escola

Na hora de voltar aos estudos, nem sempre é fácil escolher os materiais a comprar nem encontrar coisas do nosso agrado. Pela minha experiência, venho falar do que penso serem as melhores escolhas a tomar e que hão-de agradar à maior parte das pessoas. Este post é, então, dedicado à malta que ainda estuda, embora possa ser aproveitado por quem trabalha em escritórios ou simplesmente gosta de andar apetrechada. Pais que têm filhos a ir para a escola, leiam vocês também porque pode ser útil. Pessoas bonitas, eu sei do que falo e às vezes convém darmos mais uns € e trazer algo que é bom do que comprar no chinês e ter que voltar às compras porque o que trouxemos não presta. E, afinal, os conselhos que vos vão dar nem são os mais caros – tentei escolher os produtos que melhor qualidade tinham a preços acessíveis.

Vamos começar pelos materiais de pintura. Nem vou muito longe, nem sequer falo de guaches e tintas, mas se precisarem de ajuda basta dizerem nos comentários ou enviar as vossas dúvidas por email. Isto é o básico para quem anda no Ensino Básico e para a malta que, como eu, gosta de desenhar e pintar quando não tem mais nada para fazer. Cá por casa param milhentas caixas de lápis e canetas das mais variadas marcas, umas mais caras que outras, umas melhores que outras (ei, pessoal, neste caso o mais caro é mesmo o melhor – dependendo das necessidades de cada um – e os meus favoritos são os Caran D’Ache):

– Comecemos pelos lápis de cor. Os do ponto 1. são Faber Castell. Escolhi-os porque são óptimos, a mina é bastante pigmentada e macia, não parte com facilidade se os lápis andarem a chocalhar num estojo e não são caros. Podem encontrá-los noutras variedades, eu gosto do mais simples que há nas papelarias (e provavelmente supermercados);

– Quanto a canetas de feltro – a minha maior desilusão quando era criança – não há muitas marcas que me agradem, e aqui estão as que mais gosto. De facto, as Staedtler do ponto 3. são as melhores para mim porque não gastam com facilidade, não esborratam, a ponta não se estraga e ainda são ergonómicas. Canetas maricas, é o que lhes chamo! No entanto, para a malta do Ensino Básico as Giotto do ponto 2. também são muito boas e são mais baratas, para além de serem MESMO laváveis. É para os filhos que não ligam muito a estas coisas? Optem pelas da Giotto;

– E chegámos aos lápis de cera. Tive a sorte de ter uns papás que sempre me apoiaram e foram investindo em materiais, inclusivamente naqueles que nunca uso muito, e por isso ganhei uma caixa de lápis de cera da Caran D’Ache quando ainda andava na escola primária. Agora, vamos com calma. Estes lápis do ponto 4. são aguareláveis (quer dizer que dissolvem em água) e são óptimos para uns trabalhos e péssimos para outros. Querem mesmo fazer algo tipo aguarela? Estes são apropriados para o efeito. Sem dissolver, ficam com um aspecto muito pesado e do mesmo tipo encontram lápis da Staedtler e também já vi uns do mesmo género nos chineses (milagre!), com embalagem branca e rótulo azul escuro. Querem efeito cera? Não gastem dinheiro em vão. Se querem lápis de cera que são mesmo lápis de cera, optem pelos do ponto 6. (falha sempre alguma coisa, desta vez esqueci-me do 5.), os famosos Crayola. Não se deixem levar pelas imitações dos chineses, porque lá os lápis são uma bela bodega e quase não pintam. Se são pais e estão a ler isto, por favor, não gozem com os vossos filhos. A melhor maneira de os desmotivarem em relação às Artes é dizendo-lhes que não têm jeito e oferecendo mau material. Não se deixem enganar também pelos pseudo lápis de cera, aqueles que são mais plástico que cera, redondinhos perfeitinhos.

Ali perdido no meio do resto das coisas, anda o ponto 7., que é um corrector. Não o considero material de escrita nem de pintura nem de coisa que o valha. Para ser sincera, raramente o uso. É só mesmo em caso de necessidade extrema, e escolhi aquele corrector em caneta por ser o mais práctico. É que parece mesmo uma caneta! E por que é que raramente o uso? Prefiro ter um caderno riscado do que um caderno com corrector. O destino mais frequente dos meus cadernos usados é o papelão e sempre me ensinaram que o corrector impossibilita que o papel seja reciclado. Sabiam? Evitem ao máximo.

Quanto a colas, UHU. Não se ponham a inventar com Tesas e chinesices. A UHU não falha, oferece milhentas opções e nenhuma delas nos deixa os bolsos estoirados. Sempre fui a menina que tem a cola e a tesoura no estojo: toda a gente goza mas a dada altura precisam e já sabem a quem pedem. Têm em bisnaga, como no ponto 8. (faz muita peganhice para o meu gosto mas por vezes é necessária), e convém ter cuidado porque estas bisnagas têm muita tendência a rebentar em malas e estojos, no ponto 9. vem em caneta, que é óptima para colar pontinhas pequeninas, em bastão em 10., a mais aconselhável para os meninos mais pequeninos, embora possam usar a caneta 11. que é muito fácil para trabalhar e não faz muita porcaria.

