Etiqueta: Receitas

O meu bolo de aniversário

bolo de aniversário

Fiz 27 anos no dia 16 de Fevereiro.

Não fiz um grande alarido porque já começam a ser muitos anos e, tendo em conta o que aconteceu na minha vida ao longo do último ano e picos, decidi que iria querer alguma paz nesta data. Não que fosse de grandes festejos antigamente, mas aproveitava o aniversário para convocar um jantar entre amigos e chegávamos a ser perto de 40 pessoas à mesa. Actualmente, gosto de ter por perto a família mais próxima e mesmo assim já somos muitos.

Não é por ter decidido manter os festejos mais simples que iria abdicar de um bolo à altura, e este ano decidi que seria eu a fazê-lo. Sabia o que queria comer e, salvo algumas excepções, tenho descoberto que se queremos algo bem feito, à nossa maneira, temos de ser nós a fazê-lo.

bolo de aniversário
O meu bolo, acabadinho de fazer. Já com os coraçõezinhos (Vahiné, comprei no supermercado), ainda sem as framboesas e restantes enfeites.

Não me meti a inventar: peguei na receita do bolo que eu e a Catarina fizemos na Academia Vaqueiro em Maio de 2014, que é muito simples, e adaptei-a ao meu gosto. Eis o que vão necessitar:

  • Para o bolo:
    • 30g de chocolate em pó (diluídos num pouquinho de água quente)
    • 6 ovos (claras em castelo + gemas)
    • 250g de açúcar amarelo
    • 125g de margarina derretida
    • 200g de farinha para bolos
    • 70g de farinha Maizena
    • 70g de fermento em pó
    • 50g de açúcar baunilhado
    • 200g de mix de frutos vermelhos
  • Para a cobertura/recheio
    • 200g de cream cheese
    • 4 colheres de sopa de açúcar amarelo
    • 200ml de natas frescas (para bater)
    • 1 limão (raspas + sumo)

E faz-se assim:

Pre-aqueçam o forno a 180ºC. Bater as claras em castelo, juntar o açúcar baunilhado e reservar no frigorífico. Bater as gemas com o açúcar, juntar a margarina. Numa tigela à parte, juntar a farinha, a Maizena e o fermento. Juntar as farinhas à mistura e adicionar as claras. Untar e enfarinhar 3 formas redondas. Dividir a massa em três partes: 1 simples; 1 com mix de frutos vermelhos; 1 com o chocolate dissolvido. Levar ao forno, desenformar e deixar arrefecer totalmente.

Bater o queijo creme e o açúcar. Noutra taça, bater as natas bem firmes, juntar a raspa e o sumo de limão. Envolver tudo e levar ao frigorífico.

Montar o bolo juntando o recheio entre camadas e, no fim, a cobertura. Decorar com framboesas.


Há que dizer que dupliquei o recheio/cobertura, porque sou gulosa por este tipo de ingredientes e quis certificar-me que o bolo não ficava apenas com um gostinho da “molhanga” mas sim bem atestado e a transbordar! Saiu muito bem e os meus convidados (e eu, claro, que a opinião mais importante é sempre a do aniversariante) adoraram.

Estou ou não uma menina muito prendada?

bolo de aniversário

Bolachas para toda a família

Do bebé de 6 meses até ao velhote da família. A sério.

Sou mãe de uma menina muito boa de boca. Amamentei em livre demanda e de forma exclusiva até aos 4 meses da Teresa. Depois disso, tive pena da piquena, que tinha os seus ataques quando nos via comer e não lhe dávamos nada. Introduzi, então, sem grandes regras quanto a horários e quantidades, a sopa e a fruta. Foi um sucesso! Comeu muitos vegetais diferentes e só não achou grande piada às nabiças. A esta altura do campeonato já fez a introdução de alguns cereais e da carne.

Estou a transitar das sopinhas e purés (a Teresa ainda mama quando lhe apetece e não me parece que vá mudar em breve) para uma espécie de baby led weaning (BLW). Mais tarde, falarei melhor disto, mas o BLW consiste, por alto, em dar autonomia ao bebé para que coma o que lhe apetecer, com as suas mãos.

bolachas saudáveis
Feito por mim: bolachas de banana, aveia e coco.

