Categoria: Cultura

Less by Miguel Castro e Silva

less-restaurante

Tenho de vos falar do primeiro Zomato Gold meetup em Lisboa.

Se houve surpresas boas ultimamente, esta foi uma delas. Enquanto a bebé era muito pequenina e os tempos eram de grande contenção, praticamente deixámos de fazer algo que adoramos: jantar fora.

Ainda não estamos à vontadinha, mas estamos a retomar a normalidade e já nos podemos dar ao luxo de comer fora de vez em quando. Assim que ouvi falar do Zomato Gold, subscrevi logo – assim, sempre poupamos nas nossas saídas. Esta parte vocês já sabiam.

restaurante lisboa

Relembro, se colocarem o código “AGUIDA” no checkout, têm 25% de desconto na subscrição.

O plano de 3 meses está a 10€, menos de metade do que quando subscrevi!

Não esperava receber nada em troca, pelo que fiquei feliz por ser convidada para o primeiro jantar entre subscritores Gold. Infelizmente, coincidiu com um turno do maridão. Foi da maneira que aproveitei para pôr a conversa em dia com o meu primo preferido, que não via há séculos.

less restaurante
A minha companhia: o meu primo Diogo, que vale por irmão!

O jantar decorreu no restaurante Less by Miguel Castro e Silva (Príncipe Real), um espaço lindo dentro do edifício da Embaixada. Apesar de a sala ser aberta, o espaço onde decorrem as refeições está bem delimitado e o ambiente é muito acolhedor e romântico – fica a dica para os casalinhos!

Habitualmente, há uma carta. Nesta noite, fomos presenteados com um menu especial, onde constavam alguns pratos que nunca haviam sido servidos ao público. O grupo escolhido para esta aventura não poderia ser melhor!

restaurante lisboa
Começámos por descontrair com um gin lover sour e uma couvert de pão, tostas e manteiguinhas especiais.

zomato meetup

Fiquei agradavelmente impressionada quando vi o que nos seria servido. Hoje em dia, é muito habitual encontrarmos menus impossíveis de decifrar, tanto na carta como no prato. Aqui, e de acordo com o lema less is more, apesar de haver um certo factor surpresa, dava para ter uma boa ideia do que se avizinhava. Gosto muito pouco de surpresas com a comida, pelo que gostei muito do conceito. O que nos foi servido:

 atum

  • Tártaro de atum com cebolete – Não sou a maior fã de peixe, nem de tártaros, nem sequer de cebolete! Ainda assim, consegui comer este prato e… Gostei! É incrível a capacidade que o atum tem de absorver bons molhos e ficar delicioso.

zomato gold

  • Brandade de bacalhau com compota de tomate seco – Estava muito bom! Mais uma vez, não sou fã de peixe e ainda menos de comida tipo empadão, mas este prato estava delicioso. Crosta crocante, contraste de sabor, humidade certa… Gostei. Gostei muito!

zomato gold

  • Ravioli de abóbora assada com amêndoa – A foto não faz, de todo, justiça ao prato. Consta da carta habitual e percebe-se porquê. Porque é o quê, é o quê? Delicioso. Por mim, funcionaria muito bem como sobremesa tal é o doce da abóbora. Adorei o contraste entre doce e salgado e os mooontes de parmesão às lascas por cima.

foodie

  •  Risotto de trompetas com vitela crocante – Este foi o meu prato favorito do jantar. Este risotto foi dos melhores que já comi, estava divino! A carne, por outro lado, estava um pouco seca, cozinhada de mais. O risotto compensa e creio que futuramente a carne será apresentada de outra forma, já que este prato foi uma nova experiência do chef Miguel.

zomato

  • Crumble de pêra com zabaglione de Disaronno – Houve uma pequena alteração ao que constava da nossa ementa e parece-me que saímos beneficiados. Também estava delicioso e foi o remate perfeito para este jantar.

Todos os pratos foram acompanhados por vinhos de produção do chef Miguel, que esteve presente e comunicou com o grupo. O atendimento é rápido e muito simpático, no geral. Há uma grande atenção aos detalhes.

Este é um espaço onde quero regressar e que recomendo muito. Só há que ter atenção a um pormenor: convém fazer reserva previamente, já que o restaurante costuma estar cheio.

