Categoria: Faça Você Mesmo

No Seguimento das Arrumações…

coisas

… Cá vêm mais descobertas!

Desta vez foram, entre outras coisas, uma agenda telefónica linda e por estrear do Principezinho (eu tive mesmo que me abarbatar dela!), um colar simples da cor linda que podem ver, um G de prata (não se esqueçam que a minha mamã também se chama Margarida!) e uma série de botões antigos com formas lindas.

Alguém adivinha o que vou fazer aos botões?

Dicas de Beleza

Por preguiça ou por outro motivo qualquer, ainda não tinha adquirido o livro da Mónica do mini-saia. Eu bem que passava na Bertrand, volta e meia, e folheava o livro à hora de almoço. Mas nunca o trouxe. Só na semana passada é que me apercebi que dava para comprar o livro online, com 10% de desconto (e um gloss da Clinique! Assunto para depois), e que enviavam à cobrança. Juntando o útil ao agradável, lá encomendei o livro. O aviso de recepção chegou no dia a seguir à encomenda, mas só hoje é que o pude levantar.

Para quem não sabe, o mini-saia começou a ser escrito na Guiné, pois foi a forma que a Mónica Lice encontrou para se manter a par das novidades e ter a sua própria revista de moda num sítio onde não há lojas nem revistas femininas. Começou como uma brincadeira, mas não tardou até as leitoras começarem a enviar emails a pedir conselhos e dicas de moda e beleza, o que fez com que este blogue português seja um dos mais lidos.
Surgiu, então, o livro “Dicas de Beleza”, que não é mais do que uma compilação do que foi sendo sugerido desde 2006, ano de formação do mini-saia.

A meu ver, o livro é um bom guia de consulta. Não é complexo, tem tudo organizado por capítulos e até tem um índice remissivo. Está escrito numa linguagem acessível a toda a gente, sem grandes floreados e muitos pormenores importantes que fazem a diferença ao pôr em prática os conselhos sugeridos.

Há dicas caseiras e dicas mais velhas do que as avós, tal como a Guida gosta! Algumas eu já conhecia, outras nem tanto. Há dicas para quem tem o cabelo rebelde e para quem o tem quieto e morto de mais, para quem o tem pintado e até para quem anda a ficar careca! Há cortes, truques para fazer o cabelo crescer mais rápido, tutoriais, montes de receitas – que não são de comida! (Mónica, adorei a máscara para os poros dilatados), conselhos adequados a todas as idades, cores e pesos, soluções para peles do contra e ajudas para quem quer manter a pele linda.

Há maquilhagem, dicas para ter o corpo em forma e até um capítulo dedicado à beleza durante a quimioterapia!

Fiquem, pois, sabendo que há dicas que algumas pessoas famosas, como a Marilyn Monroe ou a Cleópatra, praticavam assumidamente!

Há, também, espaço para alertas preciosos quanto a alguns hábitos e tipos de produto – e eu juro que nunca tinha olhado para os rótulos das embalagens de algodão nem me passava pela cabeça que podessem ter tanta porcaria quando vêm de culturas manhosas que são tratadas com produtos químicos.

É por estas e por outras que fico contente quando vejo blogues ou programas que vejo dão livros. A Guida ficou bastante surpreendida com tanta coisa gira no livro e aconselha-vos a darem uma olhada!
Repito, há coisas que já conhecia e praticava (e até já sugeri algumas coisas cá no blogue), mas também encontrei muuuitas coisas novas. Estou mortinha por ir experimentar uma série de dicas da Mónica.

Ah, se encomendarem o livro aqui, têm 10% de desconto e parece que ainda há alguns glosses da Clinique – são atribuídos às 100 primeiras pessoas a encomendar o livro e, como vêem, eu encomendei-o na quarta-feira passada e ainda recebi.

Reutilizar Acessórios de Bonecas

Anel Cup of Joe da The Lovely Teaspoon

Estava a Guida a navegar pelos blogues do costume quando, no WishWishWish, encontra este artigo mega fofo! É algo que já devia ter sido falado por cá, mas nunca me ocorreu e só há pouco tempo é que descobri onde se encontram acessórios de casas de bonecas.

