Etiqueta: ISDIN

Medalha de Bronze nº 7 – Protecção Solar de Rosto

protector solar rosto

Aproveitemos enquanto o Verão ainda nem começou para continuar esta troca de ideias sobre produtos especiais de corrida para o sol. Medalhas de Bronze? Está aberta a temporada! Hoje falamos do rosto e decidi reunir aqueles de que gosto mais.

Quant@s de vós estão insatisfeit@s com o protector solar que usam no rosto?

Ora é oleoso, ora diz que hidrata mas não hidrata, ora… Já não sabemos quando ou como usar, não é?

Pessoalmente, tenho três que adoro e por isso venho falar-vos deles, porque todos eles têm a sua utilidade na minha vida, embora os utilize em circunstâncias diferentes:

  • Fotoprotector Fluido Fusion Water FPS50+, Isdin – Este protector é perfeito. Posso utilizar o meu hidratante habitual por baixo. Posso usar maquilhagem por cima. Não é nada de mais em termos de fragrância, é absorvido muito rapidamente, não gera qualquer incómodo e não interfere com a aplicação de outros produtos. Não fica oleoso durante o dia. Pessoas com pele oleosa: este é o vosso protector solar de rosto!

  • Protector Solar SPF 50 gel-creme para peles oleosas, Youth Lab – Já falei dele aqui, porque é um dos meus produtos cosméticos favoritos. Vamos supor agora que têm pele mista/oleosa, até têm um tom clarinho e/ou querem um produto versátil que dispense o uso de hidratante e de uma tintinha por cima. É este o vosso produto tudo em um. É como se fosse um bb cream, com pouca (mas suficiente, pelo menos para mim) cobertura, dos bons. Chega perfeitamente no dia-a-dia!
  • Creme Protector com FPS 50 UVA/PA++++ Advanced NovAge, Oriflame – Foi o que experimentei mais recentemente, há coisa de dois meses. Não tem cor, também não o consigo utilizar como o Fluid Water – este é o tipo de protector que as peles mais secas irão gostar, ou então quem, como eu, tem dias daqueles em que não quer cor e há uma preguiça brutal para aplicar hidratante, mais protector e tudo mais, e ainda ter de reaplicar porque o sol se faz forte (por exemplo, na praia ou piscina). Este é o protector que anda na minha necessaire!

Espero ter ajudado na busca pelo protector solar de rosto para este ano.

medalha de bronze

Bebés 101: Escolher Fraldas

Escolher as melhores fraldas (e restantes produtos associados à muda) para os nossos bebés é um grande desafio.

Lembro-me que, quando estava grávida e pensava nas compras que tinha de fazer para a Teresa, as fraldas eram um dos produtos que maiores dúvidas levantava. Queremos aproveitar as promoções, mas por outro lado nunca sabemos quais são as melhores, nem se os bebés farão alergia ou quais os tamanhos a trazer.

Se vão ser mães pela primeira vez ou acabaram de dar à luz e ainda andam aos apalpões, deixem-me ajudar-vos com este post. Começo por vos dar um conselho de amiga (a sério, podem dizer-vos o contrário, mas isto é o que tenho verificado):

Não façam stocks de fraldas antes de os bebés nascerem.

A sério. Em primeiro lugar, não se deixem iludir pelas histórias de promoções e feiras de bebés. Salvo raríssimas excepções, não compensam. Vão ter os mesmos ou melhores descontos ao longo do resto do ano. Depois, já viram se investem tudo numa determinada marca e vai na volta o bebé é alérgico ou nem sequer gostam da marca? Não vale a pena fazer fretes. O que sugiro é que tenham 1 ou 2 pacotes de tamanho 1 a jeito para quando a criança nascer. Tenho quase a certeza que, numa aflição, o hospital (se for esta a vossa opção) onde nasce o bebé também vos fornece algumas fraldas. Referi o tamanho 1 porque é o que faz mais sentido na maior parte dos casos:

  • Abrange um leque de pesos que apanha a maior parte dos recém-nascidos;
  • Há marcas que já disponibilizam o tamanho 0 (para bebés abaixo dos 3kg), como as Dodot Sensitive – se necessitarem, dá perfeitamente para comprar já depois de o bebé nascer e assim não ficam com fraldas empatadas para os Nenucos;
  • Mesmo que tenham um bebé grande, acreditem que é provável darem conta de um pacote de fraldas T1 num instante. Os recém-nascidos tendem a ser muito cagõezinhos!

