Etiqueta: Gravidez

O dia em que a Teresa nasceu

hospital beatriz ângelo

Parece que foi ontem, mas já lá vai quase um ano. Cada vez que vejo, são tantas as vezes que vejo, vejo sempre para me lembrar sempre. Cada vez que vejo os registos tantos que fui fazendo, esqueço-me que já passou este tempo todo. Passou a correr. Ainda ontem estava a preparar a chegada da minha Teresa.

Tenho de falar do dia antes do dia. Iria ser a primeira consulta de CTG. 13 de Julho de 2016. Já passávamos das 38 semanas. Decorreu sempre tudo de forma pacífica, pelo que não me aborreci com a marcação algo tardia (e adiada…) da consulta quando recebi a carta do Hospital Beatriz Ângelo (HBA). Calhou-nos pela proa uma administrativa horrorosa que se recusou a registar a nossa presença quando chegámos, ainda antes da hora da consulta. Referiu que deveríamos ter chegado pelo menos meia hora antes. Que agora o médico já não a vai ver. Aqui tem a remarcação, para depois da data prevista do parto.

Fiquei furiosa, ansiosa, triste com tamanha insensibilidade e incompetência de um serviço que deveria funcionar em pleno e que tantas horas me havia feito esperar ao longo de todo o processo da gravidez. Apeteceu-me armar o maior escabeche nas urgências de obstetrícia, que estava nervosa e indisposta com este incidente. Optei antes por colocar os nervos na bagagem e regressar a casa.

Acalmámos, jantámos, deitámos. Afinal, haveria de correr tudo bem e a bebé chegaria ao mundo quando tivesse de chegar. Poderia faltar algum tempo. Uma, duas, quiçá três semanas. Adormecemos, com alguma dificuldade. O Luís pouco tinha dormido na noite anterior e preparava-se para, mais uma vez, acordar às cinco horas.

Acordei com um ploc dentro de mim. Não tive tempo de pensar no que era, porque a cama ficou alagada nesse instante. Amor, acorda. A Teresa vai nascer. Rebentou a bolsa. Eram duas e meia da manhã. E agora, o que fazemos? Perguntava ele em alvoroço. Arranjámo-nos calmamente, pegámos nas nossas coisas, ligámos aos nossos pais e em coisa de quinze minutos estávamos a dar entrada nas urgências do hospital. Foi rápido e indolor.

Na triagem, a coisa piorou: começaram as contracções horrorosas. O Luís ficou lá fora. Só quando já estava instalada no bloco (no HBA, há quartos isolados onde permanecemos durante todo o trabalho de parto), com duche tomado e toda uma panóplia de cabos, tubinhos e tubetas, é que o chamaram. As condições são, efectivamente, muito boas e diferentes da maioria dos hospitais públicos. Há cromoterapia, música a gosto, bolas de pilates e toda uma série de recursos para ajudar a melhorar este processo que pode ser muito moroso.

Pensei, na minha inocência, que a coisa iria ser rápida. Cerca das sete da manhã, muitas contracções, nada de dilatação. Precisava de, pelo menos, 4 dedos para poder fazer a epidural. Já gritava por ela! Foi necessário o recurso a fármacos, mas lá avançámos um bocadinho e finalmente tive direito à bendita anestesia. A manhã foi passando, fomos mantendo o contacto telefónico com as pessoas mais importantes, pairava muita ansiedade no ar.

Nada de dilatação, faça assim, faça assado, só não fiz o pino porque estava ligada ao CTG (que neste quarto ainda era cheio de fios), tenho fome, mas não pode comer, só esta gelatina, agora o pai tem que sair para fazermos o toque, pai já pode voltar. E eu já estava exausta. O Luís já estava exausto. Toda a equipa estava, com certeza, exausta e farta de aturar as minhas macacadas – acreditem, todos os profissionais de saúde e auxiliares que encontrei desde a entrada na urgência até à alta foram impecáveis! E a Teresa teimava em não vir conhecer o mundo.