Como eu sei que há aqui gente que não tem paciência para ler aquilo tudo e muito menos entende de inglês, vou aqui dar umas luzes do que se trata.

Não é a primeira vez que vejo anéis com miniaturas de pires e chávenas, e outras bugigangas com acessórios das bonecas, mas tenho sempre a mesma reacção e pareço uma miúda de cinco anos aos pulos e a balbuciar coisas que ninguém percebe tal é o meu encanto com estes achados! Para quem costuma passear no Etsy, nem sequer deve ser novidade. Dá para fazer fios, pulseiras, anéis, ganchos e o que mais imaginarmos.

Do que é que precisamos?

– Acessórios de casas de bonecas: os vossos, das vossas filhas, sobrinhas ou irmãs ou, se preferirem, comprem. O Hospital das Bonecas na Praça da Figueira, em Lisboa, tem coisas lindas e preciosas a preços bastante acessíveis!
– Cola que sirva para os materiais com que estão a trabalhar. Nos rótulos costuma dizer.
– Correntes, anéis e esse tipo de metais com que pretendem trabalhar. Ah, não convém esquecer pinças e alicates!

Como Fazemos?

Imaginamos a peça que queremos e escolhemos os materiais de que vamos precisar. Temos que imaginar e examinar tudo, pois há peças que servem para anéis e não servem para brincos, por exemplo, e vice-versa.
Depois, é dar asas à imaginação e ligar peças e bases, fazer colagens, inventar.
No caso do anel, fez-se algo bastante simples: usou-se uma chávena e pires dum conjunto de chá das bonecas que foram colados a uma base de anel.

Simples e interessante, não?

Vamos Fazer as Malas!

É provável que haja por aí malta que já gozou as férias a que tinha direito, mas a maior parte das pessoas vai ao merecido descanso a partir da segunda quinzena de Julho. Assim, e porque não queremos confusões com bagagens e afins, hoje vamos assentar ideias sobre como fazer a mala.

– Antes de mais, é preciso escolher a mala em si. Nunca devem ser muito grandes! Se for acampar ou tiver que andar com a mala, dê preferência às mochilas. Em caso de dúvida, nunca falham. Para viagens em que descarregamos e arrumamos logo as coisas, podemos escolher as típicas malas. No caso das viagens de avião, onde as malas andam à balda pelos tapetes fora e sujeitas a perdas, extravios e roubos, deve ser dada preferência a malas resistentes e devidamente identificadas. As malas bonitas e de marca devem ser evitadas, pois em caso de roubo são estas as afectadas;

– Escolhida a mala, convém saber como arrumar as coisas. Os objectos rígidos devem ficar no centro da mala, pois desta forma são amortecidos pelas roupas. Se tratamos de uma viagem em família, as roupas dos vários elementos devem estar repartidas nas várias malas, não vá haver algum incidente e uma das malas ficar pelo caminho. Assim, ninguém fica sem roupa. As calças e camisas ficam no fundo, sem dobrar, estendendo-se para os lados, para evitar vincos. Os acessórios podem ser guardados dentro do calçado, poupando espaço;

– Os cosméticos e maquilhagens não devem ocupar muito espaço, pelo que é uma boa opção usar as amostras todas que pedimos ou que nos dão nas perfumarias. No caso de se levarem bisnagas ou frascos, convém conferir se está tudo bem fechado e não fazer muita pressão nos recipientes, sob o risco de estes rebentarem e sujarem tudo;

– As roupas a levar devem combinar entre si. Umas calças de ganga, uns calções, um ou dois vestidos, uns tops, um ou dois agasalhos e um conjunto mais “compostinho” (nunca sabemos quando há um jantar especial!) devem ser suficientes. O truque para não parecer que temos sempre a mesma roupa vestida é apostar nos acessórios! Convém não esquecer a roupa interior e o vestuário de banho. Com esta restrição a poucas peças, ainda sobra espaço no caso de querermos trazer comprinhas do sítio para onde vamos;

