa adora a sopa e nem faria sentido tirá-la da sua dieta dado que até nós devoramos sopa nesta casa. Neste momento, a sopa até me ajuda a quantificar o que a Teresa come. Noutra medida, a bebé adora ter os seus bocadinhos de alimentos no tabuleiro para explorar. Como decidimos que, pelo menos até a Teresa fazer 1 ano, ficarei em casa com ela, temos todo o tempo do mundo para que possa descobrir a comida à vontade.

Não tenho quaisquer intenções que a Teresa coma bolachas maria, ou outras semelhantes carregadas de açúcar. Mas a bela da bolacha sempre ajuda a coçar o dente! Ora, no outro dia a Carla partilhou algo que veio mesmo a calhar: bolachas de banana, aveia e coco compatíveis com toda a família. São tão simples de fazer e foram um sucesso para a filha e para o pai. Duvidam? Precisam de:

  • 3 bananas maduras
  • 150g de flocos de aveia
  • 50g de coco ralado
biscoitos
As minhas bolachas antes de irem ao forno.

Esmaguem a banana com um garfo (ou, se forem impacientes, triturem). Envolvam-na muito bem com os flocos de aveia e com o coco ralado. moldem bolas e achatem (para ficar em forma de bolacha), disponham num tabuleiro forrado com papel vegetal e levem ao forno por coisa de 15 a 20 minutos (quando as bolachas estiverem tostadas por fora, já está).

E agora, contem-me: são ou não são saborosas? O que dizem os vossos miúdos?

O Álbum da Teresa

álbum de bebé

Os primeiros tempos da vida de um bebé passam a correr.

Parece um cliché, mas garanto que é verdade. Todos os dias os petizes aprendem coisas novas e, nos primeiros meses, crescem visivelmente da noite para o dia. Acreditem quando vos digo que há coisas importantes que, se não registamos, acabamos por esquecer muito rápido.

Eu faço questão de tirar muitas fotos, gravar vídeos e registar momentos da Teresa. Como um arquivo que não é tratado é uma espécie de arquivo morto, faz todo o sentido manter e organizar um álbum (mais álbuns, mas um como “resumo”) do primeiro ano de vida.

Antes de a cachuchinha nascer, pedi-vos ajuda na escolha do melhor álbum. Bom, até poderia ter sido eu a fazê-lo, mas já tinha assuntos a mais em mãos. Vi álbuns para todos os gostos: artesanais, produzidos em série, incompletos, com floreados a mais, a custarem os dois rins, baratos e feios… Até álbuns com fotografias de outros bebés na decoração eu encontrei. Qual é o sentido? Não é suposto serem os nossos bebés os protagonistas destas recordações?

álbum aiaimatilde

Acabei por optar pelo álbum da Aiaimatilde. Tenho vários artigos desta marca portuguesa, adoro todos e o álbum de bebé ia de encontro a tudo o que procurava: é lindo, tem um formato prático de manusear e compor, dá para registar tudo o que é mais relevante, não é caro (custa 12.50€) e sei que a Teresa vai adorar folheá-lo quando for mais crescida.

Há para menino e para menina, e só me arrependo de não ter pedido para personalizar a capa com o nome da minha pequenina.

Açúcar na Papa

Estou longe de ser a pessoa mais fundamentalista com a alimentação da minha filha. Tal como tudo na vida, o equilíbrio é um bom princípio. Ainda assim, preocupo-me muito com a saúde dela e sei que é importante ter cuidado com o que lhe ponho no prato.

Mantivemos o aleitamento materno exclusivo até aos 4 meses. Depois disso, apesar de não ter sido muito rígida, fui introduzindo a sopa e a fruta no regime alimentar da Teresa. Poderia (e deveria, talvez) ter mantido a amamentação exclusiva até aos 6 meses, mas angustiava-me ver a pequenina toda interessada em ver-nos comer e ficar triste por não poder comer nada. Parecia que queria saltar da cadeira e fazia (e faz, ainda faz…) caretas quando via talheres ou copos a passar à frente dela.

Sem stress nenhum, decidimos avançar com a introdução dos alimentos e foi um sucesso. Adora tudo o que lhe damos. Como sempre teve uma óptima progressão de peso, ainda não lhe dei a conhecer as papas. Achei que não faria sentido algum introduzir farinhas tão cedo. Porém, com o aproximar dos 6 meses, planeio dar-lhe mais alimentos novos e, finalmente, experimentar as papas. Preferencialmente feitas em casa!

Repito, não sou fundamentalista com a alimentação da Teresa. Sei bem que, fora de casa, pode ser necessário recorrer a um desses malfadados produtos de compra, pré feitos. Não estou assustada com essa parte e eu própria faço questão que ela coma de tudo. O problema para mim é que, segundo a indústria alimentar, o que deveria ser uma excepção transformou-se na regra.

papa bebé
Constituição de uma papa à venda no mercado, para bebés a partir dos 4 meses.