Aparentemente, a piquena tinha a cabeça mal posicionada e não havia maneira de se endireitar. E as horas passavam. E as dores voltavam, vinham as repicagens da analgesia, eu melhorava qualquer coisa. Estava cansada. Não avançávamos. Aproximava-se a hora do jantar e nada de Teresa. Atravessámos três turnos, estamos a dizer olá novamente aos enfermeiros da noite anterior. Que raio descansaram eles, a sair depois das 9h e a estar por cá às 15h30′? Não quero esta vida para mim. Espero que jantem por mim.

Começava a ver o meu caso mal parado. Ouvia-os, todos, a falar em código. Não iria conseguir parir sem ajuda. E se agora vamos para cesariana? Eu não quero! Podem falar de ventosas e fórceps sem códigos, eu sei, não me assustam. Decidam, por favor, quero a minha filha! As dores voltavam, havia alguma hesitação no reforço da analgesia porque estava cada vez mais perto do grande momento e teria de sentir qualquer coisa para cooperar.

Fórceps, foi o que foi. Pediram ao pai para sair e o processo de expulsão foi algo que me custou muito, embora tenha a noção de que aconteceu depressa, o momento em si. Não sei por que é que pediram ao pai para sair do quarto. Há homens sensíveis, mas o meu não é um deles, bolas! Logo a seguir (obviamente!) entrou para poder pegar na bebé ao colo e viu tooodo o cenário escangalhado.

Sabe muito melhor que eu dos estragos ocorridos e de todos os pontos que levei – e que me custaram tanto, porque os senti bem de mais a todos! – por dentro e por fora. Não ficou traumatizado. Passei por uma episiotomia (teve que ser e fui informada, tal como em todos os outros momentos) e ainda ocorreu uma laceraçãozita noutro local. Se chegaram a esta parte da leitura, não se assustem! Passadas duas semanas, parecia que nada tinha acontecido.

Sabem que mais? É mesmo verdade quando nos dizem que, por maiores que sejam as dores, esquecemos (quase) tudo imediatamente quando temos os nossos bebés nos braços. Às 21h15′ do dia 14 de Julho de 2016, nasceu a minha Teresa. Foi, é, o melhor desta vida. Não sei como aconteceu, mas apaguei as horas dolorosas anteriores ao momento. E foi uma festa. Senti que toda a equipa estava realmente connosco, feliz connosco, a dar o melhor por nós.

Fomos para o recobro, no mesmo serviço. A Teresa teve maminha. Pouco tempo depois, fomos transferidas para o internamento – no HBA, os quartos do internamento acolhem duas mães e os seus respectivos bebés, que estão sempre ao pé de nós. Cada quarto tem o seu quarto de banho, é mesmo um hospital excepcional no que toda às condições. Não tivemos acesso aos nossos pertences, já que devem ser trazidos dentro do horário de visitas (antes das 20h). Ainda assim, foi-nos providenciado tudo aquilo de que poderíamos necessitar nas primeiras horas.

Posso dizer que nem meia hora depois de estar no internamento, já tinha ido à casa de banho autonomamente. Tomei duche e tudo. Tive dores, sim. Os primeiros dias do pós-parto foram um pouco aborrecidos nesse aspecto, mas nada do outro mundo – fico mais transtornada, por exemplo, quando tenho uma gripe daquelas mesmo feias. Tivemos alta menos de 48h depois e a estadia não poderia ter sido melhor. Ok, se por lá passarem, levem uns acepipes.

Não fiz nenhum plano de parto previamente e não creio que tivesse necessitado. Para mim, o meu parto foi o mais humanizado que poderia ter sido – num hospital, com todos os recursos necessários para assegurar que nada correria mal, com conforto e com muito respeito. Decorreu em óptimas condições, contei com óptimos profissionais de saúde, estivemos sempre a comunicar, coloquei as questões que entendi serem necessárias e obtive sempre resposta. Aturaram coisas que não eram da sua competência, sempre com a maior amabilidade.

Nunca é possível prever um parto, pelo que acredito que as coisas aconteceram como tinha que ser e fomos – eu, a Teresa e o Luís – tratados com a maior dignidade. Melhor, só se tivesse sido mais rápido, mas não poderíamos ter feito mais nada neste sentido. Não poderia ter escolhido melhor o local de nascimento da Teresa e recomendo mesmo muito o HBA. Daqui a uns anos, é lá que quererei ser mãe novamente.

