Categoria: Vintage

Coisas que os Aliens Raptaram #1 – Creme Chinês[:en]Things Aliens Kidnapped #1 – Chinese Cream

Alguém me sabe dizer o que é que aconteceu às latinhas minúsculas de creme do chinês, de bordas vermelhas e alguns desenhos, tanto quanto me posso lembrar, que a minha avó comprava nas lojas dos 300 ou nos chineses, meio amarelado e de cheiro intenso, que se metia na ponta do nariz quando estávamos a ficar constipados? Ficávamos logo nos trincos! Nunca mais vi coisa do género à venda. Os aliens devem ter confiscado tal engenho, porque não encontro nada disso nem nos chineses nem no Google. Alguém me elucida sobre tal assunto?

Agradeço que partilhem informações úteis sobre o tal creme milagroso!

[:en]

Does anybody know what happened to those tiny little cans filled with some chinese cream, which borders were red and they had some drawings? As far as I can remember, my grandmother used to buy it at dollar or chinese stores, it was kind of yellowish and its scent was intense, I remember it was used on the tip of our noses when we got coughs. We would get better in a blink! I never saw it again. I think aliens must have kidnapped this, because I cannot find anything about it in chinese stores or Google. Do you know what I am talking about?

Please, tell me if you know what this is!

Luta na Lama[:en]Green Clay Mask


Ou máscara de argila verde! Ou máscara de outra argila qualquer (qualquer, salvo seja!). Eu venho falar da argila verde porque é aquela que eu uso, pois apesar de não ter a pele muito oleosa, a verdade é que volta e meia aparece uma ou outra borbulha e os pontos negros vão aparecendo às resmas se não der conta deles. E, posto isto, conclui-se que a argila verde é adequada a peles normais a oleosas, com tendência acnéica. Se este não é o seu tipo de pele, pesquise sobre argilas branca, rosa e amarela (se fizerem questão, posso falar sobre elas mais tarde!).

Eu falo por mim: os resultados desta maravilhosa máscara caseira são mais que visíveis: menos imperfeições, vê-se (e sente-se!) que a pele fica mais macia e as borbulhas e os pontos negros tendem a aparecer com muito menos frequência. Aplica-se a máscara uma ou duas vezes por semana.

Não é novidade para ninguém que eu sou apologista do que é bom, básico e barato. Neste caso, não mudei de lema: a argila verde pode ser encontrada em ervanárias e supermercados ao preço da chuva mijona (não chega aos 2€ por kg). Existem máscaras já preparadas à venda, mas são muito mais caras e nunca as experimentei. No caso desta argila em pó, tem que se ter cuidado: deve ser guardada num local seco e fresco e, depois de cada uso, convém fechar bem o pacote.

Como preparar

1. Existem milhentas maneiras de preparar a argila: com infusões, com água destilada, por aí fora. Façam vocês a experiência! Eu uso chá verde bem concentrado a ferver – deito uma pinguinha num recipiente pequenino (tipo as tigelinhas dos patés) de vidro.
2. Vai-se adicionando argila, cautelosamente, e mexendo com uma colher ou vareta de vidro, madeira, ou plástico. Diz-se que quando a argila entra em contacto com metais altera a sua radioactividade, o que não sei se é verdade ou mentira. Por precaução, prefiro ter esta indicação em conta.
3. Quando a máscara tiver a textura ideal, nem líquida nem em pedra, aplica-se por todo o rosto, à excepção dos lábios e contorno dos olhos, com um pincel bem macio.
4. Deixar repousar. Nesta altura, convém não falar nem mexer muito o rosto, sob o risco de deixar rachas na máscara e esta não fazer efeito em alguns sítios.
5. Quando a máscara estiver seca (e por esta altura vai ser como se tivessem a cara engessada!), retirar com água morninha.
6. Aplique o seu creme hidratante de eleição e seja feliz!

Espero ter sido útil!

[:en]

Or any other clay mask (any other, heh). I am here to talk about green clay because i tis the one I use, because though I do not have extremely oily skin, the truth is that sometimes there is an annoying spot and blackheads keep on appearing everyday if I do not take care of them. So, green clay is good for normal to oily skins, specially if they tend to have acne. If this is not your skin, take a look at white, pink or yellow clays (if you wish, I can talk about them later).

I speak for myself: the results of this wonderful mask are more than visible: less flaws/blemishes, you can see (and feel) that the skin turns to be softer and the spots and blackheads tend to appear less frequently. You can use this mask once or twice a week.