Na consulta dos 4 meses, quando discuti a introdução dos alimentos com a enfermeira que nos acompanha, foi-me dito que poderia apostar em papas de compra adequadas à idade da bebé. Infelizmente, pasmem-se, também se fala assim nas escolas. Ora bolas, poder até posso! Mas quem é que, no seu perfeito juízo e preocupação, sabendo ler um rótulo e interpretar a informação que tem à sua frente vai encharcar um bebé com açúcar e óleos da treta sem que haja um bom motivo (não vejo motivos, mas…)? Eu não!

É mesmo uma questão de desinformação, porque nem o argumento da disponibilidade económica é válido – sai muito mais barato comprar os ingredientes e fazer as papas em casa, como deve ser. Ainda não sei bem para onde me virar, mas o que não falta actualmente (porque é um assunto cada vez mais debatido, felizmente) são manuais e sítios com receitas para bebés.

Fica no ar a questão: como se admite às marcas que, em pleno século XXI e após décadas de lutas neste domínio, continuem a lucrar com a disseminação de informações erróneas e produtos que não fazem, de todo, bem à saúde dos nossos bebés? Eles adoram-nas, sem dúvida, são tão doces! Raríssimas são as marcas no mercado que disponibilizam papas com uma constituição minimamente decente.

E olhem que vos escreve uma pessoa que adora toda a espécie de papas doces…

Matilda, a Gata

bosques da noruega

Em minha casa, as minhas regras.

Cresci habituada a ter animais de estimação, embora com algumas restrições. Na casa dos meus pais, a princesa era (e é) a Nina. Havia uma certa simpatia por cães, mas gatos nunca foram permitidos. Manias e preconceitos, vá-se lá entender.

Quando eu e o Luís nos juntámos, foi consensual que adoptaríamos um gato assim que possível. Aliás, imaginem-me na sala de partos do hospital (porque isto aconteceu), no pico do sofrimento, numa lástima, a praguejar e a dizer que o próximo filho só poderia ser cão ou gato. É claro que me passou a maluqueira, de tal forma que queremos manos para a Teresa, mas acabámos mesmo por trazer uma miau cá para casa.

Se o respectivo já tinha experiência com gatos eu, pelo contrário, não sabia muito bem o que esperar. Sempre me venderam que os gatos são animais ariscos e traiçoeiros, pelo que tinha algum receio. Cá para nós, com base no senso comum e na experiência do Luís, teimámos que queríamos um macho grande, felpudo e pacífico.

gata

gata

E eis que a Mati nos cai do céu.

Literalmente! Foi num sábado, no início de Novembro, que a história começou. A Tânia contou-me que lhe tinha caído uma gatinha no quintal. Linda, felpuda, de porte pequeno e muito dócil. Derretemo-nos, e como a Tânia não podia acolher mais bichanos (porque já tem dois), ficou decidido que se a gata não tivesse dono, viria morar connosco. Não há acesso directo ao local onde foi encontrada, pelo que foi necessário tratar do assunto com cautela.

Passaram dias, passou uma semana, foram feitos anúncios, averiguou-se se teria chip (não tinha), perguntou-se porta a porta e nunca surgiu ninguém. As expectativas foram crescendo, dissiparam-se as dúvidas e… Agora a Matilda faz parte da nossa família!

Matilda, Mati

Foi o nome que escolhemos sem ter de pensar muito. É o nome de um tanque de guerra. Eu própria sugeri, por causa de um jogo que o Luís tem na consola (World of Tanks), que se fosse um macho seria o Panzer ou o Maus. Sendo fêmea, tinha de se chamar Matilda. Não podia ser mais simples.

Temos tratado dela como a princesa que é e confiámos desde logo na Flamvet para todos os cuidados de saúde (checkups, vacinação e esterilização) necessários. Adoro a Dra. Marta (é a veterinária da Nina) e recuso-me a ir a outro lado ou ser atendida por outros profissionais.

bebés gatos

Estima-se que a Mati tenha agora cerca de 9 meses. É uma minorca (não pesa sequer 4kg) e pensamos que não vai crescer muito mais, embora seja provável que descenda de uma mistura de gato Europeu Comum com Bosques da Noruega. Está tudo bem com a saúde dela, e desde que está connosco já ganhou muito e bom pelinho. Está cada vez mais fofa!

Ficou integrada muito rapidamente e é muito mimosa – esta parte assusta-me, porque é tão dócil que aceita festinhas de toda a gente, o que nos deixa especialmente preocupados e amedrontados com a possibilidade de uma fuga acidental de casa. É ter cuidado em duplicado, pela Teresa e por ela.  É muito pacífica, não faz grandes avarias e até à bebé dá miminhos, com o bónus de respeitar o espaço e as coisas dela (devo tê-la apanhado duas ou três vezes em cima da colcha do berço e nada mais que isso).

Nunca pensei que fosse possível encontrar uma gata tão especial e docinha. Cá por casa, estamos encantados com a filha felina!

gato

A Teresa é uma Boti Baby

Eu sei, não me batam! Ultimamente mal postei e, quando posto, é só Teresinha, só Teresinha… Já pareço um baby blog e vocês já não aguentam tanto mel. Peço-vos alguma compreensão porque ela é, literalmente, a menina dos meus olhos e o motivo que me tem mantido afastada do resto do mundo. Prometo que não vamos falar só da Teresa, mas também tenho de a incluir por estas bandas!