Bio-Oil – A família cresceu

O Bio-Oil é um dos meus cosméticos favoritos de todo o sempre.

Deveria ter dedicado todo um post ao Bio-Oil há muito tempo. Conheço-o desde que chegou a Portugal mas só comecei a dar-lhe o devido valor durante a gravidez. Nunca mais nos largámos. O entusiasmo inicial passou, mas como se tornou essencial e nunca faltou no meu armário, acabei por ir esquecendo o assunto. Por ser algo tão natural.

Trata-se de uma mistura de óleos de plantas, vitaminas e um ingrediente exclusivo e patenteado pela marca que dá pelo nome de PurCellin Oil. A quem interessar esta questão, não é um óleo 100% vegetal, já que contém parafina. É prático, fácil de aplicar, é rapidamente absorvido e funciona.

bio oil

O resto vocês já sabem por alto: falei dele aqui, utilizei-o para prevenir as estrias da gravidez e o facto é que não tenho nenhuma. Mas as potencialidades do Bio-Oil são muitas, e da cabeça aos pés faz sentido utilizá-lo para atenuar manchas, estrias, cicatrizes, hidratar todas as partes do corpo (até os lábios!), nutrir o cabelo…

É mesmo polivalente e, no meu entender, havia um problema: os frascos eram demasiado pequenos para quem usa o produto em áreas extensas do corpo. Acabava até por sair caro! A Portugal, só tinha chegado o formato de 60ml. Só há coisa de 1 ano é que chegou o formato de 125ml, que era melhor mas ainda não era o ideal.

Este mês, finalmente, passámos a poder comprar por cá o frasco de 200ml (e eu pude festejar esse momento!). Tratando-se de algo tão bom e versátil, recomendo a toda a gente. É um produto compatível com a preguiça e capaz de agradar à maioria das pessoas. Se não conheciam, façam o que sugiro e depois digam-me de vossa justiça!

bio-oil

Gravidez 101 – A mala de maternidade

Não convém que falte nada quando o bebé nascer!

Considero, porém, que há muito stress desnecessariamente em torno da arrumação da mala de maternidade. Por isso, vamos por partes:

  • Não sejam como eu (que só deixei tudo pronto 1 ou 2 dias antes de a Teresa nascer), assegurem-se que está tudo pronto ali por volta das 30 semanas. Nunca se sabe o que pode acontecer a partir daí!
  • Não se esqueçam que está previsto passarem cerca de 48h no internamento após o parto. Não vão passar férias no hospital. Uma mochila para vocês e o saco do bebé está mais do que bem.

Cada hospital terá a sua a lista para nos ajudar a organizar tudo, mas há sempre adaptações e experiências de amigas e familiares que nos ajudam a decidir o que levar. Não se incomodem com a possibilidade de esquecerem algo importante, que entre família/amigos e o próprio hospital, haverá alguma solução para remediar. Se vos der conforto, eu e a Teresa só vimos as nossas coisas depois das 12h do dia seguinte ao seu nascimento. Por quê? Porque a miss nasceu fora de horas e o hospital (foi o Hospital Beatriz Ângelo, em Loures) só permitiu que o Luís nos levasse as malas durante o horário de visitas. Não foi lá muito agradável, mas o hospital providenciou tudo aquilo de que poderíamos necessitar durante as primeiras horas. E o que é que levámos, afinal?

Mala da mãe

O hospital fornece toalhas, pelo que não levei nenhuma comigo. Levei uma malinha de fim-de-semana (mas serve qualquer mochila ou saco de ginásio) apetrechada com:

  • 3 camisas de dormir – só usei 1, mas mais vale jogar pelo seguro. Se soubesse o que sei hoje, teria dado preferência a pijamas (com calças, mesmo) folgados. Façam como se sentirem mais confortáveis, mas levem 2 ou 3 mudas. Ah, e esqueçam aquela treta que as lojas nos querem impingir de camisas brancas. Evitem o branco, a sério!
  • Roupão – fino, hoje em dia os serviços hospitalares têm quase todos ar condicionado. Não precisei do meu.
  • 3 sutiãs de dormir – ou tops, qualquer coisa que vos dê conforto nestes primeiros dias.
  • Muitas cuecas de algodão – devo ter levado umas 10, usei cerca de metade. Mas mais vale jogar pelo seguro.
  • Pensos higiénicos super absorventes, nocturnos, com alas, o mais seguro que encontrarem… Mas finos e com acabamento de algodãozinho – Se servir de referência, aqui optei pelos Renova First Silk Sensation Noite. Não pesco nada de pensos higiénicos, optei por estes um pouco às cegas (porque atendiam às características que procurava e eram os mais baratos na altura) e não me arrependi. Combinados com as cuecas de algodão, são mesmo o mais confortável de se usar no pós-parto (na minha opinião).
  • Chinelos de banho e chinelos de quarto – sim, 2 pares diferentes, não vão querer passear pelo quarto/serviço de pés molhados depois do banho (não sejam idiotas como eu).
  • Bolsa de higiene – com escova e pasta de dentes, desodorizante, miniaturas dos vossos hidratantes habituais, gel de banho e champô (sim, vão querer lavar a cabeça). Levem também uns artigos básicos de maquilhagem (bb cream, blush e máscara), juro que vão sentir-se mais compostas com uma tintinha na cara. Mesmo que permaneçam de pijama. Levem também elásticos/ganchos para o cabelo. Não levem secadores, é perda de tempo, não vão pegar neles.
  • Snacks – Eu não o fiz, mas a família tratou de me trazer um fornecimento de frutas, docinhos e petiscos. Ninguém vos vai fazer passar fome no hospital, vocês é que vão ter a iniciativa de não tocar na comida quando olharem para o aspecto dela.
  • Entretenimento – Não vão ter grande tempo ou vontade de pegar neles, mas levem a máquina fotográfica, o MP3, o tablet, o telemóvel, um livro, um caderno, os carregadores… Bom: eu dei muito uso à máquina fotográfica e escrevi qualquer coisa. Mas fui mais carregada do que devia!

Podem, também, levar uma muda de roupa para a alta, mas eu optei por pedir ao Luís que a trouxesse mais tarde, depois de perceber como tinha ficado o meu corpo no pós-parto.

Mala de bebé

Mais uma vez, não incluí toalhas (nem produtos de banho) porque o hospital disponibilizava e, na verdade, a Teresa só tomou uma banhoca lá antes de vir para casa. Eis o que é necessário:

  • 1ª muda de roupa – esta deve ir convosco para o bloco. Convém ser algo prático e sem grandes rococós, tal como as restantes mudas.
  • 5 mudas de roupa – compostas (à semelhança da primeira muda) por body, roupa exterior (blusa + calas/cueiro/babygrow), meias/collants e, dependendo da estação do ano, casaquinho/camisola e gorro. Na verdade, só usei duas. Mas mais vale jogar pelo seguro!
  • Estojo de higiene – Não é nada de mais, mas vale a pena levar um pente ou escova (escusado será dizer que a nossa carequinha não precisou), corta-unhas/tesoura (esqueçam a ideia da lima, não funciona com unhas fininhas e minúsculas) e creme para a muda da fralda.
  • Fraldas e toalhitas – não é grave se não levarem, mas levem. Sabe muito bem ter opção de escolha para os nossos bebés. Façam uma média de 8 fraldas por dia (podem precisar de menos, ou de mais, mas é uma boa média).
  • Chucha – Ah e tal que não se deve dar a chucha nas primeiras horas de vida porque compromete não sei o quê, então venham de lá os senhores enfermeiros tentar acalmar o bebé cada vez que ele chorar quando muitas das vezes seria algo muito simples de resolver com uma chucha. A sério, levem.

Creio que não me esqueci de nada, mas gostava que partilhassem também as vossas ideias! Já referi que a Teresa nasceu no Hospital Beatriz Ângelo mas vou deixar para outro post o relato da nossa experiência por lá. Como sei que pode fazer a diferença para algumas leitoras, deixo já aqui o spoiler: não podíamos ter sido melhor tratadas, tudo decorreu impecavelmente e as instalações são luxuosas!

Gravidez 101 – Burocracias

A gravidez é sinónimo de incursões à Segurança Social (SS)

E não só! Entre outras maroscas, todas sabemos que há uma série de questões e estatutos a tratar durante o período da gravidez (e após o parto) e nunca ninguém nos explica muito bem tudo o que é preciso fazer. Portanto, decidi fazer um resumo do que me lembrei de ter tratado.

