Etiqueta: L’Oreal

Amostras L’Oréal para vocemecês

Experimentar coisas novas é bom, se for grátis ainda é melhor.

A L’Oréal Paris lançou recentemente três máscaras de argila diferentes para dar resposta às necessidades de todos os tipos de pele. No mínimo, a abordagem é interessante, já que as argilas são um ingrediente natural utilizado há séculos para este propósito e actualmente são cada vez mais as marcas a “simplificar” e ir buscar o bom que já existe ao invés de nos impingirem novidades que não são tão boas assim.

mascara argila

É claro que o mundo da cosmética está sempre a evoluir, há sempre novas descobertas a surgir e nós gostamos, mas em equipa que ganha não se mexe e por vezes isso acontece com o que já conhecemos há muito. Mais simples que isto, embora possivelmente menos confortável (não sei, que também não experimentei), só se comprarem as argilas tal e qual como são numa ervanária.

Para quem quiser experimentar, se clicarem nas imagens abaixo podem pedir amostras deste produto gratuitamente. Depois digam o que acharam e se vale a pena!

10 do Momento

Há muito tempo que não publico um post destes. A bem da verdade, pouco publico ultimamente, não é? Não pode ser e tenho de ver se encarrilo de uma vez por todas. Já sei que é difícil acreditar, mas um dos motivos que levou a que não publicasse nenhum destes tops que antes eram algo frequentes aqui no blog foi mesmo o facto de não ter experimentado muitas coisas. Elas chegam às minhas mãos, é verdade, mas nem sempre é fácil dar conta do recado em tempo útil.

Poderia falar aqui dos produtos que se tornam constantes na minha vida (em equipa que ganha, não se mexe!) ad infinitum, mas se já sabemos que os produtos são bons, para quê passar a vida a bater no ceguinho? Então, ou há coisas novas para acrescentar ou não vale a pena. Nesse sentido, gosto de testar tudo como deve ser. Preciso de tempo para tal, e tem sido complicado gerir tudo o que tem acontecido na minha vida. Às vezes, temos de redefinir prioridades.

10junho15

Agora, cá estou eu com duas mãos cheias de coisas boas para vos dizer. Porque ultimamente tenho descoberto autênticos milagres e recuperado outros tantos, e não se pode deixar passar um evento destes! Não há muito para dizer sobre maquilhagem, que não tenho utilizado muita. Assim, e com jeitinho, cá vamos nós:

  1. Creme Reparador de Calosidades com aroma a coco, Nativa do Brasil (lojas especializadas)- Trouxe este creme da Expocosmética e já sabia que seríamos bons amigos. Tem muita vaselina, mas não tem só vaselina e noto grandes diferenças na hidratação dos meus pés. Aplico antes de dormir e calço meias (que o creme é mesmo muito rico e consistente e torna-se pegajoso). De manhã, acordo com pés de bebé. O cheirinho a coco é um bónus!
  2. Máscara de Elasticidade Afro, Real Natura (lojas especializadas)- Comprei por sugestão da Ana Rita, que comprou por recomendação da Thaisa. Esta é, sem sombra de dúvidas, a melhor máscara de cabelo que já experimentei (no meu cabelo e no da minha mãe) e o melhor é que é barata (1kg custa 7€ e picos, quando não há promoções nas lojas!). Merece um post só para ela, mas só posso gabá-la e aconselhá-la a toda a gente que tem cabelos encaracolados ou muito frisados, espessos e secos/danificados. Experimentem! Agora, até fico desgostosa de pensar que tenho umas poucas máscaras para gastar antes de se justificar repor esta.
  3. Leite Corporal Multiconforto Cold Cream, Mixa (super e hipermercados) – A marca francesa Mixa chegou a Portugal há pouco tempo e eu tenho para testar um saco cheio de produtos. Só pelo cheiro a bebé, vale a pena espreitar a oferta da marca no mercado. Não me vou alongar muito por agora, mas tenho de partilhar convosco que sou fã de cold cream e foi muito fácil decidir que queria começar por testar este hidratante. Normalmente, é um martírio utilizar o mesmo creme até ao fim da embalagem sem intercalar com outros, mas desta feita está a ser um prazer. Tudo é perfeito: o cheiro, a textura do cold cream sem ser pesada, a sensação de hidratação, a ausência de desconforto…
  4. Quenching Serum SOS, Caudalíe  (farmácias e parafarmácias, está com desconto na Skin)- Já falei dele aqui, aqui e aqui, e dificilmente volto a dispensá-lo. Fi-lo para dar lugar a outros séruns temporariamente e a minha pele queixou-se logo. A sério, se não o conhecem, dêem-lhe uma oportunidade e vão ver que será um casamento feliz!
  5. Champô Crina, Real Natura (lojas especializadas)- Está visto que ando apaixonada pelos produtos de cabelo da Real Natura. Comprei este por ter feito milagres pelo cabelo de um amigo meu, deixando-o forte e muito crescido em tempo record, e decidi dar-lhe uma oportunidade. Cumpre as promessas propostas e eu não poderia pedir mais! Ok, se calhar tenho de fazer mesmo um post com a minha rotina capilar de ultimamente, porque ando mesmo satisfeita.
  6. Nano Shark Nail Treatment, Kinetics (lojas especializadas) – Já era fã do secante rápido e de alguns vernizes mais extravagantes, pelo que decidi experimentar esta base endurecedora (que também pode ser utilizada como top coat). Faz milagres! Promove uma boa aderência do verniz à unha e impede que esta quebre tão facilmente. Custou-me 5€ na Expocosmética e deixa-me mais feliz que produtos semelhantes de marcas mais caras.
  7. Spray Leave-in Protecção da Cor Vinoterapia, O Boticário (lojas e revendedoras O Boticário) – Escolhi este produto por ter FPS e, sendo líquido e em spray, dá um jeitaço no Verão. Posso dizer-vos que não é pegajoso, deixa o cabelo mais hidratado e tem um cheiro delicioso. É uma espécie de protector solar para o cabelo e isso faz com que não o dispense da minha bolsa de praia/piscina. Merece uma Medalha de Bronze, lá chegaremos!
  8. Champô Seco Cool & Crisp Fresh, Batiste (loja online Maquillalia) – Desde que fiz um alisamento progressivo em Setembro, tornou-se muito fácil manter o cabelo liso ou pouco ondulado (sim, os efeitos perduram!). Como tal, não necessito de o lavar com tanta frequência e quando preciso e estou com pressa, posso recorrer ao champô seco. Estou fã, super fã. Já falei deste meu amor aqui. E, sim, ainda é o mesmo spray.
  9. Óleo de Massagem Exótico Baobá + Tamanu, O Boticário (lojas e revendedoras O Boticário) – Bom, não tenho muita experiência no que toca à parte de receber massagens mas na perspectiva de as fazer tenho de dar o mérito a este óleo. Fluido sem ser demasiado líquido (não escorre!), não seca logo mas não fica super pegajoso, é super bem cheiroso e provoca uma sensação de calor bastante agradável. Adoro!
  10. Infallible Lips 2 Step na cor 506 Red Infallible, L’Oréal Paris (perfumarias, super e hipermercados) – Vocês sabem que sou apaixonada por batom vermelho. Se for de longa duração, melhor ainda! É o que se passa com este: primeiro, aplica-se o batom líquido. Depois, o bálsamo hidratante. Não é o meu primeiro batom desta linha, nem o primeiro vermelho, mas é a cor do momento. É super confortável, não deixa a pele dos lábios a repuxar e garanto que é à prova de noitadas e tudo!

Já sabem que, em momentos oportunos, dedicarei posts aos produtos que aparecem nesta lista e ainda não foram falados no blog. Para as carteiras apertadas, fear not! Não adicionei os preços dos produtos porque não sei, já que muitos deles foram comprados em promoção e nem tenho informação das marcas para complementar. Contudo, asseguro-vos que à excepção do sérum da Caudalíe (cujo preço ronda os 28€), todos os produtos custam menos de 10€.

Espero que gostem tanto desta selecção quanto eu!

Rotina de Verão #2

Tal como prometido e em jeito de conclusão, falta falar um bocadinho dos produtos de rosto e protecção solar que ajudaram a manter a pele em bom estado durante as últimas férias de Verão.

veraorosto

Na categoria dos produtos de rosto, não quis abrir grandes cerimónias. Quis manter a minha pele, que tem estado bastante oleosa na zona T, hidratada. Acima de tudo. Não é fácil atinar com um conjunto de produtos quando mudamos a nossa rotina do dia-a-dia, de sítio e de água. Negligenciei as limpezas profundas e esfoliações, que preferi deixá-las para o regresso a casa do que agredir a pele desnecessariamente.

1. O Rose Hydrate Miracle Makeover Facial Oil da Superfacialist, que já teve o merecido destaque neste posté um essencial. Antes de lavar a cara “a sério”, utilizei-o sempre para tentar atenuar os efeitos da desidratação. Um mimo!