Less by Miguel Castro e Silva Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Francesinhas no Dote

Era o aniversário do Luís e decidimos que iríamos almoçar fora.

Tinha de ser algo especial, algo de que gostasse mesmo muito, mas não nos apetecia ir muito longe. Não é só no meio de Lisboa que existem bons restaurantes e mesmo dentro do leque dos que detêm várias casas com o mesmo nome, a expansão para as nossas bandas tem acontecido e sempre dá para visitar os sítios badalados de que falam todos os nossos amigos sem nos metermos no meio do trânsito.

francesinha
Claro que a minha é sem ovo!

Ficou decidido, após pesquisa no Zomato, que o almoço seria no Dote (Colinas do Cruzeiro, Odivelas). Inicialmente, não tínhamos a certeza se iríamos ao Dote ou ao Marco, mas optámos pelo primeiro tendo em conta a opinião da Telma e do Pedro. Uma das primeiras coisas que descobrimos assim que chegámos foi que a nossa indecisão era desnecessária, já que ambas as casas pertencem à mesma entidade e servem os mesmíssimos pratos. Assim, faz sentido que se situem frente a frente!

Devo dizer que, apesar de não ser perita em francesinhas, tenho um paladar exigente e sei analisar quando o prato é bom ou não. Parti para esta experiência com outras duas ou três para servir de comparação. Bom, não é o mesmo que a francesinha em forno de lenha, tradicional, mesmo no Porto. Mas olhem que não é nada, nada má!

Pedimos ambos a opção mais simples, tradicional, sem inovações, que dá pelo nome de Top. A minha tem a particularidade da ausência de ovo estrelado, já que é algo de que não gosto. Estava deliciosa, com boa batatinha frita caseira e temi não conseguir comer tudo, mas lá fiz o enorme sacrifício de não deixar restos no prato (há sempre espaço para boa comida!). O molho estava presente em abundância e deixaram-nos à vontade para pedir mais, caso desejássemos. E a comilança ficou por aqui? Não!

cheesecake

Quando ouvimos falar em sobremesa, o empregado que nos atendeu teve o desplante de mencionar um cheesecake de frutos vermelhos. Que golpe baixo! Escusado será dizer que eu, que dizia estar para lá de cheia e que não iria conseguir comer mais nada, pedi uma fatia para mim. Já ouviram falar naquele estômago extra para guloseimas? Pois.

Claro que nem só de comida se faz um restaurante, pelo que tenho de destacar também a simpatia extrema e a amabilidade dos funcionários. Deixaram-nos à vontade e foram muito queridos com a Teresa – aliás, nada temam se quiserem levar as vossas crianças, porque as instalações estão preparadas para elas. Os preços são acessíveis e o melhor é que este é um dos parceiros do Zomato Gold (é um serviço que podemos subscrever e que nos concede 2 por 1 em 300 restaurantes de Lisboa).

Só falta dizer que talvez seja aconselhável fazerem reserva, porque consta que o espaço enche muito rapidamente. No nosso caso, apanhámos um momento de calmaria, já que fomos quase fora de horas num dia de semana.

Se gostam de francesinhas, recomendo muito o Dote!

Dote Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

A ver agora: Black Sails

Houve uma fase da minha vida em que acompanhava muitas séries. Mudam-se os tempos e a disponibilidade, mudam as vontades e a responsabilidade, e a dada altura desliguei-me da televisão e das manhas da Internet. Durante dois ou três anos, passou a ser raro acompanhar o que quer que fosse.

black sails velas negras

Com a chegada do Netflix a Portugal, durante a gravidez, voltei a ganhar apetite por séries e agora é raro o dia em que não vejo nem que seja 20 minutos de uma série. É terapêutico e por vezes é este o tempo de repouso que sobra antes de dormir. A vantagem aqui é que, como as temporadas estão disponíveis na totalidade a qualquer hora, vou vendo conforme posso e me apetece, quando já não quero faço pausa e dá para ver tudo o que há da mesma série de seguida, sem perder o fio à meada. Misturar histórias de várias séries quando as vemos em simultâneo, quem nunca?

De momento, estou a ver Black Sails.