Não me perguntem sobre como, quando e onde é preciso informar as entidades empregadoras, porque para além ser trabalhadora independente, há um ano atrás estava a terminar a minha licenciatura. Alguns dos itens que menciono a seguir podem ser afectados pelo valor dos rendimentos do vosso agregado familiar, pelo que o melhor é sempre consultarem as fontes oficiais.

pré natal

O ponto de interesse aqui é tomar conhecimento de informações que, de outra forma, estariam dispersas (falo por mim, que se não fossem as amigas e alguns fóruns, se me fiasse pela SS nem saberia como me mexer). Ora, se contribuímos e cumprimos com os nossos deveres de contribuintes, também temos direitos e era bonito que estivessem clarificados em locais bem visíveis e de facílimo acesso. Aconselho, também, a que façam marcações online e que se dirijam às repartições da SS pessoalmente, que online já se sabe que nada funciona. É um mistério!

A reter:

  • Durante a gravidez, a mulher tem isenção das taxas moderadoras do SNS. É só tratar no centro de saúde.
  • No âmbito do acompanhamento da saúde materna, as grávidas seguidas no SNS também têm direito a 3 cheques-dentista para a realização de alguns procedimentos, sendo o primeiro atribuído pelo médico de família e os restantes (caso sejam necessários) por um dentista aderente (podem consultar a lista aqui). Não há desculpas para dizerem que a gravidez estraga os dentes!
  • A partir da 13ª semana de gestação, podem pedir a atribuição do Abono Pré-Natal à SS, para ajudar com as despesas inerentes à preparação da chegada do bebé. Para tal, têm de pedir ao médico de família a respectiva credencial que comprova o tempo de gestação. Esta prestação familiar terá, em princípio, o mesmo valor que o abono de família nos primeiros 12 meses de vida do bebé e irá depender do escalão em que se encontrarem.
  • Pelo caminho: ponderem e decidam onde vão ficar os vossos bebés quando vocês tiverem que ir trabalhar. É numa creche? Numa ama? Aos 3/4 meses de gestação, convém ter uma ideia e ir contactando sítios. Eventualmente, façam já a pré-inscrição.
  • Depois de o bebé nascer, também devem requerer o Abono de Família. É pegar na certidão de nascimento e ir à SS.
  • Quanto à licença de maternidade, têm de comunicar à entidade empregadora o nascimento do bebé e quanto tempo de licença irão gozar. Aconselho a leitura deste artigo e que ponderem muito bem antes de tomar uma decisão, sendo que podem comunicar alterações à SS no decorrer do vosso período de licença. O que têm de fazer assim que possível após o nascimento do bebé é ir à SS e submeter o vosso pedido de subsídio de maternidade em conjunto com o pai (se for caso disso), se tiverem mais de 6 meses de descontos seguidos ou interpolados. Fica o alerta de que demoram séculos a pagar as licenças, pelo que se puderem poupar a contar com 2 ou 3 meses de despesas, façam-no.
    • No caso de não terem e os rendimentos do vosso agregado familiar serem baixos, podem sempre tentar recorrer ao Subsídio Social Parental.
  • Não têm de ir a correr tratar do Cartão de Cidadão do bebé (alguns hospitais já dispõem do serviço Nascer Cidadão), mas eu aconselhar-vos-ia a fazê-lo cedo. Assim, têm logo os dados todos num só local e escusam de andar com a Certidão de Nascimento, folhinha com os dados de utente do SNS, NISS e afins atrás.

Que mais vos posso dizer? Se virem que há demoras estranhas por parte da Segurança Social, insistam e façam por se manterem informadas. Não são raras as histórias de pessoas induzidas em erro ou de pedidos que se perdem no limbo e nunca chegam a dar entrada no sistema informático. Não deixem arrastar o que pode ser tratado cedo.

É muito mau, mas é verdade: nós, enquanto contribuintes, temos de cumprir prazos e bem vimos os nossos ganhos sofrerem talhadas enormes em impostos; o Estado, por sua vez, concede-nos “direitos” (no caso da licença de maternidade, não é direito nenhum porque até descontámos para ela) e demora a cumprir com a sua parte.