2. Como produto de lavagem, optei pela Foaming Cleansing Fluid da linha Pureness da Shiseido. Gosto muito da linha, no geral, mas optei por levar apenas a espuma. É consistente e limpa a pele na perfeição sem a deixar a repuxar. Isto é, a parte do meu rosto que é oleosa fica limpinha, e a parte seca e desidratada não resseca. Fica tudo bonito e suave!

3. Esqueci-me de levar o tónico do costume e não quis meter-me em aventuras nem investimentos, e decidi optar pelo que não falha: água de rosas. Não agride, não faz mal, é quase dada e é polivalente (que serviu para ser pulverizada nos dias de maior calor e há sempre mil e uma utilidades). Também é um clássico cá do blog.

4. Um dos produtos que maior importância tem nesta rotina, com vista a garantir a hidratação da pele do rosto, foi (é sempre!) o Quenching Sérum SOS da Caudalíe, já apresentado aqui e um dos meus produtos indispensáveis. Não me alongo, que no post já existente está tudo dito.

5. Também da família Caudalíe e porque o contorno dos olhos começa a exigir cuidados específicos, recorri ao Creme de Olhos Polyphenol C15. Tenho de dedicar um post a toda a linha (em conjunto com a minha mãe), mas interessa dizer que consegui manter a região periocular até mais hidratada e com a pele visivelmente mais uniforme do que antes. E sem vestígios de mília!

6. O hidratante escolhido para esta temporada, sem FPS (que utilizo o protector solar separadamente), foi o Cuidado Hidratante Anti-imperfeições da Vichy. Conheço que não goste dele alegando que é pesado e pegajoso. É verdade que não é dos hidratantes mais leves do mercado para as peles oleosas, e que nem sequer é matificante, mas deixa pouco brilho e a situação não se agrava ao longo do dia. E é dos poucos hidratantes para peles oleosas que experimentei até hoje que assegura as necessidades de hidratação da minha pele. Apesar de ter alguns “activos peeling“, ácidos, não irrita a minha pele.

veraosolares

Pela primeira vez em muitos anos, consegui atravessar a época das férias de praia sem uma grande alergia ao sol. Tive algum receio com o protector solar que escolhi para me acompanhar, por ser uma novidade e por não ser de uma das marcas nas quais confio desde sempre (e bem se sabe que com o sol não se pode brincar e mais vale jogar pelo seguro!), mas correu tudo bem. Creio que o próprio estado do tempo ajudou, que parece que este ano mal tivemos Verão. Tive apenas o cuidado de evitar o óleo protector solar da Clarins do qual fiquei fã por só ter FPS 30 e não saber se seria a melhor opção para mim na praia durante muitos dias seguidos.

1. Do ano passado, transitou o Gel Fotoprotector Cream Dry Touch Color FPS 50+ da ISDIN. Já vos tinha dito que o adorava e até ganhou uma Medalha de Bronze. Ide ler o post para avivar a memória, que está lá tudo dito.

2. Para o corpo, confiei no Leite Sublimador FPS 50 da L’Oréal Paris. Se receios tinha, desvaneceram rapidamente. Bem se sabe que nos últimos anos a indústria da protecção solar evoluiu muito e já é possível encontrar boas opções nos supermercados, mas precisei de ver (e sentir) para crer. Para além da protecção eficaz, o bendito do protector tem brilhinhos que ajudam a dar aquele glow que não temos naturalmente no início da temporada de praia. Ah, é fluido o suficiente para ser fácil de espalhar e não é pegajoso nem deixa a pele branca tipo fantasma. Tem uma ligeira coloração, nada que se note. O cheiro também não é o habitual para um protector solar, é super suave e creio que agrada facilmente à maior parte das mulheres. Sim, que não me parece que os homens queiram parecer os vampiros do Twilight.

3. Por fim, os cabelos não podem ser esquecidos e resolvi estender os cuidados para além dos praticados em casa. Fiquei traumatizada com as asneiras de há dois anos atrás e não quero, por nada deste mundo, estragar o cabelo novamente. Para aplicar várias vezes durante a exposição ao sol, contei com o Óleo Protector Solar Elvive. Cheirinho agradável, super fluido e leve e protecção solar. Não há muito mais para dizer, é prático (vem em formato de pulverizador) e gostei muito de o utilizar.

Espero que esta partilha possa ser útil para alguém e que tenham tão bons resultados com as minhas sugestões, tal como eu também os tive. Posso dizer que não me importava de ter férias e levar tudo na mala novamente?