It is not new that I am apologist of what is good, basic and cheap. In this case, I did not change: you can find green clay in nature stores and supermarkets for less than 2€/kg. There are also ready to use green clay masks, but they are so much more expensive and I never tried them. Powder clay needs to be kept in a fresh and dry place and after each use you must make sure you keep the bag well closed.

How to prepare

  1. There are lots of ways to prepare clay: with infusions, distilled water, so on. Try it yourself! I use hot and concentrated green tea – I only need something like a spoon in a small cup.
  2. Add the clay, carefully, and mix with a glass/wood/plastic spoon. It seems that clay can become radioactive if it gets in touch with metals, which I do not know if it is true, but I prefer to play safe.
  3. When the mask has a good texture, nor liquid or too solid, apply it over your face, avoiding lips and eyes, with a soft and clean brush.
  4. Let it settle for something like 20 minutes. You will not want to talk or move your face too much in risk of crackling the mask.
  5. When it has dried out, rinse your face with warm water.
  6. Apply your mosturiser and be happy!

O que É que a Guida Traz na Mala? #2

Minha Mala What's In My Purse

1. Ah, a mala! Esta é grande e preta, de vinil, não a conseguem ver toda mas dá para imaginar. Era da minha avó, veio dos Porfírios. A sério!
2. A minha necessaire. Este veio da secção infantil da Zara Home há coisa de um ano.
3. Óculos de sol da H&M, porque o sol que apanho ainda não justifica o uso de uns óculos de sol como deve ser.
4. A minha máquina fotográfica digital. Anda sempre comigo!
5. “Coraline e a Porta Secreta” – porque depois de ver o filme, fiquei com vontade de ler o livro.
6. A minha carteira da Hello Kitty.
7. O meu porta-moedas da Lanidor.
8. O meu telemóvel.
9. A minha agenda da Hello Kitty com a esferográfica Agatha Ruiz de La Prada.
10. O meu MP3.
11. Lenços de papel.
12. A minha pen.
13. A minha esferográfica Hello Kitty.
14. O meu bloco de notas zebra.
15. O creme das mãos Aseptine Cire.
16. Porque as constipações dão cabo da gente, Halls!
17. A caixinha do batom do cieiro, com o batom lá dentro.
18. Revista Artes Decorativas de Feltro e Trapilho.

Corrector de Imperfeições Perfeito


Já por várias vezes as pessoas que me vêem arranjar a cara de manhã me perguntaram por que é que eu não misturo o creme Benamôr com a base, visto que apregoo tanto as boas propriedades do dito produto. A verdade é que, por muito bom que seja, este creme só é bom para pôr após o tónico, visto que se o misturarmos com base obtemos uma pasta demasiado grossa para espalhar na cara toda. Se experimentarem, vão ver que a textura da base e do creme em conjunto se vai assemelhar mais ao corrector de imperfeições. Para muitas de vós, se calhar não compensa gastar balúrdios num corrector de imperfeições quando têm este creme que podem misturar com a base.

Boa ideia, nã0?

A Guida Recomenda A Outra Face da Lua


Sendo eu uma amante declarada do Vintage, penso que até já venho atrasada na minha sentença à Outra Face da Lua. Para quem não conhece, A Outra Face da Lua fica na Rua da Assunção, na baixa de Lisboa, e é um espaço que tem um café com esplanada bastante agradável e uma loja de artigos vintage muito bonitos e a preços bem acessíveis!

Não perdem nada em ir lá fazer uma visitinha, ou várias! E aproveitem, porque estão a decorrer as promoções especiais de Natal, onde podem encontrar miminhos para vocês e para aqueles que vos são queridos!

Boas compras!

Conta-me Como Foi

E é já no dia 12 de Janeiro de 2009 que estreia a 3ª temporada da série mais maravilhosa de sempre, na RTP1! Estou em pulgas, estou em pulgas!!!

Para quem não conhece, o “Conta-me Como Foi” é uma série que os nossos amigos da RTP decidiram adaptar da série espanhola “Cuéntame Cómo Pasó” e que tenta retratar a vida dos portugueses no final dos anos 60 do século XX. Novamente, para quem não conhece, esta série é divina! Posso parecer suspeita, mas as pessoas que me conhecem sabem que eu gosto destas secções da História: gosto de saber da vida das pessoas, dos costumes, das modas, dos valores e da cultura.

Vale a pena acompanhar o dia-a-dia da família Lopes, relatado pelo Carlitos (o filho mais novo) que, actualmente, terá quase 50 anos!
Dêem uma vista de olhos no artigo da Wikipedia e na página da série no site da RTP.