Por isso, e por pessimista que possa parecer, é mesmo assim: tenham em conta que podem não ver os vossos salários durante 2 ou 3 meses após o nascimento do bebé (embora vos seja pago mais tarde na íntegra); é triste e ridículo ter que estar a contar com fundos extra numa época tão especial, especialmente para quem não tem família/amigos dispostos a ajudar.

Mães de serviço, esqueci-me de algum detalhe? Espero ter ajudado alguém neste processo de papeladas típico da gravidez.

Gravidez 101 – o que vestir?

roupa grávida
Com direito a duas barrigas na fila de baixo, à esquerda – a Patrícia e eu.

Pensavam que eu me esquecia dos assuntos da gravidez só porque a Teresa já está cá fora? Naninão! Se aprendi algo, tenho que partilhar. Por isso, não esperem que eu me cale porque vou querer ajudar quem se cruzar com estes posts em estado de graça.

Sabemos que, nalgum ponto da gravidez, a nossa roupa vai deixar de servir.

Pelo menos, boa parte dela. Apesar de, alegadamente, constar que a barriga de grávida só se nota muito mais tarde, aqui foi necessário começar a repensar o guarda-roupa logo às 7 semanas de gestação. Ainda o primeiro trimestre ia pela metade!

A verdade é que foi precisamente nesta altura que ganhei a maior parte do peso da gravidez. No final da viagem, foram cerca de 11kg a mais. Foi algo expressivo, especialmente se tiverem em conta que meço 1.58m! Assim sendo, sinto-me mais do que no direito de expor a minha opinião quanto ao vestuário a comprar na gravidez. Pode haver quem tenha outras opiniões (partilhem nos comentários, que é útil para todas!), esta é a minha.

A boa notícia é que não necessitam de comprar muita roupa.

Na secção de pré-mamã, digo. O resto depende um bocadinho do estilo de cada pessoa, mas eu diria que não vale mesmo a pena comprar muita roupa. Siga a missa, fiquem com os meus conselhos:

  • Na secção de grávida, comprem 1 ou 2 pares de calças do vosso tamanho, eventualmente leggings (eu não o fiz e arrependi-me). É mais do que suficiente e sempre se vão sentir mais confortáveis com uma peça que aconchega a barriga.
  • Em alternativa, se se sentirem confortáveis (foi o meu caso e só descobri lá para as 20 semanas), esta é a altura ideal para vestirem calças descaídas, daquelas que normalmente ficam horríveis e marcam pneus inexistentes. Calças descaídas! Eventualmente, no tamanho acima do que era habitual. O mesmo se aplica a calções, no caso de apanharem boa parte do Verão. Tudo descaído e folgadão abaixo da barriga.
  • Invistam em sutiãs, porque vão haver grandes mudanças. Dica para quem não tem umas mamas gigantes: experimentem sutiãs sem armação, pode ajudar a amenizar o problema da sensibilidade. Nesta fase, não se ponham a comprar sutiãs de amamentação. Esperem pelo bebé e pela subida do leite, aí é que vão descobrir o tamanho mais adequado. Nesses primeiros dias, o mais provável até é abominarem toda e qualquer roupa que possa estar em contacto com o peito. Quem vos avisa…
  • Cuecas de algodão em quantidades industriais. E aqui, decidam porque não há meio termo. Ou escolhem umas de gola muito alta que acompanhem a barriga de grávida, ou então umas descaídas. Conforto acima de tudo! Falando em cuecas, munam-se de pensos diários tipo algodãozinho e mudem-nos com frequência. Vão ter litradas de corrimento e não vão querer sentir-se desconfortáveis nem potencializar uma infecção!
  • Se vão atravessar o Inverno, não invistam em peças muito quentes porque vão passar o tempo todo cheias de calor. Optem por várias camadas de roupa mais fina e fresca. De nada!
  • No demais, utilizem a roupa normal, que estão muito bem. Só é preciso optar por peças mais folgadas ou com maior elasticidade, mas tenho a certeza que têm por aí muitas túnicas e vestidos que servem perfeitamente.

Por hoje, é isto. Se perderam o post sobre o calçado ou se já se esqueceram, podem vê-lo aqui. Se o assunto é meias/collants, também já partilhei aqui aqueles que foram a minha salvação em tempos de muito inchaço nas pernas!