Rotina de Verão #1

Tal como prometido, partilho convosco a rotina de utilização de cosméticos que funcionou comigo em tempo de férias. Vai ter de ser em duas partes, que tenho muito para dizer. Na primeira parte, vou falar um pouco dos produtos que utilizei para o cabelo e para o corpo. No próximo post, falarei dos produtos de rosto e da protecção solar.

Há que salientar que saí de Lisboa carregada de tralha e que nem tudo o que utilizei se revelou eficaz, houve estratégias que tiveram de ser repensadas muito rapidamente e o conteúdo deste post foi o que, efectivamente, utilizei e que me encheu as medidas.

Não acho descabido publicar esta espécie de review extensa em Setembro. Não só porque o Verão ainda decorre e há muita gente que está ou há-de ir de férias, mas também porque muitos destes produtos podem ser (ou serão mesmo) utilizados durante o resto do ano.

veraocabelo

A rotina dos cabelos foi aquela onde mais arrisquei. Sol, praia e água da rede super calcária são grandes inimigos da saúde capilar. Tenham em conta que o meu cabelo é super espesso, denso, seco e frisado, para além de o pintar com alguma frequência.

1. O champô escolhido para a temporada de praia foi o Ultra Suave Solar com Óleo de Monoi e Neroli, que é uma novidade no mercado e que não me desiludiu. Era o único produto que desconhecia totalmente deste grupo. Foi utilizado e aprovado por toda a família. Limpa o couro cabeludo sem ser agressivo e os cabelos ficam super macios, leves e bem cheirosos, sem ressecar. Não é muito consistente, embora produza muita espuma. É fácil de espalhar e enxaguar.

2. Esqueci-me de levar comigo quaisquer máscaras ou condicionadores e dentro da oferta disponível nos supermercados locais, optei pela máscara Adeus Danos da Fructis. Já sabem que tenho aversão aos champôs da marca, mas as máscaras, séruns e espumas têm sido uma agradável surpresa. Não tinha experimentado esta anteriormente, mas já conhecia outros produtos da mesma linha nos quais confio. É consistente e eficaz, super hidratante mas sem deixar o cabelo pegajoso. Um boião de 400ml custou cerca de 5€, utilizei o produto em todas as lavagens de cabelo, não recorri a condicionadores e ao final de mais de um mês ainda estou longe de ver o fundo da embalagem. É melhor, a milhas, que muitas máscaras de marcas profissionais.

3. Que disse eu de confiar na linha Adeus Danos da Fructis? Em equipa que ganha, não se mexe, e hei-de comprar e recomprar o sérum SOS Repair. É fluido, quase como um óleo, não pesa e a verdade é que deixa as pontas do cabelo bonitas, hidratadas e brilhantes. Com ar de cabelo novo, sabem? Do que há no supermercado, baratinho, este é dos melhores séruns, para mim.

4. Quem tem cabelo espesso, seco e encaracolado sabe que hidratar nunca é de mais, mesmo, mas que é preciso ter cuidado com os produtos que utilizamos depois da lavagem sob pena de o resultado ser uma mixórdia pesada e pegajosa. Privei-me de espumas e outros produtos muito elaborados, mas o leave-in é sempre essencial para uma caracoleta bonita e de aspecto saudável. Apostei no Nativa Spa Frutoterapia Ultra Hidratante Monoi e Argão, após o duche à noite, que é dos melhores produtos do género que já conheci para deixar os caracóis bem definidos mas soltos e leves (já para não falar no cheirinho delicioso). Durante o dia, por causa do sol (e por considerar que não seria de mais reforçar a hidratação), optei sempre por aplicar o Golden Plus Termoactivado, que já era um favorito da época balnear anterior e que mesmo sendo consistente e hidratante não pesa no cabelo depois de seco e ainda protege do sol e de outros agentes nocivos. Ambos os produtos são d’O Boticário.

veraocorpo

A questão dos produtos de duche é um pouco irrelevante e a escolha dos géis e sabonetes foi quase aleatória dentro de tudo o que consigo utilizar sem reacções alérgicas. Interessa a hidratação, e nesse aspecto tive uma super equipa comigo.

1. Ainda no duche, antes de sair, contei com o óleo Nativa Spa Monoi e Argão d’O Boticário. Tem truque, é para aplicar na pele molhada (e há quem passe por água, mesmo assim) porque é muito denso e hidratante. Só por si, já é um grande passo na hidratação corporal e… Confesso, nos dias de preguiça foi suficiente para que não ficasse a parecer um deserto em forma de gente. Não se atrevam a aplicá-lo na pele seca, que não será absorvido e ficam eternamente pegajosas.

