Ombreiras

ombreiracoelho

Não, não vos vou dar conselhos sobre bricolage e muito menos sobre carpintaria. Venho falar-vos de um novo conceito que descobri no blogue da Ana (vale muito a pena espreitar, tem coisinhas lindas feitas por ela!).

Da mesma forma que existem ganchos e pregadeiras, por que não usar ombreiras? Sim, é lógico, uma ombreira é uma pregadeira para pôr ao ombro! E não é tão linda esta, em forma de coelho, que a Ana fez? Vejam como conseguir a vossa no An.a Design. Quem sabe, encontram novas ombreiras e outras coisinhas fofas que podem ser usadas como tal.

É como a Ana diz, parece que o coelhinho esteve sempre ali, a contar-nos um segredo!

Gostam de Brincar com Fotos? Cá Vai Uma Sugestão.

Tenho quase a certeza que a maior parte das pessoas que me lêem gostam de pegar em fotografias e torná-las mais bonitas, de uma forma ou de outra. Sei também que há muita gente que não sabe mexer em programas de edição de imagem muito complexos, quanto mais fazer grandes acrobacias! A juntar a este grupo, existem ainda as pessoas que não gostam de fazer downloads ilegais e que, por isso, gostam de programas gratuitos.

Para resolver estes problemas, hoje venho falar-vos do Photoscape, que é um programa coreano (estejam descansad@s que tem várias opções de línguas!) muito intuitivo e espectacular para obter efeitos muito bonitos em pouco tempo. Tem de tudo, desde filtros a molduras, é possível fazer uma série de coisas sem se ser um profissional (dá para ver alguns exemplos no site)! Ah, tenho a certeza que quem gosta de dar um aspecto antigo às fotos vai amar o Photoscape! Querem melhor? É gratuíto e muito leve em relação a outros programas!

Experimentem e vão ver que o que vos digo é a mais pura das verdades!

Hoje a Guida Quer Falar de Decoração

Hoje vamos falar de decoração. Como sabem, a Guida ainda não tem casa. E como sabem, também, a Guida gosta de aproveitar o que existe e que está à mão em vez de comprar a papinha toda feita. Penso que as coisas são muito mais bonitas e têm muito mais valor quando somos nós a fazê-las. Como podem imaginar, quando tiver a minha casa, quero ser eu a decorá-la toda à minha maneira, com tempo. Quero pintar as paredes, aproveitar mobília antiga e fazer um monte de coisas giras que vão tornar a casa que eu escolher na MINHA casa.

Há bocado, estava eu a ler o mini-saia e descobri este post, onde havia leitoras com dilemas em renovar espaços, dando destaque às paredes. E a Mónica Lice sugeriu o uso de autocolantes decorativos. Até podem ser uma boa ideia, mas não são coisa que me agrade: comprar algo que sei que não é único. E até os podemos fazer (de milhentas formas diferentes) em casa, e é impossível inventar desculpas do tipo “eu não tenho tempo” ou “eu não tenho jeitinho nenhum”, porque são coisas relativamente fáceis de fazer, apenas requerem alguma paciência.

Uma das coisas onde dispenso mais tempo na Internet, são os sites de Artes e Design e já gastei muitas horas a navegar pelo Stumble Upon fora a ver sites de reciclagem e decoração. Assim, e como sei que há muitas pessoas que gostam de transformar as suas casas mas que ainda não tiveram um empurrãozinho para o fazerem por si próprias, venho mostrar-vos algumas ideias e as respectivas técnicas explicadinhas para vos inspirar (todas elas em inglês. Se precisarem de alguma tradução, avisem!).

Paredes com Cara Lavada

Por que não experimentar fazer uma parede de mosaicos? É fácil e barato, nem sequer precisam de pintar nada e quando se fartarem podem sempre removê-los facilmente. É questão de escolherem cartolinas, papel de lustro, papel com padrões, o papel que a vossa imaginação ditar. Até podem usar fotografias ou postais! Meçam a parede, definam as medidas dos quadrados e mãos à obra!

Em alternativa, podem sempre fazer uma decoupage (colagem, quero eu dizer!) no tecto, como sugere a imagem, ou nas paredes. É seguir o tutorial, é muito fácil também e fica bastante engraçado. Esta técnica também é boa para decorar portas, por exemplo, e nesse caso eu já escolheria motivos coloridos, sem os restringir a um único tom. Sabem o que é que é bom fazer? Recortar revistas, como eu faço há muito tempo. As imagens dão para aplicar em muitos sítios, é uma boa forma de reciclar em pouco tempo e de forma eficaz.