O Luís gosta muito e está quase a chegar a 4ª temporada. Como gostamos de ver séries juntos, estou a ver o que já está feito e ele sempre aproveita para avivar a memória. Passámos agora para a 3ª temporada e eu adorei as outras duas.

Gosto de dramas de época, no geral. Se contarem com factos verídicos, um tanto melhor. Neste caso, a história é uma prequela d’A Ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson e a acção decorre essencialmente na ilha de New Providence, durante o apogeu da pirataria. Há uma luta pela independência desta colónia de Inglaterra, sendo que todas as nações civilizadas a declaram inimiga de todo o mundo. Como resposta, a solução encontrada pelos seus habitantes (muitos deles piratas) é declarar guerra ao mundo. Pelo meio, há muitas histórias e tricas que tornam o enredo muito mais interessante. Um dos pontos positivos para mim é a imprevisibilidade que tantas vezes surge no desenrolar dos episódios. A título de curiosidade, os piratas Charles Vane, Jack Rackham, Anne Bonny, Ned Low, Hornigold e Blackbeard existiram mesmo, embora as suas vidas sejam (parcialmente) ficcionadas na série.

Posto isto, se não conhecem a série mas gostam do género, recomendo muito que a vejam!

Feliz 2017!

mafalda português
Mafalda, Quino

Que este ano que começa agora nos/vos encha as medidas!

São estes os meus votos. Que, em jeito de retrospectiva e assim muito rápido, 2016 foi um ano do caneco. Para o bem e para o mal. Conheci o melhor e o pior deste mundo e gostava que 2017 me trouxesse só do melhor.

Para não me ir embora deste post assim, sem mais dizer, aqui fica uma lista de coisas nas quais vou investir. No final do ano, logo faremos um balanço:

  • Ler 12 livros. Um por mês. Tenho lido muito pouco e… Não pode ser!
  • Tirar a carta de condução. Há quantos anos digo isto? E o jeito que me dava agora, com a Teresinha…
  • Fazer mais exercício físico. Neste momento, estou parada. Seja o ginásio, ou a piscina (de preferência com a Teresa), qualquer coisa é melhor que ser lontra a tempo inteiro.
  • Ir à praia. Uma das coisas em que 2016 falhou foi nisto. Mudanças, obras e bebé. Ter dado uns mergulhos na piscina e no rio já foi uma sorte. Foi o primeiro ano da minha vida em que não pus os pés no mar, e custou muito. Em 2017, quero praia a valer, com a minha Teresocas. Vai ser uma festa!
  • Manter o aleitamento materno. Pelo menos até a Teresa fazer um ano, gostava muito. E agora é que temo alguns obstáculos, com a introdução da alimentação complementar.
  • Ter uma situação profissional estável. Vou ficar com a Teresa(pelo menos) até ao seu aniversário, mas ainda assim…
  • Voltar a doar sangue. Por ora não posso, por causa da amamentação. O peso também pode ser um obstáculo.
  • Comer menos carne. Não consegui implementar, mas gostava que pelo menos 50% das refeições cá de casa fossem vegetarianas ou, na loucura, com peixe.
  • Acabar de arrumar a casa. Entenda-se terminar as obras e decoração (se é que é possível). Estamos bem, temos tudo o que é necessário (e alguns luxos, diria), mas está tudo muito simples e velhão. Ainda! Há muito a melhorar.
  • Viajar. É ambicioso, mas gostava que fôssemos passar uns dias fora dos locais habituais. Conhecer coisas novas. Mostrar o mundo à Teresa.
  • Manter o blog actualizado. Porque é algo de que gosto muito, mesmo, e estamos a aproximar-nos dos 10 anos!
  • Criar um negócio próprio. Ideias há muitas, preciso de as organizar.

Parece que é isto. E vocês, que ambições têm para este ano?

Trouxe dos 90s – Anita

Anita

Hoje é dia de trazer à ribalta outro clássico para quem cresceu nos anos 90, ou nas décadas anteriores. Na verdade, ainda hoje as meninas deliram com os livros da Anita. Ou Martine, como lhe quiseram chamar há uns tempos.

Bom, há que dar a mão à palmatória aqui: afinal, a Anita sempre se chamou Martine. As histórias originais, em francês, surgiram em 1954 pelas mãos de Gilbert Delahaye e Marcel Marlier (escritor e ilustrador das histórias). Em Portugal, a Editorial Verbo foi responsável pela circulação dos livros a partir de 1966 e foi aqui que a protagonista das histórias mudou de nome para nos soar mais familiar.

Anita

No ano passado, a Zero a Oito decidiu devolver o nome original à menina das histórias e é claro que passados quase 50 anos ninguém achou piada à ideia. É a Anita e não se fala mais nisso!

Devo ter dado muitos dos meus livros às minhas primas mais novas e fiquei com pena porque agora bem que gostava de os ter para a minha Teresinha. O que vale é que, pelos vistos, ainda estão disponíveis sem a nhanha do nome “novo”, ainda que não sejam os livros antigos e bonitos (com capas e algumas ilustrações diferentes das de hoje em dia) a que estava acostumada.

E vocês, ainda guardam as aventuras da Anita?

Páscoa Feliz!

Chocolate Lindt Páscoa
Chocolates Lindt, edição Páscoa 2016

Espero ainda vir a tempo de vos desejar uma santa e feliz Páscoa, se a festejarem! Se não a festejarem, bom… Vá, aposto que não há ninguém que se recuse a festejar à francesa, com montes de chocolates.

Eu cá não sou de grandes missas e catolicismos, mas gosto muito da tradição pagã da troca dos ovos. Como podem ver pela foto, hoje encharco-me em doces (um dia não são dias!). Não há ovo, mas para o ano já tenho uma boa desculpa para anular esse problema. Estejam descansad@s, que não vou dar chocolates à Teresinha pequenina: para bem da saúde dela, como-os eu.

Sugestões de S. Valentim #3 – Netflix

Netflix

Sabem qual é uma das coisas melhores para fazer com @ noss@ mais que tudo? Ficar na ronha com mantas a ver séries e filmes. Pelo menos para mim, mas aposto que não sou a única a achar este programa bastante apelativo. Em tempos de frio, chuva e muito trabalhinho, nem faço questão de procurar uma alternativa para o fim-de-semana. Não sou mesmo a única, pois não? Assim sendo, por que não oferecer uma assinatura do Netflix?

Bem sei que em Portugal o catálogo de conteúdos disponíveis ainda não é o melhor do mundo, mas há-de crescer e ainda assim já vale bastante a pena. Cépticos? Podem sempre experimentar um mês grátis. Em todo o caso, há várias maneiras de usufruir dos catálogos de outros locais do globo.

Os filmes e as séries são temas recorrentes quando estamos a conhecer alguém (dá sempre jeito, que ninguém merece ficar com quem não vê o mesmo que nós!). A título de curiosidade, o Netflix fez uma pesquisa que mostra que a forma como um casal assiste a séries televisivas pode ser um indicador do estado do relacionamento. Netflix é amor. Mais de metade dos inquiridos sente que partilhar a sua conta evidencia um relacionamento sério e por isso não o faz antes de assumir um compromisso. Ainda assim, 17% não quer partilhar a sua conta e as suas preferências antes de viver junto ou casar.

Caso pretendam oferecer um presente no Dia dos Namorados, aqui têm uma sugestão que não falha (é garantido!) e da qual podem usufruir em conjunto. Podem fazê-lo no site ou comprar (há na Fnac, Worten, Continente e afins) cartões pré-pagos. Quanto à parte que me toca, posso dizer que sou subscritora do serviço desde o dia em que chegaram a Portugal e faço uso da minha conta seeempre em conjunto com o L.

A Minha Wishlist de Natal

Pensei muuuitas vezes antes de publicar este post, porque a verdade é que:

  1. Não há nada que me faça falta.
  2. Há um bebé a caminho e, já que olho para o meu umbigo, deveria ter uma visão mais profunda do que se avizinha.

Depois, lembrei-me que também sou filha de Deus e que as épocas festivas servem para sonhar e meditar em caprichos. Não tem mal nenhum, faz bem e felizmente o Pai Natal ainda não cobra para ler cartas!