2. Para não haver oportunidade de a pele das pernas começar a descamar (habitual por estas bandas), precisei mesmo de um produto que me garantisse toda a hidratação de que a minha pele necessita. Sou alérgica ao sol, como sabem, pelo que nesta época evito produtos com fragrâncias e outros aditivos irritantes que possam ajudar a criar situações desagradáveis. Contei com o Lipikar Lait da La Roche-Posay que é super consistente e hidratante, mas ainda assim fácil e agradável de utilizar. Rende imenso, para compensar o facto de não ser dos hidratantes mais baratos.

3. Apesar de o Lipikar Lait ser mais do que suficiente, eu ainda quero mais consistência nos primeiros dias de praia. Sou muito cautelosa, utilizo protector solar, mas quero mesmo assegurar-me que estou bem hidratada. O Bálsamo Intensivo Pós-solar da Oriflame é daqueles que se assemelha mesmo a uma manteiga, há quem considere um martírio utilizá-lo por ser mesmo muito, muito rico, mas garanto-vos que não há melhor para as áreas do nosso corpo que têm tendência a ficar mais secas e desidratadas. Acabei por utilizá-lo muito, também, nas maçãs do rosto, que sofrem sempre nesta temporada de sol e calor.

4. A loção Sesame Suntan da Lush é um bónus que recebi a tempo de testar nas férias e que adorei. É um capricho. A marca considera que é um protector solar, mas… Tem FPS 10! Big no no, mas como loção corporal naqueles dias em que saía do duche e ainda vinha para a rua com algum sol ao fim da tarde, foi um prazer utilizá-la. É muito fluida mas bastante hidratante e cheira a… Bom, cheira-me a manteiga de amendoim (óleo de sésamo, diz a Lush) e dá vontade de a comer. Sim, tive os meus receios que pudesse haver alguma alergia demoníaca, mas consta que a fragrância era mesmo a natural do óleo de sésamo e, à data, nunca tive problemas com este nem com nenhum dos restantes ingredientes (que podem conferir aqui) que compõem o produto.

Não se esqueçam, a seguir sairá um post com o resto desta rotina maravilhosa que não me deixou ficar mal, mesmo fora da minha zona de conforto.

Menthe Glace

azullesblancs

Diz que o nome da cor é o que consta no título deste post, cujo número correspondente é o 853, mas eu chamar-lhe-ia algo do tipo Azul Primavera 2014. Este é um dos elementos que compõem a colecção Les Blancs dos vernizes L’Oréal Color Riche, e o meu favorito, já que os restantes puxam ao branco-sujo-só-para-dizer-que-não-é-branco. Mas é mesmo isso que se pretende nesta colecção, cores pastel quase insípidas, e até que não ficam mal nas unhas.

Se eu tivesse de escolher uma cor para este ano, não era a tal tonalidade de orquídea que o Pantone decidiu, mas sim este azulinho bonito, cor de céu primaveril. Pela ocasião da fotografia, quis complementá-lo com um topcoat de flocos de brilhantes dourados e creio que a minha intuição não me deixou ficar mal. A combinação é amorosa!

Esta colecção merece palmas pela fórmula que permite uma aplicação uniforme das cores logo na primeira demão, e o acabamento é lustroso, características que nem sempre surgem em vernizes de tons pastel (por mais que nós gostássemos que sim). O pincel é semelhante ao dos restantes vernizes Color Riche, semelhante aos dos vernizes Chanel, portanto, de ponta arredondada que facilita a aplicação. Só lamento pela durabilidade que, tal como nos restantes vernizes da mesma linha que já experimentei, é medíocre e fica bastante aquém do que seria expectável para um verniz de 6,99€/5ml. Por mais tentativas que faça, por mais métodos que empregue, ao segundo dia de aplicação tenho sempre algumas unhas com o verniz estalado.

Espero que melhorem a fórmula dos Color Riche, porque as colecções têm sido sempre bonitas (esta não é excepção!) e é uma pena que apresentem uma falha tão grande na durabilidade.

lesblancs

Sai, sai da minha vida!

rimeis

Sai, que não quero choraaar! Bom, já que há tantas leitoras (do meu blog e dos outros) que refilam porque as autoras só dizem bem de todos os produtos, siga avante o que se espera que seja um conjunto de postagens regulares (ou não, que é mau sinal quando há pretexto para este tipo de post). Não tenho quaisquer problemas em dar a minha opinião mesmo quando é negativa, mas no mundo da beleza é tudo relativo e o que pode ser mau para uma pessoa, pode não ser para outra.

