Categoria: Cozinha

Eu Cá Não Sou de Intrigas, Mas…

Nós bem que temos os nossos receios na mudança do gás cá de casa para gás natural e queremos aguentar ao máximo sem mudar por todos os motivos e mais alguns.

Numa tarde destas, diverti-me a fazer coisinhas lindas em massa FIMO em casa de amigos. Para quem não sabe, esta massinha é tipo plasticina, moldamos o que queremos e dá para fazer coisas bem bonitas, com a vantagem de, depois de ir ao forno durante algum tempo, enrijecer e tornar-se bastante resistente. O que não esperávamos era que nos saíssem os planos furados. Eu, que estou farta de fazer fornadas de tudo e mais alguma coisa de massa FIMO e de ser bem sucedida, fiquei pasmada quando olhei para o  maldito forno e vi tudo queimado e derretido. Desliguei-o e abri a porta e nem queiram imaginar o pivete que se espalhou no ar, ainda por cima aquela nhanha é tóxica! Tirei o tabuleiro para fora, coloquei-o debaixo de água e quando consegui agarrar nos bonecos… Estavam esponjosos! Fiquei sem perceber porquê, seria do gás natural? Não tinha muita lógica, mas ok.

Mais tarde, quando foram fazer bolos de laranja e os meteram a cozer no forno, na temperatura mínima… Aconteceu o mesmo! Muito antes do previsto, os bolos tinham queimado!

Conclusão: há algo errado com as mudanças do gás, algum tubo mais aberto do que devia, alguma ligação mal feita, sei lá! Fica o aviso: se mudarem para o gás natural, atenção ao fogão/forno!

Sacher Torte ou Bolo de Chocolate Austríaco

Ah, este hoje não tem foto mas quer-me cá parecer que foi porque quando o fiz… Desapareceu em menos de um fósforo. Ora, e pergunta quem não sabe, qual é a diferença entre um bolo de chocolate normal e um bolo de chocolate austríaco? E eu respondo: o bolo de chocolate austríaco é meio amarguito por fora, é muito bom! A receita deste foi apanhada na Internet e aldrabada por mim. Quando o fizer de novo, mostro a foto do dito.

Ingredientes

– 8 Ovos
– 300g de Margarina
– 300g de Açúcar
– 600g de Chocolate de Culinária
– 3 Colheres de Sopa de Cacau
– 300g de Farinha de Trigo
– 250g de Doce de Damasco

Como Fazer

1. Coloque 300g do chocolate a derreter em banho-maria. Aqueça o forno a coisa de 150ºC-180ºC.
2. Bata as claras em castelo e junte-lhe 100g de açúcar. Bata de novo.
3. Noutro recipiente, bata as gemas e o resto do açúcar. Quando ficar cremoso, junte-lhe a margarina. Bata, vá juntando o chocolate e batendo. Junte o cacau, continue a bater.
4. Numa forma untada com margarina (as formas redondas são mais bonitas!), deite a massa e leve ao forno por cerca de 1h. Vá espreitando para ver quando é que o bolo está pronto. Se for necessário, vá espetando um palito!
5. Coloque os restantes 300g de chocolate a derreter em banho-maria com uma colherinha de margarina.
6. Quando o bolo estiver pronto, retire-o do forno, deixe-o arrefecer e corte-o em duas ou três partes na horizontal. Recheie-o com o doce de damasco.
7. Depois de composto o bolo, cubra a torta.
8. Este passo é opcional. Ao servir, pode polvilhar o bolo com açúcar em pó ou servir com chantilly. É ao gosto do freguês e segundo o que a imaginação do cozinheiro permitir!

Bom apetite!

Bolinhos de Manteiga

bolinhos

Hoje trago-vos a minha receita dos tão aguardados e desejados bolinhos de manteiga que preparei e que fizeram sucesso, pois cá em casa querem que repita a dose e os bolinhos foram todos devorados no próprio dia. Aviso que é preciso ter atenção às medidas, porque não as controlei, foi tudo a olho!

Ingredientes

  • Margarina (2 barras de 100g, marcadas na embalagem)
  • 1 ovo e uma gema
  • Açúcar (+- 15 colheres de sopa)
  • Fermento (uma colher de chá)
  • Essência de baunilha (uma colher de chá)
  • Leite (umas 5 ou 6 colheres de sopa)
  • Farinha de trigo (eu fui metendo e mexendo até ter massa boa para mexer com as mãos sem colar!)

Preparação

Derreta a margarina e junte num recipiente com o açúcar. Bata até ficar uma pasta fofinha.
Junte o ovo e a gema com a baunilha à pasta de margarina e açúcar e bata de novo.
Junte o fermento e alguma farinha e o leite, vá batendo. Cuidado com a farinha: vá adicionando em pequenas quantidades e mexendo sempre com a colher de pau, até ficar com a textura semelhante à da massa do pão.
Estenda com o rolo da massa e corte com forminhas a gosto. Disponha num tabuleiro de ir ao forno bem untado com margarina.
Leve ao forno até ver que estão preparados, como na imagem acima.

bolinhos2

Cobertura (opcional)

Achei que os biscoitos ficavam muito simples e, então, decidi que não lhes ficava mal uma cobertura jeitosa de chocolate e glacé.

Chocolate

Derreta 150g de chocolate com meia colher de sopa de margarina em banho maria e está pronto a usar. Passado algum tempo, o chocolate seca e fica rijo de novo.

Glacé

Junte aproximadamente uma colher de chá de margarina derretida com uma colher de sopa de leite quente e mexa. Vá adicionando açúcar em pó (icing sugar) e mexendo até obter a textura adequada. Se quiser, pode adicionar corante alimentar. Tal como o chocolate, ao fim de algum tempo o glacé seca e enrijece.

Pode guardar os biscoitos, após arreferecem e secarem, por alguns dias.

Et voilá!

Massa Chinesa à Preguiçoso

DSCN0408

Há dias em que não nos apetece fazer nada, nem cozinhar. Abrimos a porta do frigorífico e percebemos que temos que fazer o almoço se queremos comer. Ontem foi um desses dias, e reparei que havia massa chinesa na despensa e uma mistura chinesa, que veio por engano em vez da típica macedónia, no congelador. Surgiu-me então uma ideia que até saiu bem (os leitores já devem ter reparado que sou apologista do que é rápido e prático) e que serve para duas pessoas.

Ingredientes:

– Massa chinesa (duas meadas)
– Mistura chinesa (se preferir, corte cenoura, bambu, feijão verde, cebola e pimento em pequenos pedaços, junte rebentos de soja e coza)
– Milho, cogumelos, atum, carne ou qualquer outro ingrediente do seu agrado (neste caso apenas utilizei cogumelos enlatados)
– Azeite
– Molho de soja
– Meio caldo Knorr de galinha
– Margarina
– Sal qb

Procedimento

Coza a massa chinesa e junte-lhe o caldo Knorr.
Numa pequena frigideira ou wok com um pouco de margarina, frite a mistura chinesa e os ingredientes adicionais da sua preferência. Junte um fio de azeite e molho de soja e mexa bem. Retire do lume quando a mistura estiver cozinhada.
Junte a massa e o resto do cozinhado e mexa bem com o auxílio de dois garfos.

Cá está, uma solução simples à altura de um problema complexo!

A comida está na mesa!

P.S. – Fiquei bastante feliz por saber que as leitoras que comentaram não gostam de açúcar no chá!

Beba Chá!

Tea Love por Magdalena

Tal como denuncia este post no meu outro blogue, sou uma amante assumida de chá. Confesso que há dias em que até passo os limites do saudável, chegando a beber mais de 5 litros de chá. Não quero fazer de mim um exemplo para vocês, mas a verdade é que beber chá, nem que seja só uma chávena por dia, faz muito bem à saúde! Para além disso, há infusões que fazem milagres à pele das pessoas.

Se me perguntarem por que é que bebo chá, respondo que o bebo porque gosto, porque sim, porque faz bem, porque já não consigo passar sem o cheiro da chávena quente e o sabor a descanso. Bebo chá porque detesto café e porque o tenho de tal forma entranhado que já nem a água sem sabor me cai bem.

Há chás para todos os tipos de problemas e é fácil encontrar os benefícios de cada planta pela Internet, se bem que prefiro os livros que herdei dos meus avós (se alguém precisar de alguma ajudinha, posso tentar!). O meu chá preferido? É o chá verde! Arrepia-me e faz-me sentir nova por dentro. Atenção (e eu sei que há várias meninas que me lêem interessadas nesta matéria), porque o chá verde tem teína, que equivale à cafeína, para quem (como eu) não gosta de café, ajuda a evitar a retenção de líquidos e traz ainda outros benefícios visto que é um óptimo anti-séptico (e isto é bom para quem tem acne! Beba chá verde ou aplique-o na pele em compressas), melhora a circulação sanguínea, acelera o metabolismo celular e, por ser rico em anti-oxidantes, atrasa o aparecimento das rugas! E não, não tem que ser amargo! Eu não gosto de chá com açúcar, portanto este não é um problema para mim. Experimentem juntar-lhe um pouquinho de limão e vejam a grande diferença no sabor. Convém referir que esta é uma combinação super, porque segundo estudos que podem encontrar se fizerem uma pequena pesquisa, o limão vai ajudar o organismo a absorver os anti-oxidantes presentes no chá.

Se ainda não estiver doce como querem, podem ainda juntar mel, e esta é uma dica que se aplica a qualquer chá. Pelo amor de Deus, não ponham açúcar no chá, o vosso corpo não merece!

Nestes dias frios, até as pessoas que não bebem regularmente chá não dizem que não a uma chávena! Seja de que forma for, faça um esforço e beba chá, pela sua saúde!

MAS ATENÇÃO! – Se tem problemas de saúde, está a fazer algum tratamento médico ou está grávida e bebe chá, fale com o seu médico e pergunte-lhe que chás pode beber e quais são aqueles que deve evitar!

Massa de Coisas Boas

DSCN0692
Há uns tempos, comi uma massa muito boa que deixou imensas saudades de comer. Após eternidades de desejos daquela massa, e muita persistência, lá me explicaram o que é que tinha ido parar à panela e eu recriei o petisco aqui em casa para o almoço.
Ingredientes
  • Massa fusili multicolor (daquelas que trazem massa normal, laranja e verde!). Usei meia embalagem desta massa que comprei no Mini-preço (não queria fazer publicidade mas não me lembro mesmo da quantidade!)
  • Salsichas (uma lata de 6)
  • Cogumelos (uma lata grande)
  • Meia embalagem de peito de perú fumado fatiado (se for outro fiambre qualquer também serve!)
  • Meia embalagem de chourição
  • Uma lata (pequena ou grande, conforme queiram!) de milho
  • Dois pacotes de natas
  • Queijo ralado
  • Sal qb (Tenham atenção porque o fiambre, o chourição e os cogumelos já são meio salgados!)
  • Margarina
 Para fazer, não há mais simples:
  1. Meta o forno a aquecer previamente para a segunda parte do processo. Numa panela à parte, coze-se a massa. Cortam-se as salsichas, o chourição e o fiambre em cubinhos pequenos e fritam-se juntamente com o milho e os cogumelos numa frigideira previamente untada com margarina. Quando apurar, junta-se as natas e deixa-se o molho engrossar, juntando no final algum ketchup e molho inglês. Quando a massa estiver pronta, frita-se por um nadinha com um pouco de margarina.
  2. Num pirex, mistura-se a massa e o resto da comida, com a ajuda de um garfo. Polvilha-se o preparado com queijo ralado e leva-se o pirex ao forno até gratinar. Pronto está!

Bom apetite!

Arroz Xau Xau à Guida

Fried_Rice

Hoje tive que ir a Lisboa cedinho e não dava muito tempo para almoçar, visto que saía às 13.30h da escola e tinha de estar às 15h no ISCTE. Resolvi que uma maneira confortável de evitar as correrias era levar o almoço prontinho. Mas o que iria levar? Bem, optei pelo arroz xau xau. Este que fiz hoje não tem os ingredientes do costume, até porque não havia fiambre, tofu ou seitan cá por casa e tive que usar as salsichas que encontrei na despensa. Cá vai a minha maneira de fazer o arroz xau xau…

Ingredientes

– Arroz (eu gosto dele soltinho e, por isso, gosto do arroz da Uncle Ben’s. Arroz jasmim também é jeitoso)
– Milho
– Ovo
– Cenoura
– Rebentos de soja
– Fiambre. Em alternativa pode usar salsichas, seitan ou tofu aos cubinhos pequenos
– Sal q.b.