Por um lado, a Teresa adora a sopa e nem faria sentido tirá-la da sua dieta dado que até nós devoramos sopa nesta casa. Neste momento, a sopa até me ajuda a quantificar o que a Teresa come. Noutra medida, a bebé adora ter os seus bocadinhos de alimentos no tabuleiro para explorar. Como decidimos que, pelo menos até a Teresa fazer 1 ano, ficarei em casa com ela, temos todo o tempo do mundo para que possa descobrir a comida à vontade.

Não tenho quaisquer intenções que a Teresa coma bolachas maria, ou outras semelhantes carregadas de açúcar. Mas a bela da bolacha sempre ajuda a coçar o dente! Ora, no outro dia a Carla partilhou algo que veio mesmo a calhar: bolachas de banana, aveia e coco compatíveis com toda a família. São tão simples de fazer e foram um sucesso para a filha e para o pai. Duvidam? Precisam de:

  • 3 bananas maduras
  • 150g de flocos de aveia
  • 50g de coco ralado
biscoitos
As minhas bolachas antes de irem ao forno.

Esmaguem a banana com um garfo (ou, se forem impacientes, triturem). Envolvam-na muito bem com os flocos de aveia e com o coco ralado. moldem bolas e achatem (para ficar em forma de bolacha), disponham num tabuleiro forrado com papel vegetal e levem ao forno por coisa de 15 a 20 minutos (quando as bolachas estiverem tostadas por fora, já está).

E agora, contem-me: são ou não são saborosas? O que dizem os vossos miúdos?

Guida na Cozinha

doces
Feito por mim: pudim prestígio, biscoitos de manteiga e ovos moles.

Habituei-me, de pequenina, a comer bem.

Sou muito niquenta (já fui mais, mas neste post velhinho dá para se recordarem) e creio que se deve ao facto de a minha mãe cozinhar muito, muito bem. Atrevo-me a dizer que quando as pessoas, habitualmente, não gostam de determinado prato, é porque ainda não o provaram cozinhado como deve ser. Pela senhora minha mãe. Outra casa onde estou habituada a comer muito bem é a da minha sogra.

Posto isto, como devem calcular, antes de vir morar com o Luís, não estava muito habituada às lides da culinária. Desenrascava-me nas raras vezes em que precisava de cozinhar e lá me aventurava com algumas receitas, que lá iam saindo bem, mas ficava por aí. Pois bem:

Sinto o maior orgulho em dizer-vos que, apesar de não ser nenhuma chef xpto, adoro cozinhar.

E em 7 meses de vivência comum, não houve experiência culinária que saísse mal. Ninguém passou fome. Nenhum jantar ficou esturricado. Pelo contrário! Posso dizer que até inovei numas poucas coisas. O mais giro é perceber que há coisas que funcionam por instinto. Isso e que até consigo confeccionar com sucesso os pratos que mais me agradam e saem tal e qual os das pessoas que melhor os fazem.

comida
Feito por mim: quiche, massa de coisas, perca no forno.

E apurar o menu ao nosso gosto, não estando dependente da opinião de terceiros na nossa cozinha? Esta parte trouxe muitos mais vegetais e alimentos diferentes, no geral, para a minha dieta. E reduziu drasticamente os fritos. Imaginem que até fiz da cloche uma das minhas melhores amigas: os meus pais tinham uma nova, que lhes foi oferecida quando casaram e nunca a utilizaram. Já lhe conheço as manhas todas e os petiscos, e serve perfeitamente para cozinhar para duas ou três pessoas.

Devo dizer que esperava uns quantos fracassos culinários, como bolos crus ou sabores intragáveis. Calha a todos, mas aqui ainda não aconteceu. Sendo sincera, até atino com os melhores temperos e consistências. Há um ano, não previa que fosse lidar tão bem com o facto de ter de gerir a minha cozinha.

E há que dizer, a saber cozinhar bem até me sinto melhor mãe (vá, estou a brincar, mas que mãe que se preze é que não se orienta na cozinha?).

cozinha portuguesa
Feito por mim: bolo prata, caldo verde, bolo de pêra rocha com vinho do Porto.

Mixórdia de Brigadeiros

Aviso à navegação: este post é non friendly para quem anda metido em dietas.

Nada melhor que matar saudades com escritos bem docinhos aqui no estaminé! Assim, até Dezembro começa melhor e o meu regresso da licença de maternidade (pois, sim, acabou a minha, mas recomeçou a do Luís e optámos por dedicar toda a nossa atenção à nossa pequenina e a uma série de assuntos pendentes) torna-se menos penoso.

pudim prestigio

Adiante, que o que vocês querem é a sobremesa. O que se passou foi isto: um dia destes, apareceu na minha timeline uma fotografia de uma sobremesa com um aspecto bastante apetitoso. Estava numa página de culinária e tinha a receita. Como tinha disponíveis outros ingredientes e teimei que não iria fazer as coisas à maneira deles, parece-me que não deve ser o tal pudim prestígio de que falavam. É, sim, uma mixórdia de brigadeiros. Devo dizer que é das melhores coisas do mundo! E é simples de fazer. Se eu consigo, vocês também conseguem.

Ingredientes

Para o creme branco:

  • 1 Lata de leite condensado (esta lata é usada como medida)
  • 1 Lata de leite
  • 2 Colheres de sopa de farinha Maizena
  • 200ml de natas
  • 100g de coco ralado

Para o creme de chocolate:

  • 1 Lata de leite condensado (esta lata é usada como medida)
  • 1 Lata de leite
  • 2 Colheres de sopa de farinha Maizena
  • 200ml de natas
  • 1 Colher de sopa de chocolate em pó
  • 100g de chocolate de culinária
  • 50g de Nutella

pudim prestigio

Preparação

Agora vem a parte gira da coisa. É que é simples, simples. Pegam nos ingredientes do creme branco, batem tudo e levam ao fogão em lume brando, sempre a mexer, até começar a engrossar. Reservam. Pegam nos ingredientes do creme de chocolate e fazem a mesmíssima coisa: bater, levar ao lume sempre a mexer e retirar quando engrossar. Há mais simples?

Podem dispor como preferirem. Eu optei por usar taças individuais. Colocam metade da taça com o creme branco e metade com o creme de chocolate. Polvilhem como vos apetecer. Podem usar coco, pepitas de chocolate, amêndoas picadas… Eu escolhi raspas de chocolate de leite.

Devo dizer que ficou divinal e que entrou (desta forma que fiz) para o meu caderninho das receitas que funcionam. Espero que também seja do vosso agrado!

Sobremesa docinha e sem açúcar de quark + whey

quarkwhey

Quem diz sobremesa, também diz snack! Falei-vos, muito por alto, das mudanças que tenho feito na minha alimentação, que tenho feito algum exercício e que tenho recebido algumas ajudas. Tenho um longo caminho a percorrer, é certo, mas grandes mudanças requerem grandes adaptações. É melhor fazer as coisas com calma, para correr tudo bem.

Nunca fui muito gulosa por doces, mas agora que tenho tentado implementar mudanças, verifico que até faço mais asneiras do que gostaria de assumir. Não me martirizo muito com esse assunto, mas se posso melhorar alguma coisa (que as comidas gordas e os lanches e jantares fora continuam – sou muito comilona e não abdico de alguns comodismos!), por que não?

Depois de uma grande refeição de alarve, por que não evitar a gordura e o açúcar desnecessários da sobremesa? Não quer dizer que não se coma algo para servir de consolo. Andei a investigar maneiras de utilizar o whey de caramelo que recebi, e resolvi juntá-lo com queijo quark. Podem adquirir o whey na Zumbu, o queijo quark é do Lidl. Olhem, fica uma delícia e é muito fácil de fazer: é só juntar uma porção de whey (neste caso é de caramelo, mas pode ser de outros sabores) com 250g de queijo quark magro e juntar quatro ou cinco colheres de sopa de água, para ganhar uma consistência mais cremosa. E é isto. Sim, é assim tão simples!

Sei que estes alimentos podem suscitar algumas dúvidas, e em breve planeio falar mais e melhor sobre eles. Por isso, se tiverem alguma questão (ou sugestão, se tiverem receitas para partilhar, agradeço muito!), não se inibam e enviem-ma para que possa responder.