Justificando muito rapidamente as minhas escolhas, já que na imagem têm tudo direitinho, é tudo muito simples:

  • Sim, o meu telemóvel precisa de um upgrade, experimentei o Huawei Mate S conforme vos contei aqui e aqui e fiquei apaixonada. Ainda por cima, na semana passada chegou a Portugal a versão Pink. Há como não querer? Não! Pai Natal, era meeesmo isto.
  • A musa Dita Von Teese lançou o seu livro de beleza Your Beauty Mark: The Ultimate Guide to Eccentric Glamour. Quero porque quero. Já agora, consta que anda por aí um batom da MAC de edição especial da mesma senhora, também podia vir morar comigo.
  • Já bati nesta questão e volto a dar-lhe destaque: ando a namorar esta placa alisadora da Philips há quinhentos anos. Ando. Porque é tudo de bom. É grande, segura e eficaz.
  • É óbviooo que não preciso de mais paletas de sombras. Mas gosto muito delas, são um presente que aprecio e faço olhinhos a estas três da imagem. Optaria pela Chocolate Bar Semi Sweet da Too Faced, é linda e cheirosa e sempre fazia companhia à mana, mas a Cocoa Blend da Zoeva é tão lindinha e acessível e a Nude Dude da The Balm faz pendant com as minhas meninas.
  • Botas de cano alto, acima do joelho. Por que é que é tão difícil encontrar o modelo perfeito? As da imagem são da Aldo, mas não me deixam totalmente satisfeita. É que as que tenho sofreram um pequeno acidente, mas apesar de terem arranjo, não sei quanto tempo de vida terão pela frente. As que vejo nas lojas actualmente são caríssimas e medíocres. Por que é que teimam em encher tudo de fivelas, buracos e utilizar tecidos reles (tipo neoprene, hello!) na parte traseira? É o medo.
  • Gosto de colorir livrinhos engraçados, gosto do Sherlock e… Quem é que resiste a um livro de colorir do Sherlock Holmes?

Não encarem os meus caprichos como esquisitice, até porque sou uma pessoa fácil de agradar e entreter com bugigangas. Se estão mesmo interessad@s nos meus desejos e querem mais pistas sobre o que poderiam oferecer à minha pessoa (ninguém oferece presentes a gente crescida, mas just in case…), aproveitem para me encher de collants e cuecas da avó, daquelas de algodãozinho que se fazem difíceis de encontrar hoje em dia (a sério!), túnicas e vestidos folgados.

Também não me vou ofender se decidirem encher-me o sapatinho de quinquilharias e bibelotes para a casa, hã? Como disse, sou muito fácil de contentar e sou pior que os miúdos: gosto mesmo é do mistério de desembrulhar os presentes.

E vocês, o que querem neste Natal?

Netflix em Portugal

netflix

Para quem ainda não se apercebeu, ontem o serviço americano de televisão via Internet Netflix chegou a Portugal! Para quem não sabe do que se trata e, consequentemente, não percebe o por quê do mimimi em torno desta novidade, passo a explicar: o Netflix é um serviço que disponibiliza milhentas séries das boas (sou fã de Orange Is the New Black e Sense8 há muito tempo e agora já posso aceder a elas de forma fácil!) e filmes, para todos os gostos, em streaming.

É entretenimento à hora que quisermos, onde quisermos e por quanto tempo quisermos, já que as temporadas são logo disponibilizadas por inteiro ao invés de termos de esperar que saia um episódio a cada semana. E não é preciso ter medo de esgotar os conteúdos, já que há milhões de horas em vídeos para ver.

Para utilizar o serviço, é muito simples: podem fazê-lo através do smartphone, tablet, televisor (a Vodafone disponibiliza uma app e tudo!), consolas… Qualquer que seja a forma que vos dá mais jeito, haverá uma solução.

Antes de decidirem se faz sentido fazerem subscrições mensais do serviço (que oscilam entre os 7,99€ e os 11,99€ (consoante a modalidade que preferirem), podem sempre experimentar um mês gratuitamente. Eu já subscrevi, que nem dava para ser de outra forma. Podem argumentar que é muito fácil aceder às séries todas pela Internet fora. É um facto, senão nem eu conhecia as séries acima mencionadas, mas assim está tudo no mesmo sítio, dentro da legalidade e a suportar devidamente os responsáveis pelos trabalhos. Para além disso, os preços são, no meu entender, bastante acessíveis.

Já conheciam o Netflix? Aconselham alguma das séries que por lá existem?