Quem tiver mais paciência pode sempre optar por transferir imagens ou desenhar directamente na parede e pintar, como nos ensinam aqui. Quem quiser ir mais longe, pode ainda combinar estas três técnicas e misturar tecidos, como se vê aqui e ali. E já que vão andar com as mãos na massa, perdão, na tinta, por que é que não criam formas geométricas? Que tal uma parede com losangos ou outras formas quaisquer, com relevos imitados, como se fosse papel de parede?

Mobílias Novas

Bem, quando o assunto é mobiliário, podem querer duas coisas: o arzinho que a mobília tinha quando era nova ou renová-la por completo. No primeiro caso, basta ir ao AKI ou lojas semelhantes que têm todos os produtos necessários para restauro e folhetos que explicam todo o processo. Depois disso, é precisa muita paciência, roupa velha e luvas. Caso estejam fartos da vossa mobília velha, podem sempre transformá-la:

Podem fazer decoupage em cadeiras, com posters ou outro papel ou tecido do vosso agrado, por exemplo.

Podem usar papel autocolante ou fazer colagens, novamente, mas apenas em algumas partes da peça em causa, como se vê aqui. Até o podem fazer em mobílias novas, mas que são muito simples. Encontram-nas facilmente na IKEA, muito barata (aproveito por dizer que estou extremamente feliz por ir ter uma loja destas praticamente aqui à porta de casa!!).

Se acharem que as vossas secretárias, cómodas e por aí fora não tiverem recuperação possível mas as gavetas estiverem boas, podem aproveitá-las e fazer uma espécie de estante como esta moça experimentou. É uma ideia muito boa e podem sempre organizar as diferentes gavetas da forma que melhor entenderem! Se acharem que fica instável, é só aparafuzarem as gavetas umas às outras.

Aqui ensinam-nos a transformar por completo uma secretária e uma cadeira velhas e feias, pintando e forrando os puxadores com tecido e a cadeira com uma peça de tricô (e por que não aproveitar uma camisola velha?), e neste ponto posso acrescentar que é uma óptima maneira de renovarem as vossas cadeiras e bancos, por que não forrá-las com tecidos bonitos?

E voltando à decoupage, esta é uma maneira fácil para dar um ar novo a mobílias sem grandes esforços, basta pintá-las com apenas uma cor, ou nem sequer pintar, e aplicar os vossos motivos em mesas, portas, mesas de cabeceira, roupeiros, o que vos apetecer.

Uma ideia gira para camas (também pode ser aplicada a bancos e coisas do género, porque não?) é a da imagem, em que se optou por pintar o topo da cama na parede em vez de colocar um topo verdadeiro.

Ocupar os Espaços com Coisas Bonitas

Depois das paredes e das mobílias, temos que pensar no resto da decoração, que também é importante.

As flores e plantas deviam ser elementos essenciais em todas as casas, não só porque são bonitas mas também porque trazem vida ao lar e porque acabam por ser uma terapia: acreditem que após uns minutos de estarmos a cuidar delas, estamos super distraídos e entretidos com as meninas. Como muitos de nós moramos em casas pequenas, rentabilizar o espaço é importante e, felizmente, alguém teve esta ideia brilhante de empilhar os vasos. Mesmo que tenham espaço em casa, esta maneira de ter os vasos fica muito bonita! Também podem aproveitar lâmpadas estragadas como jarrinhos para flores.

Para que os casacos, chapéus, malas e chaves não andem à solta pela casa, existem cabides e chaveiros. Com técnicas de forragem e decoupage, existem opções excepcionais, na página que vos sugeri até aproveitam cabides desirmanados! Se houver meninas pequeninas aí em casa que tenham bonecas estragadas, por que é que não fazem como na imagem? Sim, é um pouco mórbido, mas é uma questão de usarem outras cores no painel de madeira!

Quanto a candeeiros, podem aproveitar candeeiros velhos e pintá-los com cores que gostem, fazer stencils em abat-jours velhos, fazer como na imagem e aproveitar caixas de ovos e luzinhas da árvore de natal, que tem esta variante que origina um candeeiro de tecto, podem inspirar-se na Cantina Baldracca e fazer candeeiros a partir de panelas, passadores, canecas e outras coisas da vossa cozinha, usar recipientes de iogurte, e outras coisas que tenham por aí.