Finalmente, a recuperar.

pós parto
Fotografia tirada a 12 de Agosto. Perdoem a qualidade!

Está tudo a voltar ao sítio.

E muito mais rapidamente do que esperava. Passado praticamente um mês, já consigo vestir toda a minha roupa de antes de estar grávida. Apesar de não estar tudo nos conformes e “engomadinho” (nunca tive uma barriga lisinha, lisinha, é verdade), até estou para me atrever a levar biquinis bonitos para uns diazinhos de praia fluvial.

Sabem o que foi pior na gravidez? Isso, fartei-me de me queixar do edema. E sabem o que é ainda pior? Desengane-se quem pensa que vai tudo embora depois do parto, porque ainda andei coisa de duas semanas em modo balão. Não sei se os pés vão voltar ao que eram, porque já voltei ao peso pré-gravidez, o inchaço generalizado já passou mas há sapatos que não voltaram a servir.

O corpo muda e não volta ao que era.

Parece que é mesmo verdade, mas não é necessariamente mau. Vou acreditar que ainda passou pouco tempo e que, naturalmente, ainda há muitos achaques que hão-de resolver-se por si só. No demais, e espero que isto possa ser elucidativo para quem tem medo dos efeitos da gravidez, ainda bem que o corpo não volta ao que era porque acredito piamente que vai ficar melhor.

Visivelmente, e embora hajam partes no meu corpo que ainda estão meio deformadas, estou mais magra e com curvas mais equilibradas. Gosto muito das mudanças de ser mãe!

Bebé A Caminho – 37 Semanas

Onde é que tinha ficado na história da minha gravidez?

Gravidez 36 Semanas
Fotografia tirada às 36 semanas + 6 dias.

Já passaram quase 10 semanas desde que fiz o último post deste género. Na verdade, a minha ausência foi predominante aqui pelo blog, mas foi por uma boa causa – finalmente, entrámos no processo de mudança de casa e no meio de obras, restauros, desarrumos e arrumos (mais tarde, falarei melhor deste processo), não tenho tido tempo para escrever. De todo! Nem Internet, mais ou menos. As velocidades são uma treta e por vezes nem sequer consigo dar aquele olá básico nas redes sociais, que ajuda a deixar toda a gente mais descansada. Mais uns dias, mais uns dias e parece-me que tudo volta a entrar nos eixos. Por quanto tempo? Não sei.

Ora, está tudo muito longe de estar pronto e a minha filhota estará aqui connosco a qualquer momento. Dizem que as últimas semanas são as que mais demoram a passar, mas a mim parece-me que o tempo continua a voar.

Tendo em conta todos os sintomas e queixas habituais desta fase, deixem-me que vos diga que tenho vivido uma gravidez santa: nada de enjoos, há várias semanas que não sei o que é a azia, nada de incontinência e durmo na maior, com excepção feita a algumas cãibras (que já eram minhas conhecidas anteriormente) e viagens à casa de banho.

Ecografia 3º Trimestre
Imagem da ecografia do último trimestre, às 32 semanas.

Sabem que mais? Das 33 semanas para agora, até perdi peso e volume. Ainda assim, não consegui escapar ao edema de que vos falei. Agravou-se, e embora tenha algum controlo, os meus pés parecem paiolas.

Com a miss Teresa, também não há muitas novidades.

Não, ainda não nasceu. Assim que acontecer, estejam descansad@s, eu aviso! Continua a mexer-se muito, é uma crescida (na ecografia das 32 semanas, tinha uma estimativa de peso de 2130g), está posicionada nos conformes para nascer e tem umas grandes bochechas, tal mãe, tal pai. CTG? Só para depois das 38 semanas.

O quarto dela não está pronto, nem perto disso. Não estou muito preocupada porque, quando ela nascer, não é lá que dorme. A cómoda está pronta e arrumada, o ovo a jeito e o saco pronto. O dela! O meu ainda está a ser arrumado.

Gravidez 35 Semanas
Fotografia tirada às 35 semanas + 4 dias.

Contrariamente ao que podem pensar pelas fotos, se fiz 3 horinhas de piscina este ano, já foi muito. Gostava de ter tempo para mais, que a água fresca sabe que nem ginjas!