Stocks de fraldas só se fazem quando já conseguimos prever mais ou menos o crescimento dos nossos bebés. É o meu conselho de amiga!

Quanto a marcas, segue abaixo a minha crítica.

Comecemos por desmistificar o descartável vs pano. Até podem ter óptimas intenções para com o ambiente, mas quando começarem a ver as fraldas de pano/reutilizáveis todas feias e a ter de as lavar à velocidade da luz, vão desistir dessa ideia. Felizmente, hoje em dia o mercado oferece-nos opções de fraldas descartáveis para todos os gostos, ideologias e bolsos. Há que salientar que só posso falar das que conheço, pelo que fico à espera de ouvir outras opiniões nos comentários. Felizmente, a Teresa nunca fez alergia a coisíssima nenhuma e espero que assim se mantenha.

  • Bambino – eram as do hospital. Já as conhecia de outras andanças. São razoáveis. Não transbordam mas são muito “plásticas”.
  • Chicco Dry Fit Advanced – Foram as que comprei em primeiro lugar e foram as melhores. Estão frequentemente com 50% de desconto. São fofas, respiráveis, ajustam-se bem e não transbordam. Recomendo muito!
  • Continente – No que diz respeito às marcas brancas, são as que mais gostamos (e as que mais compramos). Não devem muito às da Chicco. Só não me parecem tão fofas e, consequentemente, um pouco menos absorventes. É frequente terem packs mensais a cerca de 11€. Querem melhor?
  • Lidl – Não são más, mas não se ajustam tão bem ao corpo do bebé. São muito “rígidas”. Se os cocós forem muito líquidos, estas fraldas transbordam especialmente pelas costas, já que o rebordo não tem elasticidade.
  • Libero – Fujam! A sério. Ouvi dizer muito bem delas, nem sei bem como. Transbordam, trespassam, são um horror. E o pior é que a humidade também se mantém à superfície. Resultado: muitos rabinhos assados.
  • Dodot Sensitive – Não percebo, também, o alarido feito em torno desta linha. As fraldas são boas. Mas poderiam ser melhores! Parecem-me muito “plastificadas” no interior. Têm uma espécie de rede. E retêm muita humidade nessa camada, o que resulta numa espécie de caldinho a refogar e acaba por originar o mesmo que as Libero.

Aparte: gostava muito de experimentar as Nunex, mas nunca calhou. São portuguesas e ouvi falar muito bem delas. Confere?

Passando ao capítulo da limpeza, impera o seguinte conceito (especialmente nos primeiros tempos de vida do bebé): façam-na da forma mais simples possível. O ideal é utilizar compressas com água, mas este formato nem sempre é o mais prático.

Por aqui, adoramos as Water Wipes (são toalhitas praticamente só com água). Com o passar do tempo, após verificarmos que não havia reacções adversas, começámos a intercalar com as Huggies Pure e com a Johnson’s Baby Gentle Cleansing. Já experimentámos todas as variedades da Dodot, marca branca Continente e Lidl, outras variedades de Huggies e todas elas tendem a deixar o rabinho da Teresa irritado.

Sei que há várias marcas no mercado que disponibilizam linimentos, mas eu diria que é um produto dispensável (de qualquer forma, gosto do da Uriage).

O que fica a faltar nesta conversa? Ah, os cremes da muda da fralda. Aqui tenho uma opinião muito vincada e uma experiência muito positiva com determinados produtos, pelo que me recuso a experimentar outros:

  • Quando a pele está íntegra, com bom aspecto, não aplico sempre creme. Aplico a pasta d’água da Bioderma uma ou duas vezes por dia e chega. Quando vejo que o rabinho está a ficar vermelho, siga deste belo produto em todas as mudas!
  • Quando a coisa é mais séria (muito xixi, cocós mais ácidos), aí recorro à pomada Nutraisdin ZN40 da Isdin. É do melhor que há neste mundo.
  • Uma boa dica caso por cima disto necessitem de um produto tipo talco para ajudar a “secar”: utilizem farinha Maizena. A sério, tal como se fosse pó de talco. Faz-se disto há séculos, está estudado e tem bom resultado.