TRANSLATION

Tell Me How it Was

This post is about the launching of the third season of my favorite portuguese serie, “Tell Me How it Was”, which shows the story of a portuguese family in the end of 60’s/beginning of 70’s.

Três Simples Passos II

Falemos de uma rotina que deve ser criada desde cedo. Este artigo é destinado, no mínimo, às pessoas que, como eu, têm pele sensível e com tendência para o aparecimento de acne, se bem que @s restantes leitor@s também podem experimentar este ritual.

Esta é uma das situações onde menos é mais, em todos os sentidos: com menos de 5€, obtemos produtos super simples e de óptima qualidade, como confirmam as pessoas de há umas gerações atrás. Não gosto nem posso gastar muito dinheiro com produtos cosméticos, e portanto tento sempre ter em conta a relação qualidade/preço. Falemos da minha escolha:

1. Está mais que provado que o sabão azul e branco é um dos melhores desinfectantes que podemos encontrar no mundo dos produtos de higiene, prevenindo a proliferação de bactérias que provocam o aparecimento do acne. Por outro lado, acaba por sair ao preço da chuva mijona, visto que uma barra de 400g não chega nem a 1€ e dura eternidades (e não, não é por isso que o sabão azul e branco é frequentemente encontrado em lavabos públicos! Insistindo, este sabão não só não é rasca como é melhor que muitos sabonetes desinfectantes, incluindo aqueles que estão à venda nas farmácias!). Podem existir pessoas que não gostam do aspecto nem do cheiro deste espécime, eu não me queixo! O sabão azul e branco tem um aspecto agradável e o cheiro recorda-me os tempos que passava em casa da minha avó;

2. Não há melhor tónico que a água de rosas! Desde pequena que incutiram em mim o hábito de limpar os olhinhos com água de rosas, e a verdade é que continuo a fazê-lo (para quem tem cães, principalmente raças como os caniches, a água de rosas não é agressiva para a limpeza dos olhos!) todos os dias e estendi o seu uso a toda a cara. Cá está, este é outro produto baratíssimo e que dura muito tempo. Ah, e para as pessoas que não acharam piada ao item anterior (sim, o sabão azul e branco!) por causa do cheiro, deixem-me referir que depois da água de rosas não fica vestígio algum do cheiro do sabão;

3. Não é por acaso que a Nally continua a fabricar o creme Benamôr: se este creme não fosse bom e se tantas pessoas ao longo de várias gerações não tivessem boas críticas a fazer, ele já não existiria. É bastante importante hidratar a pele, até porque nos dias que correm a poluição é mais que muita e quanto mais pudermos proteger a nossa pele do contacto com as substâncias nocivas que pairam no ar, melhor! Este creme é um dos poucos que não deixa a minha pele empastada, e ainda tem a vantagem de cobrir ligeiramente imperfeições como pequenos vermelhões e pontos negros e dá uma ajudinha na fixação da maquilhagem, para que aguente impecável por mais tempo. Juntem-lhe o cheirinho único e a embalagem perfeita com o requinte dos tempos antigos, e garanto-vos que nunca mais pensam em usar outro creme!


Vamos pensar em fazer uma (grande) poupança? Têm outros hábitos como este, à base de produtos do tempo dos avós? Partilhem-nos!

Desabafo

Quem não ouviu Doors durante a infância foi uma criança muito infeliz…

É verdade. Para os mais velhos, pode parecer impossível. Para os mais novos (como eu), continua a parecer impossível! Pensava eu, na minha humilde insignificância, que The Doors era só uma das bandas mais famosas de sempre. Para mim, eles são míticos, icónicos, grandiosos! Para os demais… Começo a acreditar que são uns extraterrestres.
Há uns dias, descobri um rapaz (que eu julgava ser minimamente culto) que nunca tinha ouvido falar no Jim Morrison e que nunca tinha ouvido nada desta grande banda. Naquele momento, o mundo desabou à minha frente: como é possível existir alguém na nossa sociedade que não conhece a Light My Fire, por exemplo? E a conversa não ficou por ali, porque (obviamente) divulguei tal heresia a alguns dos meus amigos. Qual não é o meu espanto quando alguns deles perguntam “mas, afinal, quem são os Doors?”.

Amigos, o mundo está perdido. Conhecem a Britney e tudo o que está metido na mesma caixa, mas não conhecem The Doors? Jim Morrison, Jimmyzinho, caso estejas a ler este blogue desde o Além… Pelo amor de Deus, faz alguma coisa, não deixes que te “matem” e que te façam dar voltas no caixão!

Façam o favor de ir ver o site da banda!