Acham que o vosso espelho está tão simples que até vos dá um desgosto quando têm que olhar? Aqui há uma solução.

E nas cortinas, já alguém pensou? Colagens, carimbos de batata como na imagem (esta técnica também liga bem em toalhas, toalhas de mesa, lençóis, panos de cozinha e por aí fora. Se quiserem, até podem pintar os vossos motivos à mão com tintas de tecido), há uma série de opções que podem ter em conta se não quiserem costurar as vossas próprias cortinas. Se for esse o caso, a IKEA e a Feira dos Tecidos são bons sítios para encontrarem tecidos catitas!

Para as cozinhas e casas-de-banho, e talvez em alguns tipos de quarto, podem fazer tapetes em patchwork como o da imagem: são bonitos, fáceis de fazer, fáceis de lavar e ficam bem com qualquer tipo de decoração: basta escolher tecidos que se adequem!

Não têm espaço para os livros e revistas que andam aí pelo chão ou a arrastarem-se pelo sofá? Vejam esta solução muito prática e fácil de fazer.

Como é muito importante termos as fotografias daqueles de quem gostamos à mostra para vermos sempre que nos apetecer, e se não fizeram grandes acrobacias com as vossas paredes, pode ser engraçado pintarem ou colarem molduras, como no exemplo.

Para terminar a nossa conversa sobre decoração, é sempre bom darem uma vista de olhos a sites como o Makezine ou o Craftzine, que todos os dias têm montes de ideias giras para se entreterem a trabalhar (não falam só de decoração!) e se estiverem mesmo a planear uma redecoração da vossa casa existe o planificador da IKEA que podem instalar no computador e que dá um jeitão!

Quando Não Há Recursos, a Gente Inventa!


Hoje vamos falar de algumas emergências que acontecem no nosso dia-a-dia e de formas rápidas de resolução. Se tem interesse para os meninos? Talvez, a ala masculina que nos diga! Este post é um pequeno guia de desenrascanço na escola, no escritório ou até em casa quando falta algum recurso!
Deixo um pequeno aviso: há aqui métodos muito pouco saudáveis e que cada uma usará (ou não!) à sua própria responsabilidade. Eu por cá não sou maricas, até porque são coisas que se fazem de vez em quando, pelo que não me parece que vá morrer mais cedo por isso. Se se sentirem intimidadas, vá, pensem: fumar um cigarro acarreta mais riscos para a saúde do o que aqui vos vou contar (mas não venham depois dizer que a Guida vos manda fazer coisas perigosas…).

1. Os ganchos do cabelo fugiram! – Bem, não há nada como trazer um arsenal de material escolar atrás quando se vai para a escola/emprego. Estojo que é estojo tem clips, prontos a cumprir a função dos ganchos quando a tarefa é domar cabelos rebeldes.

2. Quero um rosinha nos lábios, mas não há batom. – Existe marcador cor-de-rosa? Sim, marcador fluorescente! O laranja também é capaz de servir em alguns casos, ou façam experiências com outras cores. Se já o fiz? Sim, já. Passei batom do cieiro por cima e até ficou catita.

3. Preciso de um lápis para as sobrancelhas. – Ok, esta é uma dica que só aprendi há dois ou três dias no Shampoo de Laranja. Têm um lápis de carvão, de preferência com minas B (sim, existem lápis H, B e HB. H são os que têm minas mais duras, hard. Os B são black, que fazem traços mais escuros e carregados)., 4B para cima segundo o que pude testar (sim, existe por aqui uma colecção de lápis de carvão e barras de grafite que nem queiram saber!)? Penso que não preciso de dizer mais acerca deste assunto.

4. Parti uma unha! E agora? – Esta é lógica para a maior parte das pessoas. Se houver uma tesoura, está o assunto resolvido até haver material de manicure em condições. Sei que já é pedir muito, mas sei que algumas de vós andam com limas ou lixa para as minas das lapiseiras ou do compasso. É só usar!

5. O rabinho do brinco saltou. – É cortar um bocadinho de borracha e substituir.

6. Há aqui sobrancelhas, pestanas e cabelos fora do sítio… – Vá, este item sai um pouco da linha dos itens anteriores. Eu sei que todas vós trazem convosco batons do cieiro! É passar um pouquinho nos dedos e domar os pelitos rebeldes.