Penso que não me esqueci de nada do que considero ser importante sobre a temática das fraldas, mas caso tenham dúvidas ou sugestões a fazer é só escrever. Espero ter ajudado alguém com a minha experiência!

Rotina de Verão #2

Tal como prometido e em jeito de conclusão, falta falar um bocadinho dos produtos de rosto e protecção solar que ajudaram a manter a pele em bom estado durante as últimas férias de Verão.

veraorosto

Na categoria dos produtos de rosto, não quis abrir grandes cerimónias. Quis manter a minha pele, que tem estado bastante oleosa na zona T, hidratada. Acima de tudo. Não é fácil atinar com um conjunto de produtos quando mudamos a nossa rotina do dia-a-dia, de sítio e de água. Negligenciei as limpezas profundas e esfoliações, que preferi deixá-las para o regresso a casa do que agredir a pele desnecessariamente.

1. O Rose Hydrate Miracle Makeover Facial Oil da Superfacialist, que já teve o merecido destaque neste posté um essencial. Antes de lavar a cara “a sério”, utilizei-o sempre para tentar atenuar os efeitos da desidratação. Um mimo!

2. Como produto de lavagem, optei pela Foaming Cleansing Fluid da linha Pureness da Shiseido. Gosto muito da linha, no geral, mas optei por levar apenas a espuma. É consistente e limpa a pele na perfeição sem a deixar a repuxar. Isto é, a parte do meu rosto que é oleosa fica limpinha, e a parte seca e desidratada não resseca. Fica tudo bonito e suave!

3. Esqueci-me de levar o tónico do costume e não quis meter-me em aventuras nem investimentos, e decidi optar pelo que não falha: água de rosas. Não agride, não faz mal, é quase dada e é polivalente (que serviu para ser pulverizada nos dias de maior calor e há sempre mil e uma utilidades). Também é um clássico cá do blog.

4. Um dos produtos que maior importância tem nesta rotina, com vista a garantir a hidratação da pele do rosto, foi (é sempre!) o Quenching Sérum SOS da Caudalíe, já apresentado aqui e um dos meus produtos indispensáveis. Não me alongo, que no post já existente está tudo dito.

5. Também da família Caudalíe e porque o contorno dos olhos começa a exigir cuidados específicos, recorri ao Creme de Olhos Polyphenol C15. Tenho de dedicar um post a toda a linha (em conjunto com a minha mãe), mas interessa dizer que consegui manter a região periocular até mais hidratada e com a pele visivelmente mais uniforme do que antes. E sem vestígios de mília!

6. O hidratante escolhido para esta temporada, sem FPS (que utilizo o protector solar separadamente), foi o Cuidado Hidratante Anti-imperfeições da Vichy. Conheço que não goste dele alegando que é pesado e pegajoso. É verdade que não é dos hidratantes mais leves do mercado para as peles oleosas, e que nem sequer é matificante, mas deixa pouco brilho e a situação não se agrava ao longo do dia. E é dos poucos hidratantes para peles oleosas que experimentei até hoje que assegura as necessidades de hidratação da minha pele. Apesar de ter alguns “activos peeling“, ácidos, não irrita a minha pele.

veraosolares

Pela primeira vez em muitos anos, consegui atravessar a época das férias de praia sem uma grande alergia ao sol. Tive algum receio com o protector solar que escolhi para me acompanhar, por ser uma novidade e por não ser de uma das marcas nas quais confio desde sempre (e bem se sabe que com o sol não se pode brincar e mais vale jogar pelo seguro!), mas correu tudo bem. Creio que o próprio estado do tempo ajudou, que parece que este ano mal tivemos Verão. Tive apenas o cuidado de evitar o óleo protector solar da Clarins do qual fiquei fã por só ter FPS 30 e não saber se seria a melhor opção para mim na praia durante muitos dias seguidos.

