Hoje têm direito a um dos posts mais surreais deste blogue. E têm de ficar informad@s desde já que escusam de pedir pormenores sobre a localização deste brilhante sítio de que vos vou falar porque, como devem imaginar, ainda quero ir lá comer algumas vezes antes que alguém decida fechar o estaminé e mandar os senhores chineses de regresso para a China.

Na blogosfera mais próxima até já se riem de mim cada vez que falo no chinês clandestino, mas já começam a haver testemunhas de que não vale a pena ter preconceitos, porque quando se experimenta visitar o sítio, quer-se sempre regressar.

O chinês clandestino, como é conhecido, é uma espécie de restaurante que funciona num apartamento onde moram mesmo pessoas. Fica algures na velha Lisboa, no Martim Moniz, num prédio velho. As mesas são pegajosas. As cadeiras são pegajosas. Tudo é pegajoso. Mas o ambiente é muito bom, porque quem nos atende são pessoas infinitamente simpáticas e o mais provável é termos de dividir a mesa com outros clientes que vão surgindo.

Para o jantar? Bom, têm duas páginas com uma listagem enorme de pratos que podem pedir. As doses são enormes e muito baratas. Não idealizem o menu, porque garanto que a comida lá não tem nada a ver com a que costumamos encontrar em restaurantes chineses. É lá que como o melhor arroz xau-xau de sempre (que é castanho!), o melhor chao min, entre outras coisas. A galinha com amêndoas não tem nada a ver com a que é apresentada nos outros chineses. Catrapisquei fotos do arroz e da galinha à Beatriz para vos mostrar.

Sim, da primeira vez que vamos lá temos medo de já não sair. Asneiras. Até posso não saber muito bem o que tenho no prato, mas ainda estou viva e a comida é tão, tão, tão boa!

Chinês que é chinês é atencioso, por isso gosto do detalhe de oferecerem sempre os aperitivos, o chá e a laranja à sobremesa.

Quem mais já lá foi?

Chinês Clandestino Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

8 comments on “O Chinês Clandestino”

  1. Creio que esse restaurante já não é clandestino, pelo menos são os boatos que por aí correm. Dizem que agora está ligado à associação que existe no andar de baixo.

    • É verdade que se expandiram, e há muita gente que sabe deles, mas continuam a não aparecer em roteiro nenhum e a não ter multibanco nem nada. O andar de cima continua com o mesmo aspecto de casa onde moram pessoas e é tudo pegajoso de mais para que a ASAE deixasse passar em branco. Esses boatos parecem-me estranhos, mas se forem verdade é bom! É sinal que o melhor chinês de Lisboa não corre o risco de desaparecer assim tão rapidamente 🙂

  2. Ah ah ah, não acredito que também conheces o chinês clandestino!! 😀 Fui lá jantar com umas amigas (quem nos levou foi a nossa amiga hippie que tudo o que é clandestino é com ela). É tudo pegajoso, é verdade. Mas acho que faz parte do “encanto”. Isso e sentares-te na mesa de outras pessoas e parecer que estás a jantar na casa de alguém (ah espera, estás mesmo!). Gostei muito da comida e não fiquei com nenhuma gastroenterite portanto tenciono voltar x)

Deixar uma resposta