7. Ups, não há desodorizante! – Então, atenção: eu não vou ser responsável por eventuais cheiros mais desagradáveis que suor ou alergias e irritações. Façam isto por vossa conta e risco! Peguem num bocado de papel higiénico e limpem o suor das axilas (se for preciso, humedeçam o papel com água.). Existe algum spray tipo Febreeze para tirar o cheiro? Fixe. Não aconselho que usem ambientadores ou coisa do género. Se estiverem em casa e houver limão ou bicarbonato de sódio, óptimo, façam como as nossas avós e esqueçam a dica do spray.

8. Parece que meti a cara numa fritadeira. E isto é feio! – O problema é oleosidade? E não há mortalhas? Epá, o papel higiénico desenrasca. É só dar palmaditas, nada de esfregar!

9. Ontem andei na farra e hoje estou com olhos de peixe. – E ir buscar uma lata de sumo fresquinha? Antes de beber, encosta-se a bela da lata gelada aos olhos. Vai melhorar.

10. E se eu não estiver assim tão mal de recursos? – Bem, se houver uma sombra neutra acastanhada, serve de batom em mistura com o batom do cieiro. E, com cuidado, até é capaz de servir de blush. Se houver blush, idem aspas!

Ideias malucas de mais ou estão dispostas a experimentar? Repito: não sou responsável por auto-mutilações, irritações e outras complicações.

Correio  por Myrthe

Gosto tanto de receber correio que quando não o recebo, sonho com ele.

Há uns dias, durante a minha sesta vespertina, passou-me pela cabeça algo que não sei bem dizer se foi um sonho ou se foi um pesadelo. Sonhei que tinha acabado de chegar a casa após um fim-de-semana grande e que a caixa do correio na entrada do prédio estava cheia de correspondência para mim. Acontece que quanto mais cartas e envelopes gigantes com coisas lá dentro a gente tirava, mais apareciam e às tantas já não havia espaço no hall nem no elevador para tanta coisa! Estávamos literalmente a afogar-nos em correio para mim. Não sei o que sucedeu, pois fui acordada pelo rapaz ou pelo telemóvel dele, não me recordo bem.

Como se o sonho não fosse bizarro o suficiente, esta noite fui novamente assaltada pelo meu complexo de correspondência. Desta vez, chegavam multas dos CTT para pagar por receber tanta correspondência e dar trabalho a mais ao carteiro, até que chegou a polícia e fui a tribunal. Fui condenada a cumprir uma pena de meio ano trancada num escritório dos correios, cheio de papelada e caixas de encomendas. O que é fui para lá fazer? Não sei. Lembro-me do cheiro a estação dos correios, mas não sei no que consistia a minha pena, porque acordei entretanto com beijinhos da Nina.

Serão estes sonhos absurdos consequência do desespero e da tristeza por não receber correio?

Ah, Isto É Uma Boa Ideia!

Hoje olhei para o frasco do colírio vazio e pensei cá para mim que era uma boa maneira de guardar o mixing medium caseiro. Sei que já muita gente por este mundo fora deve ter tido a mesma ideia que eu, mas não posso deixar de me sentir iluminada em momentos como este! Então não é muito mais fácil usar um frasco do colírio, do soro, ou um frasquinho qualquer com conta-gotas, devidamente lavados? É tão mais simples verter uma gotinha no pincel ou na esponjinha da sombra, espalhar na pálpebra e usar a sombra que desejamos… A única vantagem que vejo nos frascos é o facto de dar para misturar sombras em pó na tampinha, mas isso também se faz nas costas da mão e o frasquinho do colírio é muito mais prático de trazer na bolsa e a probabilidade de verter é bem menor!

Mas, perguntam algumas de vocês, o que é o mixing medium? Nem toda a gente sabe nem é obrigada, apesar de cada vez mais ouvirmos falar de coisas da mesma família! Esta coisa estranha é um primer para sombras, ou seja, deve ser colocada na pálpebra antes da aplicação da sombra e faz com que a cor seja muito mais intensa e dure muito mais. Fiz uma pequena demonstração, como podem ver na foto. As duas manchas são a mesma sombra. Na de cima, apliquei o medium previamente. Na segunda, não há medium para ninguém. A diferença é grande, não é?

Este é um truque barato e já o vi em tantos, mas tantos sítios na Internet que nem passa pela cabeça das pessoas que nunca ouviram falar no assunto! Foi feito em alternativa ao mixing medium da M.A.C., que é carote: é bom, sim senhora, mas custa cerca de 20 dólares um frasquinho de 50ml. E o pessoal descobriu que se podia fazer a mesma coisa com glicerina e água. Sim, glicerina e água! Mistura-se 1 parte de glicerina para 3 partes de água, guarda-se e já está! Têm o vosso medium caseiro para cerca de um mês (depois disso, diz-me a própria experiência, começam a acumular-se colónias de bactérias pretas, feias!).

E onde é que há glicerina? Nas farmácias e nos supermercados. Tem que ser glicerina pura, sem cheiro nem corantes nem nada! Transparente. Eu comprei um frasco de 100ml por 2€ e qualquer coisa no Continente, mas sei de pessoas que compraram frasquinhos mais baratos na farmácia. Fazendo as contas, por cerca de 2€ têm quase meio litro de mixing medium para se divertirem à vontade!

É bom, não é?

Cheesecake de Frutos Silvestres à Canas

322e6e3b39f2ce007b9d9c10137957de

Parece que finalmente chegou a Portugal o bom tempo que convida a passeios e exige que deixemos os casacos e os cobertores bem escondidos no fundo do armário. Mas não são só as mudanças de trapos que vêm com o bom tempo! Este sol quentinho convida-nos a comer frutinhas, mais verduras, bebidas frescas e sobremesas geladas!

Assim, eu e a minha mãe decidimos fazer este cheesecake de frutos silvestres gigantesco ontem à tarde (os ingredientes desta receita servem para dois cheesecakes mas nós esquecemo-nos desse pormenor! Ainda bem que a forma era grande.).

Ingredientes

– 7 Ovos
– 1 Pacote de Açúcar
– 2 Colheres de Chá de Fermento
– 1 Caneca de Farinha sem Fermento
– 4 Folhas de Gelatina Transparente
– 1 Frasco de Doce de Frutos Silvestres
– 1 Pacote de Frutos Silvestres Congelados
– 4 Pacotinhos de Natas
– 1 Embalagem de Queijo Philadelphia (ou semelhante)

Preparação

1. Aqueça o forno a 170ºC.
2. Separe as gemas das claras em dois recipientes diferentes. Bata as claras em castelo e junte-lhes um pouquinho de açúcar.
3. Junte uma caneca de açúcar às gemas e bata a mistura. Junte 1dl de água e bata. Junte o fermento e vá juntando as claras e a farinha e mexendo sempre com a colher de pau até obter uma mistura homogénea.
4. Unte uma forma com margarina e polvilhe-a com farinha. Deite a mistura anterior na forma e leve-a ao forno estando sempre com atenção. Quando cheirar a bolo, espete um palito e verifique se este já está cozido no meio. Se não estiver, deixe-o estar no forno mais um tempinho (com muita atenção, para não queimar!). Esta é a base do cheesecake.
5. Derreta uma folha de gelatina e junte-lhe o frasco de doce e os frutos silvestres em lume brando. Mexa sempre com a colher de pau até a gelatina estar completamente derretida e misturada com os frutos. Esta mistura será a cobertura do cheesecake.
6. Bata as natas. Junte uma caneca de açúcar e bata de novo, para misturar.
7. Às natas batidas, vá juntando o queijo e misturando muito bem com a colher de pau, até que a embalagem esteja vazia e não haja “grãos” de queijo nas natas.
8. Derreta as três folhas de gelatina e misture-as muito bem com o preparado anterior. Convém mexer sempre, rápido, para que a gelatina não solidifique em grãos no meio das natas e do queijo. Esta é a camada intermédia do cheesecake.
9. Na forma onde cozeu a base do bolo, verta a cobertura. Posteriormente, verta a camada intermédia e, por último, coloque a base do cheesecake. Se for necessário, isole com filme (aquele papel transparente aderente da cozinha!) para a camada intermédia não escorrer. No nosso caso, foi o que teve que ser feito visto que o bolo ficou mesmo gigante! Aliás, não dá sequer para ver o tamanho da base porque a camada branca a cobriu quase toda.
10. Leve ao frigorífico durante aproximadamente meio dia. Está pronto a servir!

É claro que existem variantes, basta terem imaginação. Podem usar gelatina colorida (mas sempre em folhas!), misturar doce e frutos silvestres com as natas, usar outros frutos… É ao gosto do freguês!
Novamente, não se esqueçam de reduzir os ingredientes a metade se só quiserem um cheesecake.

