Será que vai sair à mãe?

Moda Bebé
Eu, na minha primeira visita ao Zoo de Lisboa. Fotografia tirada em 1991.

Há coisas na vida que não podemos escolher ou prever.

Calham-nos na rifa, tal e qual como nas quermesses das festas populares, sem que tenhamos grande voto na matéria. Saiu-nos o bibelote, ora temos que ficar com ele. É assim com a genética, com a que temos e com a que passamos aos nossos descendentes.

Tenho de vos confessar que estou cada vez mais curiosa com a minha Teresinha. O pai é lindo, creio que também não estou nada mal. E o feitio, será que vai puxar ao mau humor de ambos? A quem se vai assemelhar mais?

Eu sei que o que importa é que seja saudável e feliz.

Mas gostava muito que se assemelhasse a mim nalgumas coisas. É uma questão prática! Eu estimo muito o que tenho e guardo muitas relíquias na ânsia de um dia poder passá-las à descendência.

E se agora a miúda me sai gigante e não pode vestir e calçar o mesmo que eu? Já viram o transtorno?

Seria tão giro poder partilhar o closet daqui a uns anos como insustentável arranjar espaço para armazenar mais outro tanto de vestuário e acessórios de mulher. Que eu vou ser uma mãe fixe, e bem sei que precisamos de muito espaço para as nossas coisas.

Eu sei que penso muito à frente, mas alguém tem de o fazer. E não levem isto a peito, que bem sei que é uma questão trivial. Mas que me deixa a imaginar muita coisa, deixa! Será que a minha filha vai ser como eu?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *