Categoria: Pessoal

Eu chamo-lhe bruxedo.

Bruxismo ranger dentes dentista goteira
Imagem de origem desconhecida.

Mas, afinal, diz que se chama bruxismo.

Ou ranger os dentes, para quem não gosta das palavras caras.

Este assunto não tem elegância, mas merece atenção (tal como tantas outras coisas do corpo humano sobre as quais temos de ir falando). Não gosto de tabus, e por isso está na hora de abrir a boca. Ah, que piada a minha!

Já estive para trazer para aqui o bruxismo há mais tempo mas, felizmente, tenho andado esquecida. Felizmente, porque (que eu saiba) já não me acontecia tal desgraça há algum tempo.

Até há pouco mais de um ano, recusei-me a acreditar que rangia os dentes durante o sono quando a minha mãe me contava sobre as tragédias nocturnas. Claro, se eu estou a dormir, não oiço o barulho agoniante que faço.

É uma sorte, dizem algumas pessoas que padecem do mesmo mal e que acordam consigo próprias a ranger os dentes. Só acreditei nisto quando terceiros se queixaram e acharam que eu ia partir os dentes, tal era a força furiosa exercida, e essa foi a única vez em que acordei com dores na mandíbula, curiosamente.

Vivo bem a ranger os dentes, mas acho que está na altura de pedir ajuda ao meu dentista.

Por agora, o maior problema é o facto de incomodar as pessoas à minha volta com o barulho. Futuramente, se não fizer nada, pode surgir uma série de problemas relacionados com o desgaste dos dentes, dores e anomalias nas articulações.

Não tenho os dentes (visivelmente) desgastados como algumas pessoas com o mesmo diagnóstico, por agora, mas mais vale prevenir que remediar.

Confesso que tenho algum receio dos incómodos da utilização de placas interoclusais (as típicas goteiras) durante o sono, e tal pode dever-se à desinformação. Já utilizei aparelhos nos dentes que me deixaram traumatizada com o desconforto.

Há por aí alguém a passar pelo mesmo drama, a querer partir os dentes involuntariamente durante o sono? Ou durante o dia? Já alguém tomou medidas para minimizar ou resolver o problema? Contem-me tudo, que eu quero saber como correu.

Que infeliz, Beatriz!

meetic badoo tinder encontros

Consta que anda por aí alguém, uma tal Beatriz, a fingir que é a minha pessoa.

Esquisito? Muito.

A notícia chegou-me à caixa de mensagens hoje de manhã através de um leitor fofinho. Ou eu teria um Alter ego chamado Beatriz e estava a meter conversa, ou então haveria alguém a usar as minhas fotografias indevidamente numa rede social de encontros.

Eu sei que estou sujeita a estas coisas a partir do momento em que mostro a cara publicamente e a Internet está infestada de fotografias minhas. Ainda assim, não deixa de ser incorrecto e ilegal.

Mas não é a minha consciência que fica pesada porque não sou eu que ando por aí a tomar a identidade dos outros como se fosse minha. E, sinceramente, tenho mais que fazer do que perder tempo com donzelas feias sem discernimento e educação.

Eu sei que sou muito gira, a sério.

E embora tenha conhecimento da existência dos sites de encontros online, nunca necessitei deles. Estou bem servida, obrigada, não precisam de me ajudar a encontrar namorado nenhum.

Quem quer que seja a hotbea87 do Meetic, fica aqui a sugestão de uma boa fotografia de perfil. És pouco macaca, és!…

Macaco
Imagem de origem desconhecida.

Complexos Blogosféricos

Juro que me sinto aliviada por a maior parte das pessoas não querer saber ou não se preocupar com isto dos blogs.

Não quero parecer pretensiosa nem quero o peixe todo só para mim, não senhora.

Simplesmente reconheço que, apesar de saber bem andar por aqui e de gostar de saber o que os bloggers têm para dizer e eventualmente bisbilhotar um ou outro pormenor das suas vidas, pode não ser muito saudável gastar horas e horas de volta deste mundo.

Podia ocupar-me com os outros hobbies, aprofundar estudos, ir passear. Vá-se lá entender, quando posso, prefiro ficar de volta dos blogs.

Como em tudo nesta vida, há opiniões de toda a espécie que surgem da boca de cada um. Nem sempre com conhecimento de causa.

Relativamente aos blogs, quem os tem será sempre confrontado com questões do tipo:

Vais contar isto que aconteceu?

Ou

Não te sentes incomodado por expor a tua vida lá?

Cada um sabe de si e do que publica, mas isto que se pergunta sobre os blogues mostra algum preconceito e ignorância. Basta pensar.

Em primeiro lugar, a nossa vida só é exposta até onde nós queremos, se quisermos. Basta dedicar 5 minutos à procura de blogues e o que não falta são pessoas anónimas com blogs.

Em muitos casos, há também blogues bem conhecidos cujos autores pouco ou nada expõem das suas vidas. E, a expor, é claro que temos plena consciência do que fizemos (deixemos os adolescentes para outro post) e não, não nos incomoda.

É verdade que os primeiros blogs a aparecer não mais eram que diários dos seus autores, com detalhes de actividades das suas vidas diárias. A moda pegou e a tendência foi esta por vários anos.

Felizmente, o Homem é um ser criativo e embora a vertente pessoal continue a existir na maior parte dos casos, a blogosfera cresceu e é possível encontrar quem escreva sobre tudo e mais alguma coisa por estas bandas.

Já a ideia de quem não está a par deste universo, bom, em muitos casos ficou parada no tempo e o blogue continuou a ser “o diário”. E quando não é isto, é pior.

Tens um blog sobre determinado tema? Então, a tua vida só roda em torno desse tema.

Ai falas de moda e beleza? Então és fútil!

E qualquer expressão de inteligência é uma surpresa e mereces aplausos. Sobre isto, nem há comentário ou post possível a fazer…

Tia das Ameixas

tia maria

Desde pequena que gosto de ameixas.

Apesar de não serem a minha fruta preferida, há alturas em que as devoro. Também há alturas em que me esqueço completamente delas, e é um frete gigante ter de as comer.

De agora para a frente, acho que vou passar a olhar para as ameixas de outra forma.

Tenho comigo uma caixa gigante, estou deliciada a comê-las (com alguma moderação, que isto dá dores de barriga!) e o melhor é que me lembram de boa parte da minha infância, lembram-me de quando a tia Maria nos dava ameixas do quintal dela.

Era a tia das ameixas.

Agora, as ameixas vêm com mais saudade. A tia das ameixas foi embora há dois dias, tinha 90 e muitos anos.

Para além de super nutritiva e saborosa, a ameixa passou a ser nostálgica.

Vinte e Um

bolo de aniversário

Foi um dia normalíssimo, com excepção aberta ao Facebook e ao telemóvel, nada parou.

Ah, e ao jantar! Família fofinha à mesa e bolo especial feito pela mamã.

Nada de velinhas com números e coisas afins, porque 21 já é um número que começa a pesar.

A propósito, já vos disse que não gosto de números ímpares?

aniversário

Os festejos propriamente ditos foram feitos ontem, com a amigalhada (quase) toda junta num jantar amigável.

Descobri que aos vinte e um já não temos presentes para abrir. Mentira! Recebi o vestido azul da minha vida (depois mostro, depois mostro), escolhido pelo primocas mais artista de todos. Da próxima só exijo que seja uma criação dele (jeitinho para isso teria ele!).

Dizia eu, aos vinte e um já não temos presentes para abrir. Não é preciso pensar muito para descobrir o motivo: é que aos vinte e um espera-se que sejamos grandinhos o suficiente para não necessitar de nada objectificável.

Têm toda a razão, neste momento não preciso de nada e já tenho todas as ferramentas para fazer caminho.

Aos vinte um, recebi os melhores presentes de todos: a companhia daqueles de quem gosto e que nem sempre é possível reunir e as palavras mais bonitas.

Parabéns à Guida

parabénsA Guida não faz anos, não!

Quem faz anos é o blogue da Guida. Pois é, já lá vai um ano!

Sabem que mais? Criei este blogue para falar de todas as mariquices que achei que não se enquadravam no meu outro blogue, o Ego. Tinha medo de perder os poucos leitores que tinha no outro blogue e pensei que nem sequer ia ter gente a ler este meu outro poiso.

Ainda hoje não sei como tenho tantos leitores, mas fico bastante feliz por saber que os tenho. Fico feliz por receber emails e comentários, por ver o contador das visitas a aumentar e por saber que, com tudo isto, conheci novos blogues e pessoas excepcionais que de outra forma não teriam aparecido.

Foi um ano espectacular e o panorama para os próximos tempos parece-me ainda melhor!

Confesso que nem sempre foi fácil vir cá e escrever frequentemente (como sabem, não é mesmo fácil), até porque podia limitar-me apenas aos posts. Penso que isso seria feio, e para lá disso gosto imenso de comunicar com quem me lê. É justo, não?

Nunca pensei que, num ano, conseguisse mais do que quintuplicar as visitas que tinha no Ego, bem como nunca pensei descobrir uma série de blogues interessantes e informações novas. O que é que nunca pensei, mais? Nunca pensei ter a confiança de ninguém para sortear o que quer que fosse, ou que pudesse ter o carinho das pessoas que por cá passam e mandam bilhetes amigos e prendas.

É verdade que este blogue é um hobby, mas já me sinto na obrigação de vir cá sempre e dar justificações. Se não o fizesse, era como se não quisesse saber de vocês. Era assim que me ia sentir!

Muito obrigada a tod@s vós por este ano que passou.

Venha outro ano!

Pois é, tudo o que é bom acaba depressa e a prova disso são as férias fora de Lisboa que terminaram hoje. Sabem que mais? Isto é o caos.