Aproveitem o bom tempo e deliciem-se com esta sobremesa deliciosa!

Farinhas & Papas

Papas

Há dois dias, a Patrícia falou das papas de farinha Maizena no blogue dela. Assim, e porque pensei que já estava na hora de escrever sobre as papas que se comem cá em casa e muita gente pensa que algumas delas estão extintas, cá estou eu com a Maizena, a Farinha Predilecta e a Farinha 33.
É uma grande tristeza saber que a maior parte das pessoas da minha idade só conhece Milupas e Cerelacs e essas papas mais comuns que por aí andam e que comemos quando éramos pequenos. Se lhes falar em Predilecta ou 33, fazem caretas feias típicas de quem não está a par do assunto comentado. Sim, a minha avó dava-me Farinha 33 quando era pequena!

E que histórias são estas das papas perdidas?
Comecemos pela mais conhecida e talvez a mais gostosa: a Maizena. Sabe a leite creme! Já devem ter visto o reclame que passa agora na televisão, que promete que esta farinha deixa os bolos maiores e mais fofos. Aqui, como-a quentinha (fria não presta! fica rija, mais ou menos como se fosse gelatina…).
Já a Farinha 33 sabe a chocolate e é tão boa feita em papa como misturada no leite quente, com um nadinha de açúcar se for necessário.
Por último, temos a Farinha Predilecta que, ironicamente, é a que menos gosto destas três papas. Mas não deixa de ser boa! Sabe-me a cereais triturados e parece-me que é melhor diluída no leite do que em papa.

Como Fazer Papa de Farinha Maizena?

É como a Patrícia disse aqui. Ferve-se leite com uma casquinha de limão, baixar o lume quando o leite estiver a ferver e juntar a Maizena e um pouquinho de açúcar, mexendo sempre, como se estivessemos a fazer leite creme. Convém ir adicionando às mijinhas, a menos que queiram ter massa consistente no final! A vossa papa deverá ter um aspecto cremoso.

Como Fazer Papa de Farinha 33?

Bem, não vou falar só da papa, mas é por aí que começo.
Ferve-se o leite e vai-se juntando a farinha, mexendo sempre. Também podemos juntar a bela da casquinha de limão e algum açúcar. Amantes do chocolate, esta é uma boa papa para vocês!
Em alternativa, dá para diluir a Farinha 33 em leite quente ou frio, café ou água quente. Uso duas ou três colheres de sopa por caneca!

Como Fazer Papa de Farinha Predilecta?

Pode ferver-se o leite e juntar a farinha, mexendo sempre e juntando algum açúcar (acho esta papa um pouco enjoativa!) ou, em alternativa, diluir duas colheres de sopa de Farinha Predilecta num copo de leite, quente ou frio.

Ah, já me perguntaram várias vezes onde é que compro as farinhas. Existem em alguns mercados Mini-Preço (na minha terra, em Mação, existe!) e no Intermarché. Para quem vive no Alentejo, na zona de Santo André/Sines, também já as encontrei à venda na Petrocoop (ah, como amo este mercado!). Se alguém souber de mais sítios, agradecia que divulgassem!

Brownies

a84ecc1f09079207aff9ff5856a18706

Tal como prometi ontem, hoje trago a sobremesa. Sei que não está com o melhor aspecto do mundo, mas esta foi a minha primeira tentativa de fazer brownies e há alguns aspectos a melhorar. Posso dizer, contudo, que estão deliciosos e que toda a gente cá em casa gostou! A receita? Fui lendo sobre ela em vários sítios que encontrei via Google e experimentei com o que havia cá por casa e à minha maneira. Da próxima sai melhor!

Ingredientes

– Cerca de 50g de margarina
– 170g de chocolate de culinária
– 3 colheres de sopa de chocolate em pó (eu usei mesmo pó do chocolate quente da Nestlé, não havia chocolate ou cacau em pó!)
– 1 caneca de farinha sem fermento
– 1/2 colher de chá de fermento em pó
– 1 colher de chá de sal grosso
– 2 colheres de chá de essência de baunilha
– 1 caneca de açúcar
– 2 ovos

Preparação

1. Coloque o forno a aquecer entre os 160ºC e os 200ºC.
2. Derreta a margarina, o chocolate e o cacau em banho-maria.
3. Num recipiente, coloque a farinha, o sal e o fermento e misture.
4. Noutro recipiente, bata os ovos, o açúcar e a baunilha até se formar uma mistura amarelinha clara e não se notarem os grãos de açúcar.
5. Misture os dois preparados anteriores e o que derreteu em banho-maria e mexa tudo com uma colher de pau até obter uma mistura uniforme.
6. Forre uma forma com papel de alumínio ou papel vegetal e unte com margarina.
7. Espalhe a mistura pela forma e leve ao forno durante cerca de meia hora.
8. Quando estiver pronto, espere que o bolo arrefeça, retire da forma puxando o papel e corte em quadradinhos.

