Categoria: Higiene

Produtos Terminados #1

Todas as oportunidades são boas para falar da beleza.

Se é para partilhar opiniões sobre cosméticos, até o facto de termos chegado ao fim da embalagem é um bom pretexto para dizer qualquer coisa. Assim, há mais diversidade e menos coisas boas (ou não) a escapar aos domínios do esquecimento.

Tenho de fazer mais vezes algo que gosto muito de ver noutros blogs e canais: falar dos produtos que termino. Coisa sucinta. Que depois, se assim o quiserem, poderei alongar-me sobre algum produto em especial noutro momento.

As fotografias não são as melhores (que são tiradas logo no momento com o telemóvel, ou havia lá eu de guardar embalagens gastas?), mas o que importa é a informação. Siga a primeira leva desta categoria!

hit the pan produtos terminados acabados review opinião

1. EDT Amazonian Wild Lily – The Body Shop

Aroma floral intenso, embora fresco. Não foi o meu favorito, mas ainda assim era agradável. A durabilidade dele na pele é muito fraca.

Demorei anos a terminar este frasco, mas finalmente já foi. Addio, adieu, aufwiedersehen, goodbye!

2. Body Milk Nutritivo – Nivea

Clássico! Há muitos hidratantes corporais, eu sei. Muitos cheirinhos bons e muitas texturas. De vez em quando, gosto de regressar a este. Gosto muito dele, é eficaz, tem a fragrância clássica da Nivea, não é caro e gasta-se muito bem.

3. Gorgeous Growth – Viviscal

Não falo de um produto, falo de quatro. Usei o champô, condicionador e sérum por causa da queda de cabelo no pós-parto. Quando deixei de amamentar, também tomei o suplemento alimentar.

Foi um suplício utilizar os produtos de cabelo: não gostei do cheiro, e excepção feita ao condicionador, deixavam o meu cabelo com um aspecto hediondo. Deixaram o meu cabelo ressequido e pesado. Esperava melhores resultados destes produtos de farmácia, já que há produtos em lojas de beleza mais eficazes.

Quanto ao propósito principal: sim, ajudam ao crescimento do cabelo e das unhas. Mas a queda (e as unhas quebradiças) mantêm-se. Alguém por aí com resultado diferente?

4. Gel de Banho Sabão de Alepo e Óleo de Rosa – Ultra Suave

Cheira muito bem, é barato, sabe bem utilizá-lo no banho e não deixa a pele ressequida. Gostei!

5. Champô Pro-Keratin Refill – L’Oréal Professionnel

Esteve guardado durante séculos por preconceitos com a sua composição (tem ingredientes que gosto de evitar, como o cloreto de sódio, o hidróxido de sódio e sulfatos a rodos). Dei-lhe uma chance.

Não é mau, mas também não é nada de extraordinário. Não fez nada pelo meu cabelo, mas também não agravou os danos que já tinha. Cheira bem, lava bem, mas fica por aqui.

Continuo sem compreender muito bem por que é que uma marca tão boa oferece champôs tão meh por vezes.

6. Condicionador Reparador – Cien

Foi uma boa surpresa. Comprei-o nas férias porque me esqueci do condicionador habitual em casa e este pareceu-me razoável.

Pelo preço, parece-me muito bem. Não é pesadão, também não é fluido como água, cumpre aquilo a que se propõe e é, a léguas, mais interessante que outras opções de marcas conhecidas nos supermercados. Compraria novamente.


O lamiré está dado por hoje, espero que estas breves linhas sirvam para ajudar alguém em dúvidas nas compras.

Já experimentaram algum destes produtos? Partilhem comigo as vossas opiniões!

Silicone sem Manchas – Dica Fácil

juntas silicone remover manchas pattex mofo bolor humidade

Hoje o post é sobre juntas de azulejos.

Pode parecer um assunto aborrecido para quem não tem de se preocupar com os assuntos da manutenção da casa, mas para as restantes pessoas posso estar aqui a falar de algo importante.

Juntas horrorosas, encardidas, com manchas de humidade que nem a lixívia removeu.

Quem nunca? Quando mudei de casa, apesar de não ser tudo novinho por estrear, posso dizer que a casa de banho até nem estava em más condições. Estava suja (tratava-se de uma casa desabitada), mas as loiças e azulejos até nem são dos piores comparando com outros que tenho visto.

Tivemos sorte, que com uma boa limpeza ficou tudo impecável e nem sequer havia silicone – nem em bom nem em mau estado – para remover das juntas. Foi só aplicar em tudo o que necessitava e o trabalho ficou feito.

Posso dizer que sou cuidadosa com a limpeza, mas passado um ano, mesmo com boa ventilação, lixívia e boas esfregas, o silicone da banheira ganhou algumas manchas. É o que vêem na foto do Antes e já era o suficiente para eu ponderar arrancar tudo e reaplicar.

remover manchas humidade pattex re-new silicone juntas

Num destes dias, tomei conhecimento da existência dumas bisnagas que prometiam milagres – o produto chama-se Re-New Special Silicone e é da Pattex.

Estava céptica, mas por que não? O pior que podia acontecer (e que já estava mentalizada para fazer) era ter de remover mesmo o silicone. Assim, resolvi dar o benefício da dúvida.

Fiz como diz na embalagem:

  • Limpei tudo bem limpinho e deixei secar.
  • Depois, é só aplicar o produto, sem necessidade de remover o silicone antigo.

É só isto.

É mesmo muito fácil, até porque a ponta da cânula tem um formato amigável que impossibilita que a coisa dê asneira.

E a verdade é esta: funciona mesmo e o resultado está à vista. Assim se poupa tempo e dinheiro a resolver uma chatice comum de todas as casas.

As melhores fraldas – PÁRA TUDO!

Não passou assim tanto tempo desde que partilhei convosco a minha experiência no que toca a escolher as melhores fraldas para os nossos bebés. O post que dá pelo título de Bebés 101: Escolher Fraldas condensou tudo o que tinha aferido em meio ano de maternidade.

Novas experiências merecem actualizações.

Não testei muito mais marcas, na verdade houve mais duas experiências:

  • Referi, nos comentários, que iria experimentar as Dodot Activity. Não são as piores, mas não diria que acrescentam algo às do Continente. São caras e não fazem nada a mais que as outras por estes lados.
  • Falaram-me das Nunex, falaram-me tanto das Nunex, eu andava tão curiosa com elas que foi ver para crer. Não há sequer concorrência à altura! Imaginem os piores dos xixis e dos cocós, nas piores noites, daquelas em que tudo transborda. Com as Nunex, simplesmente não acontece.

nunex

Ficam em conta, são portuguesas, são óptimas e é o que a Teresa passou a usar sempre. São fofas, não ficam demasiado húmidas junto à pele, têm pacotes mensais muito maiores que os que usávamos, incluem toalhitas e o melhor é que, por vezes, até estão em promoção (aí então não há mesmo como encontrar mais barato).

Os únicos contras…

Deveriam ser vendidas em todo o lado, mas de momento só estão disponíveis online ou no Jumbo, que para mim fica fora de mão.

Para além disso, (ainda) não disponibilizam fraldas-cueca, que seriam um espectáculo para bebés que já começam a utilizar o bacio/sanita – caso da princesa cá de casa, porque decidimos dar uma oportunidade à elimination communication (higiene natural) há coisa de 2 meses e, apesar de não termos esperado grandes resultados, temos sido bem sucedidos.

Está a escapar-nos alguma coisa importante no maravilhoso mundo das fraldas? Contem tudo!

Expocosmética 2017 – O Rescaldo

expocosmetica
Nós no stand da Blogazine. Desculpem a qualidade maravilhosa e contra a luz, foi a fotografia que se arranjou e está mui linda ♥

Se eu podia viver sem ir à maior feira de estética e beleza que acontece no nosso país?

Podia, mas não era a mesma coisa!

Cheguei à conclusão que já ando nestas aventuras de partir num autocarro para abastecer de tintas, cremes e betumes há quase 7 anos.

Quem corre por gosto não cansa e por muito desgastantes que estes eventos possam ser, em proveito da vaidade justifica-se a proeza. Foram raríssimas as ocasiões em que falhei a minha visita.

Manter um blog tem-me dado o privilégio de conseguir uma credencial especial nos últimos anos que me poupa as filas intermináveis para entrar e ainda dá direito a algumas novidades para experimentar, o que agradeço à organização do fundo do coração.

Tenho que dizer que acima do networking, o que continua a fazer com que abdique de folgas e descanso ao fim de tantos anos são as compras.

Não estarei a exagerar se vos disser que em cada uma destas visitas poupo centenas de Euros.

Com o PVP habitual? Não compraria 1/10 dos cosméticos e que, sim, utilizo e volto a comprar uma e outra vez. Não trago só as minhas compras: aproveito e levo a lista de compras das mulheres (e homens, vá) da família.

Trago o mínimo possível porque não há costas que aguentem nem tempo para bisbilhotar tudo. Pensem, por exemplo, em tintas para o cabelo e não me venham cá com tretas de que só pinta o cabelo quem quer.

Há quem goste do cabelo grisalho, mas não é o meu caso. Para mim, no que diz respeito à minha imagem, é só uma vulnerabilidade, é sinal de velhice e desleixo e não é algo que queira mostrar.

Adiante, blogs.

Adoro conhecer quem, como eu, mantém blogs. Adoro a humildade e o esforço da organização da Expocosmética para nos dar uma oportunidade digna e percebo que não consigam controlar tudo o que se passa tanto por parte dos autores convidados como pela que compete aos stands e marcas. Eu iria de qualquer forma, com ou sem convites.

expocosmetica
A Maria, eu e o Luís. Foto pela Ana Isabel.

Este ano, o Luís voltou a ir comigo. Porque quis! Que eu cá não obrigo ninguém a fazer nada, mas agradeço a companhia e a ajuda.

Durante a maior parte do tempo, a Maria esteve connosco e lá fizemos os três (os quatro!) o nosso percurso.

Adorei rever caras que já são constantes na Expo como a Embelleze, a Andreia e a Inoeh. Trouxe novidades de todas elas e estou mortinha por mostrar tudo.

Sucedeu o mesmo com a Flormar, marca que praticamente desconhecia (apesar de ter um batom deles há anos e uma loja muito perto de mim), com a By Simone G. e a Lupa/Bioseivas, que são novas para mim e deixaram-me em êxtase com os seus produtos capilares bastante promissores.

Passei noutros expositores para fazer compras e ainda dei um saltinho aos que estavam no roteiro enviado a todos os bloggers convidados, estando marcados como pontos de interesse com novidades para nós. Não vou dizer nomes.

Tenho de referir algumas situações que presenciei e que foram desagradáveis.

Cada acção gera uma reacção e não há cooperação possível quando as partes envolvidas não sabem o que estão a fazer. Passo a descrever:

  • No stand de uma das marcas mais importantes de estética do nosso país – à nossa frente, estava uma amálgama de miúdas com blogs.
    • Não consegui ouvir o que as representantes da marca estavam a dizer, mas ouvi as meninas a dizerem entre si que ainda faltava passarem nos sítios x, y e z para irem buscar as suas borlas.
    • Uma dizia “Ai, será que também me dão? Ao pé de vocês ainda sou um bebé!”. Tenho vergonha alheia.
  • No stand do ponto anterior – quando, finalmente, conseguimos alcançar as senhoras da marca, o que nos disseram foi…
    • Bom, não nos disseram nada a não ser que os brindes que tinham para bloggers tinham acabado. Assim, a seco.
    • Fiquei sem perceber o que se passava ali porque não se apresentaram, não apresentaram a marca, não apresentaram novidade alguma. Merecem abordagens como a que referi acima.
  • Num stand de protectores solares – A verdade é que fiquei sem conhecer a gama de produtos que disponibilizam, porque se focaram nuns bronzers das Kardashian.
    • Tenho ali um papel com uma breve descrição sobre alguns produtos que nada me dizem porque não mos mostraram.
    • Ah, e tenho uma bolsa com meia dúzia de amostras em sachet de bronzeadores e protectores solares que nunca conseguirei usar porque, obviamente, como é que é suposto testar protector solar só numa perna ou só num braço?
    • Queremos que falem bem de nós, disse a representante da marca. Okayyy!
  • Mais um stand, desta vez de produtos de spa – Última história, prometo!
    • Mostram-nos um hidratante muito bem cheiroso, facto.
    • Mostram-nos outro hidratante bastante engraçado, sobe o entusiasmo.
    • De seguida, dizem-nos que podemos tirar as fotos que quisermos ao espaço (a sério?) e dão-nos um sachet de anti-rugas, salientando que a amostra não é para a nossa idade.
    • Mais uma vez, queremos que falem bem de nós.

Fazemos assim: por cada motivo de queixa, têm de haver vários daqueles bonitos que gostamos de ver por aqui.

Garanto-vos que existem e que vão ver que, contrariamente ao que possam pensar se leram o post até aqui, há coisas boas a destacar desta edição da Expocosmética.

Durante este mês, pinky promise: vou deixar aqui tuuudo aquilo de que gostei com todos os detalhes. Porque o que é bom merece ser partilhado!

Gravidez 101 – A mala de maternidade

Não convém que falte nada quando o bebé nascer!

Considero, porém, que há muito stress desnecessariamente em torno da arrumação da mala de maternidade. Por isso, vamos por partes:

  • Não sejam como eu (que só deixei tudo pronto 1 ou 2 dias antes de a Teresa nascer), assegurem-se que está tudo pronto ali por volta das 30 semanas. Nunca se sabe o que pode acontecer a partir daí!
  • Não se esqueçam que está previsto passarem cerca de 48h no internamento após o parto. Não vão passar férias no hospital. Uma mochila para vocês e o saco do bebé está mais do que bem.

Cada hospital terá a sua a lista para nos ajudar a organizar tudo, mas há sempre adaptações e experiências de amigas e familiares que nos ajudam a decidir o que levar.

Não se incomodem com a possibilidade de esquecerem algo importante, que entre família/amigos e o próprio hospital, haverá alguma solução para remediar.

Se vos der conforto, eu e a Teresa só vimos as nossas coisas depois das 12h do dia seguinte ao seu nascimento. Por quê? Porque a miss nasceu fora de horas e o hospital (foi o Hospital Beatriz Ângelo, em Loures) só permitiu que o Luís nos levasse as malas durante o horário de visitas.

Não foi lá muito agradável, mas o hospital providenciou tudo aquilo de que poderíamos necessitar durante as primeiras horas.

E o que é que levámos, afinal?

Mala da mãe

O hospital fornece toalhas, pelo que não levei nenhuma comigo. Levei uma malinha de fim-de-semana (mas serve qualquer mochila ou saco de ginásio) apetrechada com:

  • 3 camisas de dormir – só usei 1, mas mais vale jogar pelo seguro.
    • Se soubesse o que sei hoje, teria dado preferência a pijamas (com calças, mesmo) folgados.
    • Façam como se sentirem mais confortáveis, mas levem 2 ou 3 mudas.
    • Ah, e esqueçam aquela treta que as lojas nos querem impingir de camisas brancas. Evitem o branco, a sério!
  • Roupão – fino, hoje em dia os serviços hospitalares têm quase todos ar condicionado. Não precisei do meu.
  • 3 sutiãs de dormir – ou tops, qualquer coisa que vos dê conforto nestes primeiros dias.
  • Muitas cuecas de algodão – devo ter levado umas 10, usei cerca de metade. Mas mais vale jogar pelo seguro.
  • Pensos higiénicos super absorventes, nocturnos, com alas, o mais seguro que encontrarem… Mas finos e com acabamento de algodãozinho.
    • Se servir de referência, aqui optei pelos Renova First Silk Sensation Noite.
    • Não pesco nada de pensos higiénicos, optei por estes um pouco às cegas (porque atendiam às características que procurava e eram os mais baratos na altura) e não me arrependi.
    • Combinados com as cuecas de algodão, são mesmo o mais confortável de se usar no pós-parto (na minha opinião).
  • Chinelos de banho e chinelos de quarto – sim, 2 pares diferentes, não vão querer passear pelo quarto/serviço de pés molhados depois do banho (não sejam idiotas como eu).
  • Bolsa de higiene – com escova e pasta de dentes, desodorizante, miniaturas dos vossos hidratantes habituais, gel de banho e champô (sim, vão querer lavar a cabeça).
    • Levem também uns artigos básicos de maquilhagem (bb cream, blush e máscara), juro que vão sentir-se mais compostas com uma tintinha na cara. Mesmo que permaneçam de pijama.
    • Levem também elásticos/ganchos para o cabelo.
    • Não levem secadores, é perda de tempo, não vão pegar neles.
  • Snacks – Eu não o fiz, mas a família tratou de me trazer um fornecimento de frutas, docinhos e petiscos.
    • Ninguém vos vai fazer passar fome no hospital, vocês é que vão ter a iniciativa de não tocar na comida quando olharem para o aspecto dela.
  • Entretenimento – Não vão ter grande tempo ou vontade de pegar neles, mas levem a máquina fotográfica, o MP3, o tablet, o telemóvel, um livro, um caderno, os carregadores…
    • Bom: eu dei muito uso à máquina fotográfica e escrevi qualquer coisa. Mas fui mais carregada do que devia!

Podem, também, levar uma muda de roupa para a alta, mas eu optei por pedir ao Luís que a trouxesse mais tarde, depois de perceber como tinha ficado o meu corpo no pós-parto.

Mala de bebé

Mais uma vez, não incluí toalhas (nem produtos de banho) porque o hospital disponibilizava e, na verdade, a Teresa só tomou uma banhoca lá antes de vir para casa. Eis o que é necessário:

  • 1ª muda de roupa – esta deve ir convosco para o bloco. Convém ser algo prático e sem grandes rococós, tal como as restantes mudas.
  • 5 mudas de roupa – compostas (à semelhança da primeira muda) por body, roupa exterior (blusa + calas/cueiro/babygrow), meias/collants e, dependendo da estação do ano, casaquinho/camisola e gorro. Na verdade, só usei duas. Mas mais vale jogar pelo seguro!
  • Estojo de higiene – Não é nada de mais, mas vale a pena levar um pente ou escova (escusado será dizer que a nossa carequinha não precisou), corta-unhas/tesoura (esqueçam a ideia da lima, não funciona com unhas fininhas e minúsculas) e creme para a muda da fralda.
  • Fraldas e toalhitas – não é grave se não levarem, mas levem. Sabe muito bem ter opção de escolha para os nossos bebés. Façam uma média de 8 fraldas por dia (podem precisar de menos, ou de mais, mas é uma boa média).
  • Chucha – Ah e tal que não se deve dar a chucha nas primeiras horas de vida porque compromete não sei o quê, então venham de lá os senhores enfermeiros tentar acalmar o bebé cada vez que ele chorar quando muitas das vezes seria algo muito simples de resolver com uma chucha. A sério, levem.

Creio que não me esqueci de nada, mas gostava que partilhassem também as vossas ideias! Já referi que a Teresa nasceu no Hospital Beatriz Ângelo mas vou deixar para outro post o relato da nossa experiência por lá.

Como sei que pode fazer a diferença para algumas leitoras, deixo já aqui o spoiler: não podíamos ter sido melhor tratadas, tudo decorreu impecavelmente e as instalações são luxuosas!

Amostras L’Oréal para vocemecês

Experimentar coisas novas é bom, se for grátis ainda é melhor.

A L’Oréal Paris lançou recentemente três máscaras de argila diferentes para dar resposta às necessidades de todos os tipos de pele.

No mínimo, a abordagem é interessante, já que as argilas são um ingrediente natural utilizado há séculos para este propósito e actualmente são cada vez mais as marcas a “simplificar” e ir buscar o bom que já existe ao invés de nos impingirem novidades que não são tão boas assim.

mascara argila

É claro que o mundo da cosmética está sempre a evoluir, há sempre novas descobertas a surgir e nós gostamos, mas em equipa que ganha não se mexe e por vezes isso acontece com o que já conhecemos há muito.

Mais simples que isto, embora possivelmente menos confortável (não sei, que também não experimentei), só se comprarem as argilas tal e qual como são numa ervanária.

Para quem quiser experimentar, se clicarem nas imagens abaixo podem pedir amostras deste produto gratuitamente. Depois digam o que acharam e se vale a pena!

10 do Momento

Comecei por ter um blog de beleza,

Embora considere que grande parte da essência do blog ainda passe por aí mesmo.

Só decidi que me daria à liberdade de escrever sobre o que quisesse e, às tantas, acabo por me esquecer que vocês gostam tanto quanto eu de saber das lides dos betumes e tintas. Verdade ou mentira?

Vai daí, desde Junho de 2015 que não faço um apanhado dos 10 cosméticos que mais tenho gostado ultimamente.

Está na hora de partilhar convosco os meus aliados e desenganem-se se pensam que, com os tempos, se mudam todas as vontades. Só mudam algumas!

favoritos beleza review swatch resenha opinião beauty blog
Os meus 10 favoritos actuais. Da esquerda para a direita, de cima para baixo.

Eis o meu top, sem ordem específica.

  • Bio Oil – Comecei a utilizar quando estava grávida e nunca mais o larguei. Até no rosto o utilizo, à laia de sérum.
    • Nunca fui muito rigorosa (sei que há grávidas que têm todo um ritual de aplicação de cremes e mistelas 2 ou 3 vezes por dia, mas eu que sou preguiçosa tinha dias em que nem sequer utilizava nada), mas o facto é que a pele se mantém elástica, hidratada e sem estrias.
  • Quenching Serum SOS, Caudalíe – Não me canso de falar dele, se não se lembram podem espreitar o que já disse aquiaqui, aqui e aqui. Preciso de dizer mais alguma coisa?
  • BB Cream Beyond the Solution, Lioele – Não é novo e já falei dele neste post. Agora, mais que nunca, dou-lhe o devido valor.
    • Muito boa cobertura, hidratante, não fica empoado tipo estuque mas também não me deixa com cara de fritadeira.
    • Agora tenho menos tempo que antes para me arranjar, pelo que gosto de atalhar caminho no que diz respeito à preparação da pele para a maquilhagem.
  • Protector Solar SPF 50 gel-creme para peles oleosas, Youth Lab – Foi a Ana que mo deu a conhecer e nunca mais o larguei. Todos, mas todos os dias, faça chuva ou faça sol, utilizo protector solar. Se já tinha todo um historial de alergias ao sol, a gravidez deu-me a conhecer a realidade das manchas e rugas.
    • Mais vale prevenir do que remediar, e este protector solar é o melhor do mundo para o rosto porque não pesa, não tem aquele cheiro a “sintético” a praia nem fica todo oleoso na cara.
    • Como bónus, tem uma ligeira corzinha. Há dias em que acabo por nem aplicar mais nada no rosto.
  • Poudre de Riz de Java, Bourjois – É uma reedição do famoso produto da Bourjois, em comemoração dos seus 150 anos.
    • É um pó solto translúcido com subtis cintilâncias que nos deixam o rosto com um ar polido e iluminado.
    • Não acumula nem tende a ficar oleoso.
    • A embalagem é prática, contendo uma patilha “doseadora” que não deixa que saia demasiado pó do compartimento.
    • Esta parte é completamente secundária mas também tem de ser referida: tem um cheirinho tão bom!
  • Batom Color Sensational Vivid Matte, Maybelline – Eu sei que não tem uma durabilidade imaculada, que nem sequer fica mate e que só chegaram 4 cores a Portugal.
    • Se procuram um daqueles batons líquidos mate à prova de tudo, esqueçam.
    • Ainda assim, são dos que mais tenho usado, especialmente a cor 50 (Nude Thrill).
    • A aplicação é super confortável, não resseca os lábios, efectivamente confere o conforto de um gloss sem ser pegajoso nem brilhante. E tem um sabor/aroma bastante agradável.
  • Blindagem Capilar, Novex – Já falei dela aqui e nem me vou alongar mais que isto: poupa-se muito tempo na secagem e preservação do penteado. Xô, humidade!
  • Emulsão de Banho, Anjinho – Só para contextualizar, a Anjinho/Angelito/Babyheart (há-de ter outros nomes noutros países) é a marca de produtos de higiene para bebé do Aldi e está muito subvalorizada. É mesmo muito boa e muito barata e volta e meia trago alguns produtos para a Teresa.
    • A emulsão de banho é um deles e também a utilizo. Adoro!
    • Não resseca a pele no banho, é um mimo.
    • Se tiverem um Aldi por perto, não olhem para este produto (nem para o resto da marca) de lado!
  • Gel de Limpeza 2 em 1 Pure Active, Garnier – É para peles oleosas e surpreendeu-me muito porque é delicado.
    • Não arde nem resseca a pele – palminhas por terem compreendido que as peles oleosas podem ser sensíveis e desidratadas e criarem um produto que respeita estas características!
    • É eficaz, é prático e é económico (a embalagem é gigantesca para o que é habitual num gel de limpeza de rosto – tem 200ml).
  • Purelan, Medela – Este é aquele produto do qual possivelmente nunca ouviriam falar se não estivessem grávidas/fossem mães.
    • O Purelan é um creme muito espesso e hidratante de lanolina pura. Tipicamente, utiliza-se nos mamilos quando estão gretados/sensibilizados pela amamentação.
    • Mas também serve para muitas outras coisas! Para peles muito secas e sensíveis (como os lábios), garanto-vos que não há melhor que isto.
    • Há quem gaste muito pouco, ao longo da amamentação. Eu já vou na segunda bisnaga à conta da função multi-usos.

E é o que tenho para dizer por agora. Pode parecer aborrecido, mas é mesmo o que mais tenho utilizado e que mais me tem surpreendido. E nem é necessário dizer que utilizo tudo exaustivamente, pois não?

Bebés 101: Escolher Fraldas

Escolher as melhores fraldas (e restantes produtos associados à muda) para os nossos bebés é um grande desafio.

Lembro-me que, quando estava grávida e pensava nas compras que tinha de fazer para a Teresa, as fraldas eram um dos produtos que maiores dúvidas levantava.

Queremos aproveitar as promoções, mas por outro lado nunca sabemos quais são as melhores, nem se os bebés farão alergia ou quais os tamanhos a trazer.

Se vão ser mães pela primeira vez ou acabaram de dar à luz e ainda andam aos apalpões, deixem-me ajudar-vos com este post. Começo por vos dar um conselho de amiga (a sério, podem dizer-vos o contrário, mas isto é o que tenho verificado):

Não façam stocks de fraldas antes de os bebés nascerem.

A sério. Em primeiro lugar, não se deixem iludir pelas histórias de promoções e feiras de bebés. Salvo raríssimas excepções, não compensam. Vão ter os mesmos ou melhores descontos ao longo do resto do ano.

Depois, já viram se investem tudo numa determinada marca e vai na volta o bebé é alérgico ou nem sequer gostam da marca? Não vale a pena fazer fretes.

O que sugiro é que tenham 1 ou 2 pacotes de tamanho 1 a jeito para quando a criança nascer.

Tenho quase a certeza que, numa aflição, o hospital (se for esta a vossa opção) onde nasce o bebé também vos fornece algumas fraldas. Referi o tamanho 1 porque é o que faz mais sentido na maior parte dos casos:

  • Abrange um leque de pesos que apanha a maior parte dos recém-nascidos;
  • Há marcas que já disponibilizam o tamanho 0 (para bebés abaixo dos 3kg), como as Dodot Sensitive – se necessitarem, dá perfeitamente para comprar já depois de o bebé nascer e assim não ficam com fraldas empatadas para os Nenucos;
  • Mesmo que tenham um bebé grande, acreditem que é provável darem conta de um pacote de fraldas T1 num instante. Os recém-nascidos tendem a ser muito cagõezinhos!

Stocks de fraldas só se fazem quando já conseguimos prever mais ou menos o crescimento dos nossos bebés. É o meu conselho de amiga!

Quanto a marcas, segue abaixo a minha crítica.

Comecemos por desmistificar o descartável vs pano.

Até podem ter óptimas intenções para com o ambiente, mas quando começarem a ver as fraldas de pano/reutilizáveis todas feias e a ter de as lavar à velocidade da luz, vão desistir dessa ideia.

Felizmente, hoje em dia o mercado oferece-nos opções de fraldas descartáveis para todos os gostos, ideologias e bolsos.

Há que salientar que só posso falar das que conheço, pelo que fico à espera de ouvir outras opiniões nos comentários. Felizmente, a Teresa nunca fez alergia a coisíssima nenhuma e espero que assim se mantenha.

  • Bambino – eram as do hospital. Já as conhecia de outras andanças. São razoáveis. Não transbordam mas são muito “plásticas”.
  • Chicco Dry Fit Advanced – Foram as que comprei em primeiro lugar e foram as melhores. Estão frequentemente com 50% de desconto.
    • São fofas, respiráveis, ajustam-se bem e não transbordam. Recomendo muito!
  • Continente – No que diz respeito às marcas brancas, são as que mais gostamos (e as que mais compramos).
    • Não devem muito às da Chicco. Só não me parecem tão fofas e, consequentemente, um pouco menos absorventes.
    • É frequente terem packs mensais a cerca de 11€. Querem melhor?
  • Lidl – Não são más, mas não se ajustam tão bem ao corpo do bebé. São muito “rígidas”.
    • Se os cocós forem muito líquidos, estas fraldas transbordam especialmente pelas costas, já que o rebordo não tem elasticidade.
  • Libero – Fujam! A sério. Ouvi dizer muito bem delas, nem sei bem como.
    • Transbordam, trespassam, são um horror.
    • E o pior é que a humidade também se mantém à superfície. Resultado: muitos rabinhos assados.
  • Dodot Sensitive – Não percebo, também, o alarido feito em torno desta linha. As fraldas são boas. Mas poderiam ser melhores!
    • Parecem-me muito “plastificadas” no interior. Têm uma espécie de rede.
      • E retêm muita humidade nessa camada, o que resulta numa espécie de caldinho a refogar e acaba por originar o mesmo que as Libero.

Aparte: gostava muito de experimentar as Nunex, mas nunca calhou. São portuguesas e ouvi falar muito bem delas. Confere?

Passando ao capítulo da limpeza, impera o seguinte conceito (especialmente nos primeiros tempos de vida do bebé): façam-na da forma mais simples possível.

O ideal é utilizar compressas com água, mas este formato nem sempre é o mais prático.

Por aqui, adoramos as Water Wipes (são toalhitas praticamente só com água).

Com o passar do tempo, após verificarmos que não havia reacções adversas, começámos a intercalar com as Huggies Pure e com a Johnson’s Baby Gentle Cleansing.

Já experimentámos todas as variedades da Dodot, marca branca Continente e Lidl, outras variedades de Huggies e todas elas tendem a deixar o rabinho da Teresa irritado.

Sei que há várias marcas no mercado que disponibilizam linimentos, mas eu diria que é um produto dispensável (de qualquer forma, gosto do da Uriage).

O que fica a faltar nesta conversa? Ah, os cremes da muda da fralda. Aqui tenho uma opinião muito vincada e uma experiência muito positiva com determinados produtos, pelo que me recuso a experimentar outros:

  • Quando a pele está íntegra, com bom aspecto, não aplico sempre creme.
  • Aplico a pasta d’água da Bioderma uma ou duas vezes por dia e chega. Quando vejo que o rabinho está a ficar vermelho, siga deste belo produto em todas as mudas!
  • Quando a coisa é mais séria (muito xixi, cocós mais ácidos), aí recorro à pomada Nutraisdin ZN40 da Isdin. É do melhor que há neste mundo.
  • Uma boa dica caso por cima disto necessitem de um produto tipo talco para ajudar a “secar”: utilizem farinha Maizena.
    • A sério, tal como se fosse pó de talco. Faz-se disto há séculos, está estudado e tem bom resultado.

Penso que não me esqueci de nada do que considero ser importante sobre a temática das fraldas, mas caso tenham dúvidas ou sugestões a fazer é só escrever. Espero ter ajudado alguém com a minha experiência!

A Teresa é uma Boti Baby

Eu sei, não me batam!

Ultimamente mal postei e, quando posto, é só Teresinha, só Teresinha…

Já pareço um baby blog e vocês já não aguentam tanto mel. Peço-vos alguma compreensão porque ela é, literalmente, a menina dos meus olhos e o motivo que me tem mantido afastada do resto do mundo.

Prometo que não vamos falar só da Teresa, mas também tenho de a incluir por estas bandas!

Tão pequenina e já tão vaidosa…

Mesmo antes de a Teresa nascer, eu já tinha tomado uma série de decisões no que toca aos seus cuidados de higiene e beleza. Sim, beleza, que é de pequenino que se torce o pepino e as verdadeiras princesas já nascem coquetes.

Eu já sabia que produtos escolheria, de que marcas e quando os utilizar, porque quero o melhor para a minha filha.

baby boti boticário bebé higiene cuidados review qualidade opinião colónia

Não sou maluquinha, calma!

Pensei nos básicos, que hei-de partilhar convosco. Há de tudo, para todos os gostos e carteiras (que nem sempre o produto melhor é o mais caro).

Até disse, cá para mim, que água de colónia não seria algo a entrar em circulação logo à nascença e, portanto, nem sequer coloquei nenhuma no toucador da miss.

Aliás, não poderia ser uma colónia qualquer: a primeira teria de ser Baby Boti, que vocês sabem que eu adoro (se não se lembram, dêem uma espreitadela aqui e aqui).

Para um recém-nascido, por muito tentador que possa ser enchê-lo de cheirinhos e perfuminhos bons, o melhor é mesmo evitar ao máximo as fragrâncias.

Assim sendo, quando aferisse que era relativamente seguro utilizar colónia na pele/roupa da pequenina, logo trataria de a trazer para casa. Tolice a minha, porque quando a Teresa nasceu, O Boticário tratou logo de a apadrinhar.

Quando é que os vossos bebés começaram a utilizar água de colónia?

Só com quatro meses é que a Teresa começou e decidi liberar a utilização de alguns produtos de higiene mais cheirosos (sempre com cautela).

Mas já que teve o privilégio de receber como primeiro presente de princesa bonita e vaidosa um conjunto Baby Boti, com colónia, gel de banho, hidratante e protector solar, e apesar de me conter, não resisti a utilizar o protector solar logo nos primeiros tempos de vida.

O cheirinho a bebé é o mesmo e devo dizer que foi de preciosa ajuda logo no primeiro mês da pequena – como os dias eram bons, fizemos questão de a levar a passear quase sempre, ao fim da tarde e com as devidas precauções.

Resumindo e concluindo: posso afirmar que a minha filha chegou a este mundo em beleza e não poderia andar mais bem cheirosa. Miminhos destes são mais um motivo para dizer que O Boticário é mesmo aquela marca do coração.

Muito obrigada, desta mamã que só quer dar ainda mais beijinhos à sua filhota bem cheirosa!

Produtos Botilicious

Isto de estar grávida e ter as hormonas todas aos pulinhos tem muito que se lhe diga.

Por norma, existem produtos cosméticos que de tão apetitosos para os restantes sentidos, dão vontade de comer. Agora, tem sido de mais.

E um dos grandes responsáveis por estas vontades surreais é O Boticário, quem mais faz produtos tão gostosos?

mel esfoliante

Se tiverem atenção às lojas por estes dias, verão que tenho razão: já viram o Mel Esfoliante da linha Nativa Spa Terapia dos Óleos Indianos?

Pois, é de coisas assim que falo.

Ainda não o vi ao vivo, ainda não o cheirei, mas só o nome dá vontade de lhe espetar a colher.

Gostava de vos deixar aqui o link, mas ainda nem está na loja online (que por sinal está com um desconto de 25% em tudo até dia 6 de Maio). Passem por uma loja física, que eu logo farei o mesmo.

Mas pensam que é coisa nova, esta de nos darem vontade de comer o que foi feito para alimentar a pele?

Então, eu avivo-vos a memória com alguns dos produtos que O Boticário já teve (ou tem) nas lojas e que são um autêntico atentado ao nosso juízo porque dão vontade de comer.

O Boticário

Na edição limitada Fun Tropical, havia o Hidratante Frescor de Coco.

Já vos tinha dito que tenho muitas saudades dele, e aposto que vocês também têm. Parecia uma espécie de sobremesa fresquinha e gelatinosa de Verão. Aliás, toda a colecção tinha um aspecto bastante comestível!

O Boticário

E da Calda Hidratante Exótica de Castanha de Kukui e Tâmaras, quem gosta?

Também já falei dela aqui e acho que não é preciso dizer mais nada, porque com um nome destes só poderia tratar-se de um produto docinho e guloso.

O Boticário

A linha Nativa Spa tem sido, definitivamente, aquela que mais texturas, cores e aromas traz que lembram comida. Isso e nomes! Por quê?

Porque… Pitaya: vejam bem isto, há Açúcar Esfoliante e Souflé Hidratante.

Caso não se lembrem, até mostrei fotos das texturas.

Devo dizer que nunca tinha comido uma pitaya antes desta linha existir, que fiquei muito curiosa e que quando finalmente experimentei fiquei mesmo muito desiludida porque não sabe a nada comparando com o cheiro docinho e bom destes produtos.

O Boticário

Mais recentemente, foi na linha de Flor de Ameixa que surgiu um Iogurte Esfoliante Exótico.

Iogurte. Iogurte, senhoras! Depois não querem que uma pessoa tenha apetites estranhos.

O Boticário

E deste, quem se lembra? Era um dos meus favoritos.

Embora não tivesse nome de comida, o Creme Hidratante Água de Coco + Baunilha tinha um aroma e consistência que lembravam pudim. Mas sem ser excessivamente doce!

Digam-me lá, não vos trouxe uma sobremesa boa?