Já tenho saudades da praia, da casa espaçosa, do pãozinho alentejano, de não ter obrigações, de dormir até altas horas, de não ter Internet, de ter uma banheira (não é lá muito ecológico, eu sei, mas cá só tenho duche e portanto rendi-me mesmo a uns banhinhos de imersão lá em Santo André!) e do resto que por lá há. Já tenho saudades do pôr-do-sol na Vacaria, da areia e das conchinhas, já tenho saudades dos foguetes em Porto-Côvo, dos passeios nocturnos, dos bolos e das trancinhas, do tricô (sim, aprendi a tricotar!) na praia…

Patrícia, não te escapas ao próximo jantar de blogueiros!

Malta, esperem por novidades frescas para o Outono/Inverno nos próximos dias.

Cá estou eu!

Coisas Aleatórias

Margarida Canas
Fotografia por João Coelho

Sim, eu prometi que postava na sexta-feira e não postei, e vou continuar ausente nos próximos dias. Sabem que mais? Estou doente. E, aparentemente, estou de férias. Para não dizerem que eu fugi, e antes de me ir deitar, venho aqui responder a um desafio da Ana Rita, que consiste em partilhar convosco seis coisas aleatórias, linkar a pessoa que nos indicou, mostrar estas regras e indicar mais seis pessoas. Como eu sou do contra, não vou indicar ninguém mas convido quem quiser a responder a este meme.

1. Gelado

Ultimamente, ando com desejo de ir à Costa da Caparica comer um daqueles gelados enormes, bons, cheios de mariquices a decorá-lo e que deixam a carteira substancialmente mais leve, sabem? Bem que já me convidavam para um passeio vespertino na Costa…

2. Assertividade

Chamem-me os nomes que quiserem. Como sabem (e se não sabiam, passaram a saber), é nas férias da Páscoa que os alunos que terminam o Ensino Secundário vão naquilo a que chamamos viagens de finalistas, e que na maior parte dos casos, para mim, não passam de um eufemismo que quer dizer “semana em que apanhamos grandes tosgas, não fazemos rabo e fornicamos com qualquer coisa que se mexa e que poise no nosso leito”. Esta é a minha opinião, e visto que não houve opções de viagem decentes, como Paris, Londres ou Andorra, ou qualquer outro sítio onde se faça algo minimamente útil, decidi ficar em casa. Para apanhar bebedeiras e ter piscina à porta, mais valia ter ido para o Algarve, que saía bem mais barato!

Mas não querendo desviar-me da palavra chave – assertividade – que se traduz na capacidade de saber dizer “NÃO”, ponho-me a pensar e alongo-me em grandes diálogos com os meus botões sobre quantas alminhas infelizes é que vão sofrer e arrepender-se, seja de que forma for, lá nos belos destinos das viagens de finalistas, como Lloret de Mar, La Manga ou Palma de Maiorca. Juro que fico preocupada e envergonhada pela imagem triste que passam do nosso escalão etário.

3. Hemograma

Não, não é nenhum teste que nos mostra se somos emos ou não! Da última vez que tentei doar sangue, fui rejeitada como dadora porque tinha os níveis de hemoglobina baixos, apesar de a médica ter dito que eu não estou anémica. Como eu sou uma pessoa bastante preocupada com a minha saúde e com tendência para a hipocondria, exigi à minha médica que me passasse um hemograma, pois não percebo como é que isto aconteceu e quero resolver o assunto. Amanhã, lá vou eu levantar o resultado do exame.

4. Reciclagem

Mal de uns, bem de outros. Sou o tipo de pessoa que podemos etiquetar com um letreiro gigante na testa a dizer “ferro-velho”, porque guardo tudo e nunca deito nada fora. Quero com isto dizer que sou o tipo de pessoa que não tem vergonha nenhuma de recolher alguma “relíquia” que encontre no lugar dos monos, ao pé do ecoponto. No sábado passado encontrei uma pilha enorme de livros ainda em condições de serem lidos ao lado do papelão e fiz a minha selecção: ainda ganhei meia dúzia de livros! O belo do namorado, que estava comigo a passear o canídeo, fez caretas e ficou envergonhado. Ah, magano! Quero com isto pedir às pessoas que não deitem o que pode ser útil a outras pessoas nos contentores, deixem as coisas acomodadinhas ao lado dos contentores! Ah, e não tenham vergonha de recolher algo que não está estragado e que pode dar jeito! Acreditem, já encontrei uma máquina de costura funcional e um candeeiro de pau preto em óptimo estado de conservação no sítio dos monos!

5. Exames 

Faltam praticamente dois meses para os Exames Nacionais e eu nem sei por onde me agarrar, visto que tenho quatro exames, muita matéria para estudar e pouco tempo para actuar!

6. Part-time 

Alguém me arranja um em Julho? Um em que eu não esteja a recibos verdes? Por favor, na área de Lisboa! Não sou esquisita e sei descascar batatas e lavar a loiça!

E é tudo por agora, dêem às vossas pessoas umas belas férias da Páscoa!