Da Próxima Vez

– Não vou deixar o bolo tanto tempo no forno. Como podem ver, o fundo queimou um bocado! Não é relevante, nem sequer sabe a queimado, mas fica feio. O tempo de cozedura varia de forno para forno, convém ter muita atenção.
– Não vou tentar retirar o bolo da forma e muito menos cortá-lo antes que esteja realmente frio e rijo. Dá o aspecto que podem ver: parece que desfiz os brownies com as mãos!

Divirtam-se a fazer brownies, partilhem as vossas receitas e espero que esta minha experiência vos ajude!

Frango à Brás

DSCN0662

Como em qualquer outra casa, penso eu, e se não for verdade deveria ser (e o mais rapidamente possível!), aqui não se deitam as sobras de comida fora. É que para além de estarmos em época de crise, há muita gente por esse mundo fora que passa muita fome e já que temos a sorte de viver no extremo oposto e pecar pela fartura, devia ser proibidíssimo deitar comida boa fora.
Não estou a dizer que gosto de toda a comida que me vem calhar ao prato, nem que gosto de comida requentada. Mas se tiver que as comer, que remédio tenho eu! E há sempre uma alternativa à saga do microondas (e mesmo a comida reaquecida no fogão/forno chega a perder o gosto que tinha quando foi feita!).

Há quem goste de frango assado no dia seguinte, frio ou requentado, mas eu não sou uma dessas pessoas e portanto tenho que me virar para não gerar desperdício. Sei que há muita gente que faz o mesmo que eu, mas há outras tantas pessoas que não conhecem o truque.

Ingredientes

– Restos de frango assado (ou outra carne que esteja feita e guardada numa caixa lá no fundo do frigorífico, como costeletas, febras ou hamburgueres, tudo em pedaços pequenos. Eu usei pouco mais que 1/4 de frango, que desfiei). Não sejam preconceituos@s com os molhos e picantes, acreditem que o frango cá em casa tem muito picante e no final nem se sente tal sabor. Basta retirar a maior parte das peles! Também podem usar cogumelos, seitan, essas coisas. Puxem pela imaginação!
– 1 Cebola média cortada em meias luas ou picada
– 1 Pacote de batata palha (podem cortar batata em palitos fininhos e fritar, mas isso dá muito trabalho e com esta receita pretende-se poupar em todos os sentidos, incluindo o tempo de preparação!)
– 4 Ovos
– Azeite
– Sal qb

Preparação

1. Numa caçarola, refogue a cebola em azeite.
2. Numa tigela, mexa os quatro ovos e junte uma pitada de sal.
3. Quando a cebola alourar, junte a carne. Se for preciso, adicione um nadinha de água.
4. Junte a batata palha na caçarola e mexa muito bem com a colher de pau. Se for preciso, volte a juntar um bocadinho, muito pequenino, de água.
5. Junte os ovos, como se fosse fazer ovo mexido. Misture tudo muito bem.

E o prato está pronto a servir!
Amanhã ou depois volto com a sobremesa.

Bom apetite!

P.S. – Para quem ainda não percebeu, criei este meu blogue para partilhar coisas que sei ou que experimento e funcionam de forma a simplificar a vida das pessoas. Assim, todos os comentários e críticas d@s leitor@s são bem aceites e gosto bastante quando há feedback positivo! E surgiu uma dica importante por parte de uma leitora, a Filipa, que passo a transcrever:

“Olá Guida!
Já agora, um pequeno truque para o teu “qualquer coisa que sobre” à brás: eu raramente faço esse prato com batata palha porque detesto o sabor a óleo (e às vezes até meio rançoso…) das batatas fritas de pacote, mas se as demolhares em leite um bocadinho (tipo 5 minutos) vais ver como ficam não só mais macias mas também muito mais saborosas – e já agora depois repara na côr do leite…”

Cá está algo para experimentar. Mãos à obra e toca a comentar!