Estou a atravessar um dilema: por um lado, o calor é insuportável e começo a sentir alguns entraves à mobilidade habitual. Por outro, dava mesmo muito jeito que a miúda se mantivesse cá dentro, no seu T0 amniótico, até às 40 semanas.

Pés de Balão

Ora, contei-vos que estava a conseguir controlar bem o edema dos membros inferiores, não foi? Partilhei um montão de dicas preciosas sobre o assunto e até vos falei das meias que tenho utilizado e que se revelam muito eficazes.

Edema Pés

Imaginem, então, se não tivesse o menor cuidado. A rondar os 8 meses de gestação, posso dizer que ostento umas belíssimas paiolas no lugar dos pés. Diziam vocês, grávidas e mães de serviço, que a coisa só se tolera com chinelos Havaianas? Balelas, não tenho outra forma de vos responder. São do mais desconfortável que se pode calçar nesta fase, por serem tão rasos.

Só estou bem com uns ténis Adidas Zx Flux que comprei há uns meses, mas não posso calçar sempre a mesma coisa e muito menos passar estes dias escaldantes com os pés fechados.

Tinha esperança que os meus pés aumentassem, efectivamente, um tamanho. Aliás, tenho sido salva por modelitos no tamanho acima do habitual que tinha na colecção (com palmilhas ou porque sim, mesmo não calçando), que continuam a ser compridos de mais. Tenho pés maiores, sim, mas só para cima e para os lados! Ao ponto de, adivinhem – algumas das minhas Havaianas nem sequer servirem!

Impera o desespero e o desconforto, e seja o que Deus quiser durante o próximo mês. Já falta pouco, é o que vale.

Bebé A Caminho – 28 Semanas

Gravidez 28 Semanas
Fotografia tirada às 28 semanas + 2 dias.

É muito esquisito pensar que, neste momento, faltam menos de 12 semanas para chegar ao fim desta aventura e ter a minha Teresinha cá fora comigo. Não sei bem se continuo a achar que o tempo passa depressa demais (que passa!), se me parece que Julho nunca mais chega porque o último trimestre de gestação chegou com grande pompa e circunstância.

Tem sido um martírio tentar dormir: não encontro uma posição confortável, estou sempre a destilar e perco a conta às viagens ao quarto de banho. E as litradas de água que bebo por dia? A isto, juntem os pontapés da madame, que começam a ser muito pouco simpáticos.

Fora esta parte menos boa, tudo corre bem. Finalmente, o tempo tem dado chances de sair de roupa mais fresca sem parecer doente, praticamente deixei de inchar que nem um balão desde que fiz das meias compressivas as minhas melhores amigas, mantive o peso e sinto-me gira com este barrigão muito redondo.

Gravidez 28 Semanas
Fotografia tirada às 28 semanas + 2 dias.

O L. tem sido impecável, como é costume, atura as minhas macacadas todas e está sempre presente para tudo e mais alguma coisa. Podia ter pedido mais ou melhor? Nem pensar! A nossa Teresa concorda comigo e já reage, e bem, à presença do pai.

Vejam bem, eu que sou uma pessoa extremamente nervosa e ansiosa, até me tenho portado muito bem perante a lentidão do processo de mudanças e com a possibilidade de ter um problema de saúde mais ou menos complexo. Não sei onde fui buscar tanta calma, mas espero permanecer assim, serena, e que para a semana já esteja tudo resolvido e pelo melhor!

Medos, medos e mais medos.

Uma dica para quem nunca passou pela gravidez mas quer filhos um dia: abstraiam-se de leituras exaustivas sobre o assunto. Evitem os fóruns de mães e grávidas. Não dêem ouvidos às histórias más que vos possam contar.

Mesmo que saibam algumas coisas sobre o processo da gravidez e do parto, ou que decidam consultar algumas fontes teóricas, tentem não matutar muito nas dores, problemas e detalhes desengraçados.

É que, senão, dão por vós a sofrer por antecipação quando na verdade até podem nem passar por 1/100 do que vos é descrito.

Se eu consigo fazer o que acabei de vos dizer, perante um potencial diagnóstico chato? Isso já é outra história…