Passando ao material de escrita, deixem-me dizer que de esferográficas e lapiseiras qualquer coisa serve. Gosto de esferográficas cheias de bonecos, mas não me ralo por escrever com canetas Bic. Nunca falham, apesar de me darem cabo dos dedos ao fim de algum tempo a escrever. Se vão pôr crianças a escrever com lapiseiras, deixem-me apenas aconselhar uma que não tenha ponta metálica estreitinha – é perigosa e os pequeninos dão cabo dela com facilidade. O melhor mesmo é optarem por lápis de carvão e nisso os velhinhos Staedtler 2HB do ponto 14. ou os Viarco do ponto 15. continuam a ser os melhores. Novamente, nada de chinesices, pois a minha parte-se com facilidade e assim passamos a vida a afiar lápis. Quanto a afias, qualquer afia metálico, de preferência com caixinha, serve. Sei que a partir do 5º ano começam a ser exigidos outros lápis, e eu aconselho os da Staedtler. Não são caros e duram imenso. Gostam de fazer desenhinhos e querem algo mais que o lápis normal? Sugiro o 4B. Se querem algo mais pesadote (mas menos fácil de apagar, vá), atrevam-se a um 8B.
Quanto a apaganços, nada bate a borracha 13., a Hi-Polymer da Pentel. Se quiserem borracha em caneta, optem pelas da Pentel também. Para mim, são as melhores.

Falámos do material de escrita e pintura, mas falta o papel. Vão desenhar e pintar? Normalmente, o Papel Cavalinho serve. Papel Cavalinho!!! É mais caro que o resto do papel pseudo Cavalinho, mas é melhor. É diferente! Tem outra cor.
Quanto a cadernos, comprem o mais simples que houver, de preferência cadernos de capa preta. Podem forrá-los com colagens, flores secas (vejam uma decoupage de cadernos aqui) ou com tecidos, como os da Rosa Pomar que estão na imagem. Sigam a vossa imaginação e comecem o ano com cadernos lindos e únicos! O mesmo se aplica às capas.

Para terminar, e se não tiverem estojos para guardar as vossas coisinhas todas, por que é que não experimentam fazer como este, que até pode ser cosido à mão (e eu prometo que não precisam de muita paciência) e feitos com restos de tecido?

Inspirem-se e regressem aos estudos em grande!

6 comments on “Recomeçar os Estudos em Grande”

  1. Inês: Há bons lápis de cor Faber Castell a preços muito acessíveis! Acho desperdício gastar muito dinheiro com quem não dá uso mas acho que é um desperdício maior comprar algo que não presta e que vai para o lixo depressa!

    Ah, e sou muito traumatizadinha com Molins :X Por algum motivo, as minhas novas vinham sempre a falhar 🙁

    Beijinho

  2. Material de desenho só uso da Caran D'Ache ou da Faber Castell (depende do que uso), e acho que é um desperdicio de dinheiro dar a crianças material deste tipo de marcas!
    Aorendi a pintar com lapis de cor da Giotto e canetas da Molin.
    Eu que ando na faculdade de Belas-Artes mal tenho dinheiro para eles…

    Hoje em dia, não ligo a material escolares, compro apenas o essencial

    beijinhos*

  3. Oi Guida! gostei muito do teu blog, achei muito interessante, com bastante variedades e dicas que realmente precisamos no nosso dia a dia. Agora sou sua seguidora…

    Aproveitando o momento respondo ao comentário que deixaste no meu blog: Existe sim muitas langeries lindas de algodão e são elas sim as preferidas pra quem é alérgica. Bjoss!!!

  4. Ora aqui está um bom exemplo de material necessário para um ano lectivo escolar!… Apesar de que eu no secundário optava por uma caderno preto A4 quadriculado para todas as disciplinas… Chagáva ao final do dia e passava tudo a limpo para um dossier com separadores para as disciplinas todas!… Era a minha maneira de estudar!… Ler só para mim não fazia efeito!… E ao passar tudo a limpo dáva por duvidas que não surgiam nas aulas porque nos limitamos a passar o que está no quadro sem nos questionarmos porque o tempo é muito pouco!…

    E o material… Ia comprando conforme a necessidade!…

    Beijinhos ;p

  5. Malu: Muito obrigada 🙂

    Libelinha: Acho que vai ser essa a minha estratégia de estudo 😛 Sim, porque raros foram os minutos em que estudei durante toda a minha vida. Que vergonha!

    Beijinho

Deixar uma resposta