Mac & Cheese à maneira

1375821_10151636527280443_1651339769_n

Reza a lenda que uma das estrangeirices apetitosas mais cobiçadas é o mac & cheese. Falo por mim, até há relativamente pouco tempo não gostava de queijo nem com molho de tomate. Entretanto, descobri que derretido até marcha, e desde então tive certa curiosidade com este petisco guloso de que tanto falam os nossos amigos americanos. Contudo, só tinha confeccionado com sucesso a versão de plástico da Liberty. É deliciosa, mas tinha a certeza que conseguiria algo melhor se fizesse em casa. Mas nada saía bem, independentemente da receita que experimentasse. Até que a Chocopink mostrou fotografias de um mac & cheese com aspecto divinal e eu, cusca que sou, tive de ir a correr perguntar se havia receita!

Eu sei que a minha fotografia parece algo dos primórdios da fotografia digital, mas convenhamos que à hora da refeição, foi muita a sorte de ter pegado no telemóvel antes de atacar o jantar. Antigamente, antes de comer, rezava-se. Hoje em dia, fotografa-se a comida para mostrar nas redes sociais. Mesmo assim, está com óptimo aspecto.

É claro que há receita, e algumas de vós também quiseram saber dela. Agradeçamos à Tânia e à amiga, que me deram a receita e permitiram que a partilhasse! Digo-vos desde já que não tem nada que enganar, é mesmo muito simples de confeccionar e o sucesso é garantido. Para 6 pessoas, basta fazer o seguinte:

  • Cozam 1kg de massa de cotovelinhos.
  • Em simultâneo, dá para preparar o molho que se vai juntar à massa: num tacho ao lume, juntem 50g de margarina e 2 colheres de sopa de farinha. Quando a mistura ficar espessa e amarelada, adicionem 700ml de leite. É muito importante mexer continuamente para não formar grumos. Quando a mistura estiver a ferver, juntem queijo cheddar e parmesão a gosto (utilizámos 1 barrinha de cada, compradas no supermercado). Mistura-se tudo até o molho ficar homogéneo.
  • Deitem a massa cozida num tabuleiro e cubram com o molho de queijo.
  • Numa panela à parte, faz-se a mistura da cobertura: pão ralado, paprika, noz moscada e 1 ou 2 colheres de sopa de margarina. Quando estiver tudo envolvido, polvilha-se a massa com esta mistura. Dá para cobrir com bacon e queijo ralado a gosto.
  • Levem o tabuleiro ao forno a gratinar até a massa ficar tostada na superfície e… Enjoy!

É uma espécie de paraíso num pirex. Experimentem. A sério. Garanto-vos que não se arrependem!

Bolos de Mel

bolosmel

Vamos começar bem a semana? Não sei como é convosco, mas cá por casa gostamos de reservar parte do fim-de-semana para preparar doces e salgados para petiscar durante toda a semana. É terapêutico, porque adoramos cozinhar. Para além disso, acabamos por poupar tempo e dinheiro na preparação das merendas que levamos connosco para o trabalho, escola e afins e a comida caseira sabe sempre muito melhor.

Esta semana, calhou fazer bolos de mel. Há algum tempo que não os comíamos e são muito fáceis e rápidos de fazer, com a vantagem de durarem imenso tempo sem se estragarem. São tipo biscoito, rijos. A receita é da mamã mas fui eu que fiz tudo sozinha. Modéstia à parte, acho que ficaram muito bem!

Ingredientes:

  • 2 canecas de açúcar
  • 2 canecas de azeite
  • 6 ovos
  • 4 colheres de sopa de mel
  • 2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
  • 2 colheres de chá de fermento
  • farinha até a massa estar boa para tender

Como fazer:

Misturem tudo num alguidar, com as mãos, até a massa estar boa para tender. Moldem bolinhas pequenas e coloquem-nas em tabuleiros de ir ao forno. Pincelem cada bolinho com ovo, para que fique com aspecto brilhante e apetecível. Levem ao forno até dourar.

Esta receita dá para muitos bolos (na foto mostro cerca de 1/10 da receita), pelo que é mesmo muito económica.