Adiante com a conversa, decidi começar por mostrar algumas máscaras de pestanas que são um autêntico pesadelo. Vejam bem, algumas já deviam ter sido despejadas cá de casa, mas ficaram guardadas justamente para não me esquecer de falar delas. Sou mesmo ruim! Não compreendo como é que, hoje em dia, ainda se fazem máscaras de pestanas que são um fiasco. A sério! Não deve ser um produto difícil de conceber, pelo menos há marcas low cost com opções fantásticas e depois deparamo-nos com pérolas destas. E, minhas amigas, dentro do low cost a L’Oréal e a Prestige estão longe de ser as marcas mais amigas do bolso.

Siga a festa, passemos às breves considerações (e mais que isso seria desnecessário) sobre estas quatro máscaras de ir às lágrimas. Literalmente. Nem fale a pena fotografar as escovas (apanham-nas no Google com toda a certeza), nem o efeito tampouco, que não estou para me submeter a torturas novamente.

A Define Fx Mascara da Beauty UK é a pior deste grupo. Que desilusão! Eu era fã da versão mais antiga da máscara da marca, e esperava que qualquer mudança só pudesse trazer melhorias. Mentira. Não alonga as pestanas, não lhes confere volume, não as deixa mais curvadas, nem mais pretas… E não sou a única a constatar estes factos. E o pior é que faz arder os olhos, por muito tempo. Pelo menos a mim. Apostem noutras máscaras da Beauty UK, mas fujam desta.

De seguida, o elemento mais recente desta colecção, a Mega Volume Miss Manga da L’Oréal Paris. Não sei como é que conceberam um desastre destes. Esta máscara está a ser muito badalada porque tem uma escova que se assemelha a outras que são óptimas, de marcas de luxo, e para além disso é flexível. Tudo isto soa a perfeição, só que na prática não funciona. A L’Oréal Paris tem máscaras óptimas, já há muito tempo que é assim. Fiquei super entusiasmada quando recebi esta nova para experimentar. Então, a fórmula é pegajosa de mais. Demora imenso a secar e deixa as pestanas todas coladas umas às outras. Uma nhanha. Fica tudo sem jeito, sem grande volume ou alongamento, a parecer as patas de um aranhiço. Suspeito que parte do problema se deve à tal escova inovadora flexível, que no fim das contas não mantém o ângulo da dobra e acaba por não permanecer fixa e estável. Um desastre!

No que concerne à Long Care Mascara da Prestige, não há grande coisa a dizer. Não. Não faz muito pelo alongamento das pestanas, e tem algo que abomino nas máscaras e que já não me acontecia há anos: esfarela e esborrata ao longo do dia. Esta máscara já cá mora há muito tempo, mas não a podia mandar embora sem vos mostrar a bandida.

Por último, temos a Colossal Look Felino da Maybelline. Idem aspas, cá está uma marca da qual digo o mesmo que da L’Oréal Paris. Tanta máscara boa, para quê isto? Já se devem ter fartado de ver a escova nos anúncios, há uns tempos, e eu esperei sinceramente que esta máscara desaparecesse mas ainda a vejo nas prateleiras. Look felino? Só se for dum gatinho sem pestanas. É fluida de mais e não confere grande coisa de volume nem de alongamento.

Por ora é isto. Numa gaveta cheia de máscaras, ter quatro que não correspondem aos meus padrões mínimos de qualidade nem é muito mau. E vocês, que máscaras abominam?

babylips

Foto tirada na apresentação do produto com a Ana Rita e a Solange

Um dos produtos de beleza mais badalados dos últimos tempos e que gera muitas questões da vossa parte é o bálsamo labial Baby Lips da Maybelline, disponível em quatro versões diferentes: Peach Kiss (pêssego), Cherry Me (vermelho), Pink Punch (rosa) e Quenched (incolor).

Este é um produto baratíssimo que é possível encontrar em qualquer supermercado, e diz a marca que é uma grande inovação no mundo dos hidratantes labiais. E eu recebo muitas mensagens vossas a perguntar se o produto é mesmo bom e se vale a pena experimentar.

