Esta foi a última vez que meti os pezinhos num cabeleireiro. Já lá vão quase dois anos e não sinto falta nenhuminha de deixar o meu cabelo em mãos alheias. Não foi o caso, como podem verificar pelo que escrevi nessa altura, mas sair insatisfeita com o corte e, ainda por cima, ter de pagar não é algo que me deixe conformada.

Eis que decidi ser eu a cortar (e pintar, logo iremos lá!) o meu cabelo. Peguei numa tesoura e em lâminas e fui experimentando. Se deu asneira? Não, não deu! Já tinha aprendido beeem antes, no início do blogue, com uma franja medonha, super direita, à Meo que cortei a mim mesma. Se arrependimento matasse…

A ideia era ir mantendo o corte escadeado, em camadas. O comprimento, esse, foi variando conforme o humor. Já cortei o cabelo acima do queixo (mantendo o corte mais direito), agora quero deixá-lo crescer até mais não.

Como é que tudo bate certo? Com paciência e… Com boas ideias! Costumo dar um jeito ao cabelo de 2 em 2 meses e de há algum tempo para cá faço justamente como neste vídeo que conheci através do blogue da Verdinha.

Então, continuam a achar que é complicado? Desta maneira, não falha!

12 comments on “O Cabelo da Guida #4 – Cortar!

  1. Vais como eu, a última vez que pus os pés num cabeleireiro também foi a 2 anos. Enchi-me… sempre que ia pedia que cortassem a direito, sem escadear e saía, invariavelmente, com o cabelo escadeado… Ora agora trato eu do assunto, se fizer asneira (que ainda nunca fiz), a asneira é minha e não tive de desembolsar por ela. E pintar também faço em casa, já ando à procura da próxima cor.

    • Eu é sempre preto-preto. O mais preto possível. Não dá asneira, fica bonito e brilhante e é de fácil manutenção. Para além de que nunca se nota a raiz eheh

      Beijinho

      • ando a pensar fazer umas mechas californianas – como as brasileiras chamam, aqui n sei – mas n quero tãooo subidas como elas fazem (que parecem que deixaram o cabelo crescer aquele tanto e agr tem duas cores :X) as ultimas madeixas que fiz foi no cabeleireiro mas acredito que sou capaz de fazer em casa aquilo que quero, alem disso s ficar mal meto uma cor mais escura e pronto.. ahaha…

        Tadinhas das cabeleireiras, n tem sorte nenhuma connosco 😀

  2. desde que postei esse video nunca mais voltei ao cabeleireiro.. loool, no outro dia deu-me a louca e cortei uns 5 ou 6 dedos de cabelo e gostei, se fosse no cabeleireiro provavelmente tinha morrido mas como fui cortando e vendo, a coisa até não custou muito. ahahah e todos os meses corto uns milimetros nas pontinhas, melhor forma de ele estar sempre saudável e com o dinheiro que poupamos dá para comprar coisas muito mais úteis (ou fúteis :X ). loool 😀

    • Este vídeo reduziu muito o tempo que eu levava a cortar o cabelo! É isso, quando somos nós a fazer a asneira é mais fácil engolir. Obrigada por teres partilhado o vídeo com o mundo 😀

      Beijinho

  3. Eu também tenho algum pânico em ir ao cabeleireiro quando é para cortar. Isto devido a ter ido muitos anos pedir para me contarem só as pontas e sair de lá com uma carecada (ah e tal só dois dedos de comprimento e saía de lá sem uma mão inteira!)! Fiquei traumatizada! lol, tenho sempre imenso medo, talvez por isso nunca faça assim nada muito louco!

    • É o mesmo por aqui ou então “dei aqui um jeitinho porque fica melhor” e nem nos perguntarem o que pensamos do assunto. Aliás, o aspecto de muito boa cabeleireira deste país deixa-nos logo de pé atrás na hora de confiar as nossas belas cabeleiras, não é? Se fossem boas peças, por que raio teriam cortes de cabelo e tingimentos tão… Peculiares? 😛

      Beijinho

  4. Eu acredito que não seja nada de extraordinário. Mas com o meu jeitinho, naaa, não arrisco. Não me compensa o risco. A franja é que corto imensas vezes em casa (e a maioria delas acabo por ir ao cabeleireiro depois porque fica uma bela merd@ –‘ )

  5. Depois de ver o vídeo experimentei dar uma acertada na franja e gostei, afinal nem é assim tão complicado… com prática ainda vai ficar melhor! É incrível a quantidade de videos no YT que ensinam a cortar o cabelo.

Deixar uma resposta