– Quanto ao calçado, uns chinelos/sandálias chupa-cocó, uns ténis confortáveis (para as caminhadas e essas coisas), umas sandálias jeitosas, uns sapatos e algo que condiga com a roupa formal são suficientes. Em certos casos, pode ser necessário levar botas de montanha;

– Convém não esquecer o estojo de primeiros socorros com as coisas do costume, os medicamentos que é preciso tomar e outros (para dores de cabeça, dores de estômago, etc), preservativos, creme para as queimaduras, repelente e o mais que entenderem. Se forem passar muito tempo fora, não se esqueçam de ir abastecid@s dos medicamentos que têm que tomar ou de levar a receita e o nome do medicamento no país para onde vão, se for caso disso;

– Por fim, levem os documentos todos (confirmem antes de partir!), os contactos que possam precisar num papel, um dicionário no caso de irem para um país estrangeiro, e dinheiro suficiente para a estadia. Nunca é de mais relembrar que onde não há Euro, convém o dinheiro ir trocado de cá, pois os câmbios saem sempre mais caros.

Tenham umas boas férias!

Batons Caseiros

Batons feitos em casa a partir de lápis de cera. Ficaram tão pasmad@s quanto eu, não foi? Pois é, foi o que apanhei algures na Internet e realmente funciona. Aliás, se forem ver a lista de ingredientes dos vossos batons, de certeza que vão encontrar cera e pigmentos de cor. Quem tiver por aí dos mais antigos (e quando falo em antigo é material com mais de 20 ou 30 anos), até pode conferir que o cheiro é quase o mesmo que o dos lápis de cera!

Ficaram tentad@s a experimentar? Ora, vamos precisar de:

– 2 ou 3 lápis de cera não-tóxicos, tipo Crayola, das cores que quiserem (esta é uma boa maneira de obter batons daquelas cores estranhas que nunca encontramos!)
– 1 vela de cera de abelha a 100%, sem cor nem cheiro
– Cerca de 3 colheres de sopa de óleo de bebé ou óleo de coco (ou outro da mesma família que prefiram)
– 1 embalagem de plástico daquelas herméticas
– 1 martelo
– 1 copo de vidro resistente ao calor
– 1 panela
– 1 vareta de vidro
– Essência de baunilha, ou outra da vossa preferência, das que se usam na cozinha (é opcional e, se usarem, é uma pinguinha de nada!)
– 1 frasquinho pequenino ou uma embalagem de batom vazia (podem aproveitar as embalagens dos batons que já gastaram, devidamente limpas!)

E vamos fazer assim:

1. Retirem o papelinho dos lápis de cera. Partam-nos em bocados pequenos e coloquem-nos na embalagem de plástico. Fechem-na e partam os lápis em pedaços ainda mais pequenos com o martelo.
2. Misturem os bocados de lápis de cera com o óleo e com um bocado de cerca de 2cm de vela e metam tudo no copo de vidro. Levem ao lume em banho-maria, no mínimo do fogão. De vez em quando, vão mexendo com a vareta de vidro para ficar tudo uniforme.
3. Quanto a mistura estiver derretida (atenção para não deixar ferver), tira-se do lume e deixa-se arrefecer por um ou dois minutos.
4. Depois, vão verter para o vosso frasquinho ou embalagem de batom, cuidadosamente, e vão esperar pelo menos quinze minutos para que o vosso novo batom arrefeça como deve ser, destapado! Passado esse tempo, até podem pôr no frigorífico para ajudar. Depois, tapem o frasco ou a embalagem, e aí têm o vosso batom único e personalizado!

Dito isto, ficam a saber que a Guida vai ter batons de todas as cores estranhas que possam imaginar. Quero desesperadamente um batom laranja, um roxo e um menta!

