maquilhagem vintage

Tod@s nós sabemos que (quase) tudo nesta vida tem um prazo de validade após o qual não vale mais a pena consumir o que quer que seja.

Isso inclui a maquilhagem, como é lógico e toda a gente sabe.

Cada vez mais, somos avisad@s sobre tudo e mais alguma coisa que nem sonhamos que existe acerca da utilização dos nossos cosméticos, e se antes nem sequer as fórmulas eram pensadas de forma a não prejudicar a nossa saúde, hoje temos ao nosso dispor uma panóplia de coisas adequadas aos gostos e necessidades de cada pessoa:

  • Ele é oil free, ele é mate, ele é hidratante, já temos maquilhagem que para além de disfarçar imperfeições actua na prevenção do aparecimento das mesmas, maquilhagem que se adapta ao nosso tom de pele, mil e um acabamentos diferentes, e por aí fora. Já temos falado disso cá no blog.

Com isto, acabamos por acumular muitos produtos nas nossas gavetas, porque queremos sempre experimentar o que é novo. Quando não é isso, é a mudança de gostos e interesses, ou mesmo o esquecimento.

Depois, quando nos lembramos de determinada relíquia, já ela não pode ser usada porque expirou o seu tempo útil. Por esta hora, estaríamos a encher sacos de tralha para descartar.

Mas, e o sentimento de culpa?

Eu falo por mim! Eu arrecado tudo o que me chega às mãos e sou incapaz de deitar fora o que quer que seja. Com o tempo, há uma série de coisas que ganha um determinado valor, histórico ou sentimental, e não há forma de pôr isso de lado e deitar tudo para o lixo.

Alguma vez me passa pela cabeça deitar fora o batom roxo e os lápis body art Mary Quant que eram da minha mãe? Ou os batons vermelhos Revlon antiquíssimos, com embalagens lindas, que eram da minha avó? Nem os produtos de catálogo sou capaz de mandar fora!

Há-de aparecer alguém a dizer que estou a atentar contra a minha saúde, mas a verdade é que, por graça, ainda uso um ou outro produto esporadicamente. Nenhum me fez mal à pele, por isso não me afasto deles. Honestamente, quem é que respeita os prazos de validade dos produtos?

Se pensarmos que não é época de esbanjar dinheiro, ninguém. Tod@s gostamos de aproveitar ao máximo aquilo que temos em casa. Mesmo que um dia veja que alguma destas coisas já não tem mais uso, guardo para recordação.

Se podia fazer uma grande limpeza e nunca mais ter tralhedo antigo a empatar o (pouco) espaço a que tenho direito? Podia, mas não era a mesma coisa!

10 comments on “Relíquias”

  1. Confesso que também não dou muita importância aos prazos. Se me parece bom, continuo a usar. Só se cheirar a ranço é que..LOL
    É isso e a validade das máscaras de pestanas…6 meses? continuo a usar até secar, só aí troco..
    Bjs!

  2. Eu sou tal e qual também. Guardo tudo porque penso, pode vir a ser preciso 😛

    E às vezes é mesmo assim. Tenho um exemplo bem recente, aqui a uns anos usava muito umas sombras em lapis e tinha um branco e um azulinho. Mas entretanto a mania passou-me e os lapis ficaram guardadinhos. No entanto, este ano pelo carnaval deram um jeitasso que nem imaginas. Aproveitei e pintei os miudos da orquestra na cara com as nossas cores (Azul e branco). Assim não deitei nada fora e e aproveitei até à ultima gota, ou neste caso ponta xD

  3. Olá Guidinha!
    Eu também não tenho problemas em usar produtos de maquilhagem que passaram de data. Tenho ali um blush que expirou em 2002, e continuo a usá-lo frequentemente sem problemas! Se fosse para usar tudo dentro das datas, para além de só podermos ter pouca coisa, alguma ainda ia para o lixo com produto por usar! -.-' Não há cá desperdícios =p eheh

    Beijinhos*

  4. Olá Guida! Concordo plenamente com este post. Tenho um blush da Chanel que uso todos os dias desde há 6 anos que nem está muito gasto! Segundo a embalagem, ele só durava 2 anos. Vou deitar fora? ahah No way! Beijinhos

  5. pois… também sou como tu e guardo tudo a pensar que um dia vou usar! Mas na semana passada tive que por algumas coisas fora (as casas nao esticam em tamanho!) e fui descobrir uma embalagem de pó compacto que comprei em 2005! Teve mesmo que ir para o lixo…

Deixar uma resposta