Posto isto, está na hora de vos contar o que há para dizer sobre os Baby Lips! Concordo com a marca quando dizem que é uma inovação na medida em que conheço muitas pessoas que abominam bálsamos labiais, alegando que são pegajosos. Em especial, os homens, que são terríveis com esta questão. Os Baby Lips não são, de todo, pegajosos. Eu própria, por vezes, prefiro ter de aplicar mais vezes um produto que não é tão eficaz para o que pretendo, mas que é agradável e não pegajoso. E entramos no domínio da hidratação. Se é o melhor hidratante labial do mundo? Não, não é, e para mim é impensável dormir só com ele nos lábios. Durante o dia, serve perfeitamente e gosto muito dele.

4babylips

Os Baby Lips são um bom produto para a manutenção da saúde da pele dos lábios quando esta se encontra íntegra e hidratada, mas não são suficientes para resolver situações de lábios secos e gretados. Não é um produto enganador, e para quem até à data não usava nada por não gostar da sensação da aplicação dos bálsamos disponíveis no mercado, sempre é melhor usar os Baby Lips. Como bónus, três das versões disponíveis conferem um ligeiro tom colorido aos lábios, o que faz com que os Baby Lips sejam uma opção bastante acessível (não chegam a custar 3€) comparativamente a outros bálsamos coloridos.

Não é este o Santo Graal dos hidratantes labiais, mas cumpre o seu propósito de hidratação básica sem peganhice. Um mimo nas manhãs de ventania, que toda a gente sabe da guerra entre os cabelos e o que quer que seja que apliquemos nos lábios. Para usar durante o dia, não vejo motivos que invalidem experimentar!

accordperfect

Há quase um mês, recebi para experimentar um produto reformulado que prometia maravilhas: a base Accord Perfect da L’Oréal Paris. No que diz respeito às bases de maquilhagem, apesar de ficar facilmente servida na paleta de tons, sou cada vez mais exigente e desconfio sempre do que está ao nosso alcance no supermercado. Contudo, estava muito curiosa com este (re)lançamento: primeiro, porque tenho experimentado várias bases da família L’Oréal, acessíveis em hipermercados e perfumarias, que têm sido boas surpresas (há uns anos atrás, seria impensável para mim arriscar); depois, porque a conversa em torno da Accord Perfect tem sido muita e muito boa (bem se sabe que nem sempre o que é bom para os outros é bom para nós, mas o bichinho da curiosidade fica connosco).

Durante as últimas três semanas, empenhei-me em testar esta base promissora de diversas maneiras, e estou pronta a dar a minha opinião. Numa primeira abordagem, é importante referir que estão disponíveis 9 tonalidades desta base e a minha é a D5-W5 Golden Sand.

Uma das propostas da Accord Perfect é que a escolha da cor da base seja facilitada, sendo garantido que estes 9 tons se vão adaptar a todas as mulheres portuguesas independente do seu subtom. Quis ver, num teste rápido, se é mesmo verdade, e o facto é que a cor se adaptou tanto a mim como à minha mãe (que habitualmente usa bases de tonalidades mais “quentes” que as minhas). Neste teste, deu para atestar a veracidade de outras promessas propostas: a fluidez do produto, que facilita a sua aplicação, e a leveza conjugada com o poder de hidratação. Para mim poderia não fazer grande diferença, mas a minha mãe tem a pele muito seca e quase qualquer outra base que eu utilize teria ficado artificial e provavelmente seria desconfortável para ela. Mas, perguntam vocês, se a base funcionou bem na pele da tua mãe, que é seca, como é que se comporta com peles mistas/oleosas? Este foi um dos aspectos que me impressionou na base: à excepção de dias de maior calor/muito movimento, em que precisei de retoques, não necessitei sequer de usar pó compacto. Teria resultado num acabamento mais perfeito, mas longe do essencial.

Na minha opinião, esta base poderia facilmente encaixar-se no grupo dos hidratantes com cor, embora tenha mais cobertura do que é habitual nessa categoria de produtos: 75% da sua constituição é hidratante (o que faz com que nos dias de preguiça eu a tenha aplicado logo a seguir ao tónico, sem qualquer desconforto ou sem que a pele mostrasse desequilíbrios) e é tão (ou mais) leve e fluida.

Durante as minhas semanas de teste, várias foram as pessoas que me perguntaram que produtos estava a usar na cara, porque tinha a pele bonita, luminosa e uniforme, sem que parecesse que estava a usar base. A cobertura é leve, mas é a suficiente (para mim) para o dia-a-dia. Tipicamente, não costumo usar correctores de imperfeições (acho dispensável), mas reconheço que por vezes acabo por transparecer algum cansaço. A Accord Perfect dá um jeitinho neste problema, graças às micropartículas luminosas que estão na sua constituição – são muito discretas, não se notam na aplicação, mas fazem toda a diferença na iluminação do rosto.