FIA 2009 e Sandálias Malditas

Tal como em anos anteriores, hoje a Guida foi à Feira Internacional do Artesanato, que está na FIL até dia 5 de Julho.
Este ano foi um bocado feio para a FIA, que já foi fantástica em anos anteriores. No ano passado já se notou um decréscimo na quantidade de stands e na presença dos verdadeiros artesãos, mas este ano foi drástico. Fiquei triste, não vi alguns dos artesãos do costume nem a banca enorme da Acrilex. Pareceu-me que não há tantos workshops este ano e, surpresa!, este ano a banca gigante das missangas brasileira desapareceu.
Por outro lado, apostou-se numa coisa gira, quiosques maiores que representavam uma série de países diferentes. Só foi uma pena que não tivessem muita coisa. Ainda poisei no quiosque do Japão a perguntar se tinham papel de origami e acabei por lá ficar a conversar e a aprender a fazer coelhinhos! Agora sou assessora da Oriflame (mesmo que seja para consumo próprio, compensa!).
Quanto a tasquinhas, não tivemos tempo de as apreciar *pena três mil vezes seguidas*.

No final da brincadeira vim de lá com dois pares de brincos novos e pouco mais do que isso, mas amanhã a gente conversa melhor, até porque tenho montes de coisas para vos mostrar, e agora tenho que ir tratar dos meus pezinhos amassados.

No melhor pano cai a nódoa, e eu que vos digo mil e uma coisas sobre sapatos e caminhadas e essas coisas, decidi ir para a FIL de sandálias novas, com quase 10cm de tacão. Right, é tacão, mas são novas! Não tenho bolhas nem feridas, mas tenho os pés tão cansaditos… Repitam comigo, muito alto: não se levam sapatos novos calçados quando temos que andar muito.

O que é que posso fazer agora? Meter os pés de molho em muita água, massajar muito, secar sem grande violência e aplicar um creme qualquer de alfazema ou mentol. Ah, e nada de grandes aventuras com sapatos amanhã: é o mais aberto e confortável possível (vai ser mesmo havaianas porque não vou a lado nenhum importante nem preciso de formalidades).

Não se esqueçam que faltam menos de duas horas para terminar o sorteio!

Fazer Roupa Interior Bonita

Cuequinhas bonitas da Belle and Burger

Encontrar roupa interior bonita, única e de qualidade pode ser uma tarefa difícil nos dias de hoje. Apesar de haver ao nosso dispor montes de lojas dedicadas ao ramo, a verdade é que por vezes a roupa não nos assenta bem, não nos sentimos bem com ela (acontece imenso por ser alérgica a alguns tecidos sintéticos) ou sentimos que andamos todas de igual. Meninas que frequentam ginásios, contem-me, quem é que nunca esbarrou com uma colega de cuequinhas iguais? Não é o fim do mundo, mas gostamos sempre de ter coisas exclusivas.

Já vi montes de tutoriais na Internet que ensinam a fazer roupa interior, e até tenho alguns favoritos, mas há uma lojinha que tem coisas fofas (não tem muitas coisas, é pena), incluindo cuequinhas, que parecem ser as roupas mais confortáveis do mundo. Penso que os preços são um bocadinho feios, mas já se viu bem pior nas lojas. Ora, há bocado descobri que a senhora da Belle and Burger fez um artigo no blogue dela que ensina a fazer cuecas. Fiquei contente! Espreitem, a sério, não é difícil fazê-las. O artigo está em inglês, mas para quem não percebe, é bastante fácil entender as instruções pelas fotos.

Para quem não gostou do modelo, deixo aqui outros links que imprimi, até, que têm muito boas instruções e moldes e tudo:

Cuecas giras e originais, de diferentes feitios e feitas de várias maneiras (que tal as do Deppzinho à Sweeney Todd, hã?)
Montes de modelos de roupa interior, incluindo masculina (ok, há aqui muita coisa manhosa), com alguns moldes
Roupa interior, incluindo soutiens, com moldes
– Cuequinhas feitas a partir de t-shirts

Estão todos em inglês, mas têm fotos e bonecos. Os que não têm, podem experimentar usar o tradutor do Google. Em último caso, mandem-me um email que eu ajudo!

Obras no Quarto

Imagem encontrada num blogue interessante cujo link eu perdi.

Há uns dias, recebi um comentário de uma leitora a pedir sugestões de decoração para o quarto da sua filha mais velha, de 11 anos. Apesar de ter algumas coisas em mente, resolvi pensar melhor no assunto para organizar tudo e ter um leque mais vasto de ideias.

Já tinha falado do assunto aqui, e reforço a ideia de que nem sempre é preciso trocar a mobília toda para que a nossa divisão pareça nova em folha.
Não conheço o espaço nem sei que recursos estão disponíveis, nem conheço os gostos da menina. Mas vou tentar dar uma ajuda!

Não sei se ela gosta de cores fortes ou não, pelo que apostaria em tons pastel. Ficam bem as combinações rosa-branco, rosa-verde, rosa-lilás, verde-azul, azul-branco, verde-lilás, por exemplo. No caso de se optar por uma cor (rosa, por exemplo) e branco, dá para trabalhar as paredes, mobília e roupas dentro da mesma cor, mas noutras tonalidades. Para isso, podem ser usados stencils ou mesmo desenhando ou colando motivos nas paredes. Convém ter o cuidado de não “complicar” as paredes todas, ou o quarto ficará com um ar bastante pesado e talvez desarrumado.
A leitora disse que a nossa menina de 11 anos gosta dos actores Disney do momento, como o Zac Efron, e que “se for pela dela basta forrar o quarto com posteres”. Não vamos cair em exageros, mas por que não criar um painel? Não gosto de paredes com posteres colados por todo o lado, mas neste caso não era mal pensado numa das paredes, a uma certa distância lateral de uma estante ou secretária, pintar uma faixa vertical com largura suficiente para colocar os posteres (ou postais, bilhetes, fotos) colados com bostik, como sugere a imagem. Desta forma, a pequena poderá mudar os conteúdos da faixa sempre que lhe apetecer sem grandes complicações.

Como a faixa não ficará preenchida até ao chão, sugiro que se ocupe o espaço restante com uma pequena mesinha de gavetas (a da imagem é da IKEA), útil para guardar papelada, canetas, acessórios ou quaisquer outras coisas pequenas que não devam andar à solta.
Não deverá faltar um espaço de estudo, pelo que a secretária é uma peça essencial. É preferível optar por uma que tenha espaço suficiente para o computador e seus periféricos e para os livros e cadernos. Novamente, a IKEA apresenta uma boa opção que não ocupa muito espaço: esta secretária tanto pode ser facilmente arrumada como ficar a tempo inteiro montada. Para além disso, oferece prateleiras óptimas para a arrumação de livros e outros materiais de estudo.

Não sei como é o roupeiro. Se for dos embutidos na parede, dá para fazer muita coisa: no caso de as portas serem de espelhos, podem ser feitos stencils ou colados autocolantes. Sugiro ainda que se faça outra coisa: os espelhos são óptimos para escrever apontamentos ou lembretes, ou para fazer desenhos, com marcadores daqueles que se usam nos quadros brancos.
Se as portas forem tipo portada, não se faz grande coisa, acho que já são bonitos assim. Se forem portas de correr de madeira lisas, dá para fazer decoupage ou pintar de cores a condizer com o resto do quarto.
Se o roupeiro for dos normais, armário, pode ser pintado e pode ser feita decoupage.

Passemos à parte mais importante, a cama. Esta é uma peça que, para mim, deve ser bem escolhida porque pode trazer bastante arrumação. Gosto das que têm espaço por baixo, para arrumar caixas. Ou então das que têm gavetas! Novamente, como se vê na imagem, a IKEA oferece uma super opção. Escolhi toda a mobília em branco porque dá com qualquer cor que se escolha para a parede e com qualquer roupa de quarto. E porquê a IKEA? Porque é barata e porque com os devidos cuidados a mobília pode durar imenso. Esta cama tem ainda a particularidade de dar para fazer algo da espécie da faixa dos posters na madeira em volta. Por baixo, sobra espaço colocar caixas que servem para arrumar sapatos, malas e outras coisas.