Os scones da Joana

Há muito tempo que não comia scones e o tempo frio e chuvoso já convida a tal. Depois de ver a receita e os scones da Joana, tivemos de experimentar.

Isto de se ser aselha e de o forno ao dispor ser o sarilho do costume fez com que a obra de arte não saísse tão bonita como seria de esperar. Primeiro, os scones ficaram gigantes. Eu fazia bolinhas pequeninas, diziam-me que achavam que assim iam ficar muito pequenos. Ok, albarda-se o burro à vontade do dono. Depois, a meio da cozedura andávamos a separar scones porque estavam todos amontoados a um canto no tabuleiro. Passou-me pela cabeça que pudesse ser a falta de farinha na forma untada, mas cá em casa já tenho feito bolos desta mesma forma e nunca tal desastre me aconteceu.

O que importa é que finalmente consegui fazer algo bastante delicioso naquele forno, porque o normal é que fique tudo esturricado ao fim de dois minutos lá dentro.

Trouxe a imagem da receita do The Paper and Ink e espero que a Joana não leve a mal!

Para quem não entende inglês, não há coisa mais simples. Precisam de:

  • 225g de farinha
  • 40g de açúcar
  • 1 colher de chá de fermento
  • 1 ovo (batido)
  • 6 colheres de sopa de leite
  • 1 colher de sopa de margarina
  • 1 pitada de sal

Num recipiente, mistura-se a farinha, o açúcar, o fermento e o sal. Depois, juntam-se o leite, o ovo e a margarina. Quando a mistura estiver homogénea é só amassar com as mãos e fazer bolinhas como se fosse pão. Leva-se ao forno numa forma untada e espera-se até os scones estarem douradinhos.

É muito simples e rápido e têm um lanche divinal na hora. Podem comer os scones quentes ou frios, com doce ou chocolate. Ou vazios. Ou com manteiga, que é como gosto deles.

Semi-frio de chocolate

Adoro quando a mamã me chama à cozinha para a ajudar a fazer um petisco. Adoro aprender a fazer coisas com ela e adoro ter sobremesas prontas para comer quando me dá na telha.

Já há muito tempo que não partilhava nada disto convosco.

Ontem à noite, fizemos um semi-frio de chocolate. A ideia não foi minha, mas as ideias de génio sobram para as mães em grande parte dos casos. Quem tem mãe, tem tudo!

Foi muito simples e foi tudo feito a olhómetro:

  • Batemos meio litro de natas e adicionámos algum açúcar. Deixámos cerca de 1/3 do preparado à parte.
  • Aos restantes 2/3 das natas juntámos 1 tablete de chocolate de culinária derretida.
  • Derretemos umas quantas folhas de gelatina e distribuimos pelos preparados anteriores.
  • Numa forma, colocámos metade de um pão de ló (cortado na horizontal).
  • Vertemos uma parte de natas com chocolate, depois as natas simples, depois o resto das natas com chocolate.

Levámos ao frigorífico por cerca de 3h e o resultado foi este: uma delícia!

Isto marchava ao almoço!

Eu sei que é uma bomba calórica e sei que eventualmente a maior parte de vocês nem mete os pés no KFC por um motivo ou por outro. Eu também deixei de lá ir, praticamente, porque se é para gastar dinheiro em comida fora de casa, que seja em algo mais substancial.

A verdade é que a minha paixão pelo Coronel Inglês (a típica sandes com panado + maionese + alface, com o bónus do bacon) continua bem viva e tive de arranjar uma maneira de remediar a situação. Diga-se de passagem que fui descobrir que era mais fácil do que parecia e que sabe ainda melhor feito em casa! Sim, já experimentámos fazer isto várias vezes. Correu bem e recomenda-se.

Esqueçam a parte do molho de barbecue, que nunca vi disso cá e dispenso experimentar. Esqueçam também a pimenta em pó, porque duvido que a encontrem num supermercado normal e sinceramente não faz grande diferença. Esqueçam o queijo. De resto, é tal e qual como o Nicko faz no vídeo e não precisam de perceber grande coisa de inglês porque parece-me que os gestos chegam para entender!

Bem, se vocês virem a quantidade de comida boa que faz mal que o homem publica no canal… Nham nham