Só lhe encontrei dois “senãos”: não tem FPS e o frasco é de vidro, e embora não seja assim tão desastrada, temo pelo destino trágico da base se um dia cair ao chão.

Dentro do que está disponível habitualmente nos nossos hipermercados, provavelmente esta é a base que melhor se adequa às necessidades da mulher portuguesa no geral, com uma margem de erro na escolha diminuída.

P.S. – Alertaram-me para o facto de, afinal, a base Accord Perfect ter FPS 17. Vá-se lá perceber, este tipo de informação deveria estar bem visível, mas neste caso está bem escondido no rótulo traseiro do frasco, em letras pequenas.

ccloreal

Designações à parte, a L’Oréal Paris também já tem os seus CC Creams, da linha Nude Magique. Fear not, my ladies, apesar desta confusão das siglas, e de o CC significar Color Control, este tipo de produto não é mais do que é uma espécie de hidratante com cor. Cada marca atribui, posteriormente, características “extra” ao seu produto, conforme as finalidades pretendidas.

Neste caso, temos aos dispor um creme com tonalidade verde (clarinho, como o da estampagem da bisnaga) para disfarçar rosácea e outras vermelhidões, e outro alaranjado que disfarça os sinais de fadiga. Sim, são mesmo destas tonalidades quando saem da bisnaga, mas não se aflijam que ninguém vai sair de casa com a cara verde ou cor-de-laranja – ambos os cremes contêm micropérolas de cor que “rebentam” quando os aplicamos no rosto e que se adaptam ao nosso tom de pele. Segundo a L’Oréal, podemos contar com hidratação por 24h, luminosidade extra e com protecção solar (já que ambos os CC Creams têm FPS 20).

Dentro da área dos hidratantes com cor, recomendaria estes dois. Não posso ser 100% útil ou rigorosa na avaliação destes produtos, mas posso falar da minha experiência com eles. Felizmente, não sofro de nenhum dos males que estes CC Creams se propõem resolver. Contudo, considero que têm bastante cobertura para um cosmético que não é uma base de maquilhagem, e podem mesmo substituí-la em muitos casos. Experimentei-os (em momentos diferentes) sobre uma pequena aranha vascular e ficou coberta quase por completo. Não sei como irão comportar-se no Inverno, quando a minha pele estiver mais clarinha (prometo actualizar este post por essa altura), mas por ora adaptam-se mesmo ao meu tom bronzeado. Não tenho nada de menos bom a apontar a não ser uma ligeira tendência destes dois cremes para se tornarem oleosos ao longo do dia, mas este é um problema que se resolve facilmente com o uso complementar de um pó facial.

P.S. – Tal como prometi, venho actualizar-vos sobre esta temática. Dei a experimentar à minha amiga Sónia, que tem rosácea, o CC creme verde e eis a sua opinião:

Eu experimentei o CC verde. De facto a cobertura é boa e até disfarça, durante algum tempo, as manchas vermelhas mas ao final do dia a oleosidade é mais do que muita. 🙁

Se mais alguém tiver opiniões para partilhar, que eu acrescento ao post, sintam-se à vontade. Assim a informação fica toda condensada!

Loreal2

No início da semana, aceitei o convite da L’Oréal Professionnel para conhecer a sua primeira Flagship Store no Salão Maria Lourenço, em Sete Rios (Av. Columbano Bordalo Pinheiro). A abertura foi feita com uma beauty session que contou com a participação de alguns famosos portugueses, imprensa e bloggers. A combinação entre cabelos e Maria Lourenço só pode resultar em algo bom: os serviços prestados no Salão obedecem a padrões de qualidade elevadíssimos para que a satisfação do cliente seja uma garantia. Para além dos serviços em si, existe um aconselhamento personalizado que se adequa às necessidades e especificidades de cada pessoa.

Loreal3

Desengane-se quem pensa que nesta Flagship L’Oréal Professionnel só se tratam os cabelos: existe, também, um blow dry bar ao dispor de quem necessita de um novo look em tempo record e uma zona Essie, com todas as cores possíveis, onde é possível realizar uma manicure profissional.

Aproveitei a oportunidade para pôr em dia a coloração e optei por um brushing com alguns jeitos no cabelo e o devido volume, ao meu gosto. Com certeza, será uma experiência a repetir, pelo atendimento super profissional e personalizado e pela variedade de produtos que adoro e que se condensam num só espaço.

908518_732203253462207_1745311712_n