E, assim, estão tratadas as coisas básicas. Se sobrar espaço, sugeria a ocupação com uma ou outra estante ou puffs. Podem, também, ser feitas cortinas, tapete e colcha (e se der, forrar os candeeiros), com o mesmo tecido (os da foto são todos da retrosaria online Rosa Pomar).

Não sei se a menina gosta destas coisas, mas no futuro pode ser útil montar um espacinho para os cosméticos e maquilhagens dela. Não são difíceis de montar, e um exemplo de espaço bem conseguido é o da Rita. O que se pretende é um espaço não muito grande, que dê apenas para a pessoa se mexer sem dificuldades, com boa iluminação (o espelho é essencial) e com tudo à mão. Dá até para montar a partir de uma tábua e de um suporte de mesas, gavetas pequenas mas em grande número, um espelho simples e um sistema de lâmpadas.

Espero ter conseguido ajudar, se for preciso mais qualquer coisinha é pedir e dar pormenores!

Imagem “roubada” à Camila

Já tinha falado de unhas por aqui e referido a existência de um tal verniz mate, feito a pensar em homens (mas que também pode ser usado pelas meninas e até fica muito bem), mas que não encontro em lado nenhum. Parece que não fui a única a gostar da ideia e a Camila, que tem boas ideias e de quem eu já tinha falado, decidiu engenhocar e inventar um verniz mate caseiro. Ora então, o que é que é preciso?

1. Peguem num verniz qualquer que queiram que tenha acabamento fosco. Eu aconselho-vos a usarem vernizes velhos, meios gastos e pegajosos, porque se der para o torto pelo menos não deitaram dinheiro para o lixo e assim têm espaço para deitar o resto das coisas lá para dentro.
2. A Camila usou três partes de pó de talco para uma de farinha Maizena, mas disse que se calhar ficava melhor com menos talco e mais Maizena. Foi o que fiz, pus quantidades sensivelmente iguais. Para meterem os vossos pózinhos mágicos no frasco de verniz, façam um canudo com uma folha de papel, tipo funil, aberto na ponta. É fácil!
3. Rolem, agitem, mexam. O vosso verniz está pronto! Confiram os resultados da Camila:

Imagem “roubada” à Camila
Ok, agora vem a parte gira da coisa. Não fazia grande questão de encontrar vernizes mate, até porque gosto muito deles a brilhar e sei que ia dar pouco uso ao fosco. No entanto, e como já tinha dito, os homens também têm que andar com as unhas bonitas e isso pode incluir o uso de verniz, apesar de achar que o brilho é meio “amaricado”.
O meu homem roía as unhas e eu proibi-o de o fazer (e ele obedeceu sem refilar!), até o obriguei a deixar crescer minimamente as unhas para as limar e poder começar a tratar delas como deve ser (vá, já estão propícias ao cultivo de rabanetes, mas a culpa não é minha! Ele não tem corta-unhas e eu não me lembro). Roedor que é roedor, começa a ter unhas lascadas e marcadas e, por isso (válido para o resto da ala masculina), não faz mal nenhum usar verniz para reverter essas maldades todas. Peguei num frasco de verniz base que estava quase a ir para o lixo, velho, gasto e peganhento e decidi fazer a experiência. E funciona! Faz o efeito pretendido, ficou mais soft do que na foto, pelo que é mais discreto e o único senão é o facto de alterar a cor (experimentei por cima do meu verniz vermelho), apesar de pensar que isso se deve ao facto de a própria base não ser transparente, visto que nem o verniz da Camila mudou de cor.
Isto não invalida umas bela pinceladas nas unhas do rapaz e para além de ser uma alternativa ao verniz Homem, que não há por aqui à venda, também é mais barato, sem dúvida.

Aventurem-se e mostrem-me os resultados!