1. Do ano passado, transitou o Gel Fotoprotector Cream Dry Touch Color FPS 50+ da ISDIN. Já vos tinha dito que o adorava e até ganhou uma Medalha de Bronze. Ide ler o post para avivar a memória, que está lá tudo dito.

2. Para o corpo, confiei no Leite Sublimador FPS 50 da L’Oréal Paris. Se receios tinha, desvaneceram rapidamente. Bem se sabe que nos últimos anos a indústria da protecção solar evoluiu muito e já é possível encontrar boas opções nos supermercados, mas precisei de ver (e sentir) para crer. Para além da protecção eficaz, o bendito do protector tem brilhinhos que ajudam a dar aquele glow que não temos naturalmente no início da temporada de praia. Ah, é fluido o suficiente para ser fácil de espalhar e não é pegajoso nem deixa a pele branca tipo fantasma. Tem uma ligeira coloração, nada que se note. O cheiro também não é o habitual para um protector solar, é super suave e creio que agrada facilmente à maior parte das mulheres. Sim, que não me parece que os homens queiram parecer os vampiros do Twilight.

3. Por fim, os cabelos não podem ser esquecidos e resolvi estender os cuidados para além dos praticados em casa. Fiquei traumatizada com as asneiras de há dois anos atrás e não quero, por nada deste mundo, estragar o cabelo novamente. Para aplicar várias vezes durante a exposição ao sol, contei com o Óleo Protector Solar Elvive. Cheirinho agradável, super fluido e leve e protecção solar. Não há muito mais para dizer, é prático (vem em formato de pulverizador) e gostei muito de o utilizar.

Espero que esta partilha possa ser útil para alguém e que tenham tão bons resultados com as minhas sugestões, tal como eu também os tive. Posso dizer que não me importava de ter férias e levar tudo na mala novamente?

Fotoprotector Isdin – Medalha de Bronze

isdin fotoprotector protector solar gel cream dry touch color spf 50 resenha review beauty maquilhagem beleza

O meu primeiro contacto com a ISDIN foi completamente inesperado.

Foi com este produto, sim.

Apesar de ter a marca em boa conta pelas opiniões que ia conhecendo (especialmente ao longo dos estágios de enfermagem), nunca tive nenhum impulso que me levasse a procurar mais informações ou a adquirir algum cosmético da marca.

Na área da protecção solar, considerava que já estava bem servida. Um dia, a Ana Rita propôs que experimentasse o Fotoprotector Gel Cream Dry Touch Color 50+, que lho tinham dado para experimentar mas era escuro de mais para ela. Tipicamente, a ISDIN vende-se nas farmácias.

Calhou que nem ginjas, é claro que aceitei e de há cerca de um mês para cá tem sido um dos meus melhores amigos diariamente.

Não dispenso o protector solar no rosto durante todo o ano, e se puder escolher um que seja agradável de utilizar, um tanto melhor. Este gel Fotoprotector:

  • É não comedogénico
  • Tem toque seco e matificante (adequa-se a peles mistas/oleosas)
  • E o melhor é que tem cor.

Creio que só existe um tom deste produto, mas a marca refere que este se adapta a várias tonalidades de pele.

Temo que não seja verdade com as peles clarinhas e com as peles muito escuras, mas a verdade é que desde o início das férias (já estava ligeiramente bronzeada) até agora a minha pele escureceu imenso e continuo a usá-lo na mesma.

Embora se mantenha intacto (uniforme e sem brilhos) durante o dia, gosto de o reaplicar quando passo muito tempo no exterior. Especialmente nos dias de praia, embora seja um produto à prova de água.

isdin fotoprotector protector solar gel cream dry touch color spf 50 resenha review beauty maquilhagem beleza

isdin fotoprotector protector solar gel cream dry touch color spf 50 resenha review beauty maquilhagem beleza

Pelas fotografias, espero que dê para terem uma noção (embora vaga) de como é o produto. Posso dizer-vos que é o protector solar de rosto mais leve que já usei, talvez pela textura de gel.

E também o mais agradável para o nariz, dado que não cheira a protector solar (nem sei explicar a que é que cheira, mas é muito suave e desaparece após a aplicação).

Espalha-se muito facilmente na pele, sem se acumular.

A cobertura é muito leve, mas no meu caso (e no de muitas outras pessoas, acredito) é suficiente para uniformizar a tez. Não me preocupo muito com coisas destas em tempo de praia, mas é sempre bom ter uma pele mais lisinha e apresentável mesmo em tempo de descanso.

Compreendem agora o que quis dizer quando incluí o Fotoprotector nos itens de maquilhagem que tenho utilizado? Enquanto andar ao sol, esta é a minha “base”.

Considero-me sortuda com os protectores solares de rosto, dado que tenho dois ou três que me satisfazem e bem sei que a tarefa de encontrar um que nos encha as medidas pode ser complicada.

Por ser um protector solar de rosto tão txanã, com tantas qualidades e por ser polivalente, o Fotoprotector Gel Cream Dry Touch Color 50+ da ISDIN merece uma Medalha de Bronze.

isdin fotoprotector protector solar gel cream dry touch color spf 50 resenha review beauty maquilhagem beleza

Tintas de Férias

férias maquilhagem necessaire maquiagem makeup beauty beleza review resenha swatch bronze

Já que a Ana Rita mencionou o amigo que diz que temos blogs de tintas (o que o torna algo famoso, ainda que no anonimato), não podia ter escolhido outro título para este post.

Prometi mostrar a maquilhagem que tenho usado (ainda que raramente) em tempo de férias.

Trouxe muitas coisas e acabo por só usar o que está na imagem. Não se assustem, não é quase nada comparado com o que trouxe.

Se pensarmos que 60% do que está na fotografia são batons, dá mesmo para compreender que em tempo de férias querem-se produtos simples de utilizar, só mesmo para completar o bronze ganho na praia.

Na pele, tenho utilizado o Fotoprotector ISDIN FPS 50 durante o dia.

É um gel protector solar com cor que estou a adorar e do qual falarei em breve. Na maior parte dos dias, este é o único produto que uso que tem o seu quê de maquilhagem.

Quando saio à rua mais tarde, apesar de não ter grandes razões de queixa da minha pele, opto pelo hidratante com cor Moisture Surge da Clinique. Se desejarem, também posso falar dele mais detalhadamente.

Uso também o meu Terracotta (falei dele aqui há muito pouco tempo). Como blush, aplico o Gel Iluminador Surfside Breeze da colecção Make B Miami Sunset d’O Boticário, que é uma aquisição muito recente mas que tenho adorado e que também devo partilhar convosco ainda esta semana.

Caso não me apeteça utilizar apenas a máscara (escolhi a They’re Real da Benefit), aplico uma ou duas sombritas de forma muito simples.

Ainda não tinha experimentado devidamente o quarteto Color Riche Les Ombres Infiniment Bronze da L’Oréal, mas estou muito satisfeita com ele.

O resto da festa são os batons.

Não me parece que haja uma forma mais simples de parecer que investimos muito numa maquilhagem sem o ter feito. Os batons podem mudar por completo a nossa aparência e agora no Verão exigem-se cores vivas e alegres.

Tenho de vos mostrar os novos Colour Crush da The Body Shop e exprimir o meu amor por eles (trouxe um nude e um rosa vivo, cujos nomes hei-de revelar). Ainda da mesma casa, tenho usado o meu Lip Nectar Honey Bronze na cor Honey Bunch.

Também tenho usado o Pink My Ride e um gloss cintilante da Beauty UK que vieram na Secret Bag deste mês e na de Julho, bem como o batom Vibrante da Lush.

Flormar Pretty Cream & Glaze P323 tinha de vir, já o mostrei aqui, incluí-o num Impossível x Acessível e agora até posso dizer que é uma versão barata do Geradium da Lime Crime.

Também trouxe um Colour Riche Wet Shine Stain da L’Oréal num rosa muito suave e o Lip Marker Flamingo Orange da linha Make B Miami Sunset d’O Boticário, para quando quero algo mais discreto.

Tendo em conta que costumo usar muito mais coisas, é pouco. É menos de metade da maquilhagem que trouxe comigo desnecessariamente.

E vocês? Que maquilhagem usam em tempo de férias?