Tão pequenina e já tão vaidosa…

Mesmo antes de a Teresa nascer, eu já tinha tomado uma série de decisões no que toca aos seus cuidados de higiene e beleza. Sim, beleza, que é de pequenino que se torce o pepino e as verdadeiras princesas já nascem coquetes. Eu já sabia que produtos escolheria, de que marcas e quando os utilizar, porque quero o melhor para a minha filha.

baby boti

Não sou maluquinha, calma! Pensei nos básicos, que hei-de partilhar convosco. Há de tudo, para todos os gostos e carteiras (que nem sempre o produto melhor é o mais caro).

Até disse, cá para mim, que água de colónia não seria algo a entrar em circulação logo à nascença e, portanto, nem sequer coloquei nenhuma no toucador da miss. Aliás, não poderia ser uma colónia qualquer: a primeira teria de ser Baby Boti, que vocês sabem que eu adoro (se não se lembram, dêem uma espreitadela aqui e aqui).

Para um recém-nascido, por muito tentador que possa ser enchê-lo de cheirinhos e perfuminhos bons, o melhor é mesmo evitar ao máximo as fragrâncias. Assim sendo, quando aferisse que era relativamente seguro utilizar colónia na pele/roupa da pequenina, logo trataria de a trazer para casa. Tolice a minha, porque quando a Teresa nasceu, O Boticário tratou logo de a apadrinhar.

Quando é que os vossos bebés começaram a utilizar água de colónia?

Só com quatro meses é que a Teresa começou e decidi liberar a utilização de alguns produtos de higiene mais cheirosos (sempre com cautela), mas já que teve o privilégio de receber como primeiro presente de princesa bonita e vaidosa um conjunto Baby Boti, com colónia, gel de banho, hidratante e protector solar, e apesar de me conter, não resisti a utilizar o protector solar logo nos primeiros tempos de vida.

O cheirinho a bebé é o mesmo e devo dizer quefoi de preciosa ajuda logo no primeiro mês da pequena – como os dias eram bons, fizemos questão de a levar a passear quase sempre, ao fim da tarde e com as devidas precauções.

Resumindo e concluindo: posso afirmar que a minha filha chegou a este mundo em beleza e não poderia andar mais bem cheirosa. Miminhos destes são mais um motivo para dizer que O Boticário é mesmo aquela marca do coração.

Muito obrigada, desta mamã que só quer dar ainda mais beijinhos à sua filhota bem cheirosa!

Guida guarda-tudo a investir na descendência

caixa bebé
A caixa da Teresa, obra da Kandandus da Avó Filó.

Filho de peixe sabe nadar. Posso dizer, com orgulho, que muitos dos meus brinquedos e colecções estão guardados e em boas condições para que a Teresa possa divertir-se como eu me diverti. Quem diz brinquedos, diz roupas e bugigangas.

Da mesma forma que a Teresa herda o que é meu, eu também herdei coisas da mãe, das avós, das primas e das tias. Se está nas minhas mãos, é garantido que vai ser bem estimado. Se está em bom estado ou tem remédio, gosto de guardar.

Disse algo novo até agora?

Deixem-me acrescentar que adoro que os meus pais tenham guardado muitas recordações da minha infância (há álbuns fotográficos intermináveis, o cordão umbilical, a primeira madeixa de cabelo cortada, o primeiro desenho) e lamento pelas que se perderam. Dá para imaginar que, há coisa de 20 anos, quando nos assaltaram a casa levaram os meus dentes de leite?

Dêem-me o desafio de completar colecções, que eu aceito sem pestanejar. Especialmente se for para a minha Teresocas, e espero que ela dê o devido valor um dia e lhe ganhe o gosto. Havia coisas que queria guardar e que não são compatíveis com os típicos álbuns de bebé, e longe estava eu de imaginar que há caixas destinadas a este fim.

É certo que não cheguei a investigar muito, porque fui surpreendida pela minha vizinha e amiga Filó com a caixa que vos mostro na foto. Não é amorosa? E tem espaço para as coisinhas bonitas que queria guardar da minha menina: no interior, tem 4 caixinhas com bonequinhos em biscuit nas respectivas tampas, para guardar a pulseira da maternidade, o cordão umbilical, a primeira madeixa de cabelo e os dentinhos de leite.

É um projecto a longo prazo daqueles que vai ser delicioso rever daqui a muitos anos.

A caixa exterior é personalizável e adorei a aproximação às características físicas. Será que vai ser mesmo assim? Foi uma surpresa e pêras ♥♥♥

Achei a ideia giríssima e é uma óptima sugestão para aquelas pessoas próximas que vão ter bebés e não sabemos o que oferecer. Aliás, se espreitarem a página Kandandus da Avó Filó, o que não falta são ideias e projectos giríssimos que merecem mesmo uma visita. E eu sou da opinião que os presentes feitos à mão são muito mais bonitos!