Como Fazer

– Numa panela com água a ferver, coza arroz por 8 a 10 minutos. Escorra o arroz e, se quiser, junte um pouco de azeite e deixe fritar por uns minutos, mexendo com a colher de pau.
– Frite o ovo mexido numa frigideira untada com azeite. Quando o ovo estiver pronto, com a ajuda da colher de pau, parta-o em fracções minúsculas.
– Coza a cenoura aos cubinhos e os rebentos de soja. No caso de usar seitan ou tofu, coza-os também.
– Misture o arroz, o ovo, a cenoura, os rebentos de soja e o fiambre, com a ajuda de dois garfos. Happy meal!
– Por último, se quiser, e porque dá um outro aspecto à comida (sim, os olhos também comem!), dê asas à imaginação e use alimentos e forminhas para fazer desenhos na comida. Neste caso, cortei tiras de alface e fiz estrelinhas de queijo, que decorei com ketchup. Ah, se quiser juntar molho de soja ou molho inglês, ou especiarias como os orégãos ao belo do arroz, sinta-se à vontade! Eu, na minha humilde opinião, acho que fica um miminho.

Bom apetite!

Massa com Atum

Não desatem já a mandar tomates e ovos podres! Eu sei, para alguns de vós a ideia que sugiro no título pode parecer impraticável. Não vão saber se é impraticável se não a praticarem, e é muito imprudente falarmos daquilo que não conhecemos!
Deixo um pré-aviso para os vegetarianos/vegans (sim, eu sei que vocês me lêem, vocês adoram-me!): não fujam, podem perfeitamente substituir o atum por seitan que o petisco vai continuar a ser óptimo! A receita que aqui vou dar serve para 2 ou 3 pessoas.

Ingredientes:

– 1 lata de atum (ou o equivalente em seitan)
– 1 lata grande de cogumelos
– 1 pacote pequeno de natas
– Esparguete ou Fetuccine para 2 ou 3 pessoas
– Molho Inglês
Ketchup
– Orégãos
– Cebola
– Alho
– Azeite
– Sal (pouquinho, porque o atum e os cogumelos já são salgaditos!)

***

Ora bem, postas todas estas coisas na bancada da cozinha (eu sou pragmática, ponho tudo na bancada e arrumo à medida que vou utilizando), põe-se a água da massa ao lume e numa caçarola ou frigideira faz-se o refogado com o alho, a cebola e o azeite. Quando estes alourarem, colocamos o atum (ou o seitan!) e os cogumelos na caçarola. A massa é fácil de aviar e todos vocês sabem como funciona o processo, esqueçamo-la então! Quando os cogumelos e o atum tiverem um aspecto decente, e por decente entenda-se comestível, pode-se juntar as natas, os orégãos, o molho inglês e o ketchup (é favor ter cuidado com os três últimos! Estas coisas são colocadas ao gosto do freguês, mas não convém abusar porque senão a paparoca fica intragável!). Deixa-se apurar, escorre-se a massa e junta-se o conteúdo dos dois recipientes (da panela e da frigideira!). Mistura-se tudo muito bem e… Está pronto!

Espero que esta ideia sirva para alterar as ementas rotineiras que muitos de nós temos em casa, se bem que não convém abusar deste tipo de refeições dada a quantidade de “porcarias” como o ketchup e as natas que levam!

 

Bom apetite

Actualização a 16.Junho.2009 – Cá está a foto do petisco! Não tem o melhor aspecto, não é arrumadinho nem bonito nem colorido mas é muito saboroso. Desta vez não levou molho inglês nem ketchup.
TRANSLATION
Tuna Fish Pasta

Actually, don’t start throwing tomatoes and rotten eggs at me! I know the title sounds odd for some of you, but you won’t find out if it really is or if it’s just you not being open minded enough to give new things a try.

So, you can still do this if you’re vegetarian/vegan: just try using quorn or seitan, or whatever, instead of tuna fish. This recipe will still be great! This would give a meal for 2 or 3 people.

Ingredients:

– 1 can of tuna fish
– 1 big can of mushrooms
– 1 small cream carton
– Spaghetti or fetuccine for 2 or 3 people
– English sauce
– Ketchup
– Oregons
– Onion
– Garlic
– Olive oil
– Salt (not too much, the tuna and the mushrooms are already salty!)

***

Now, let’s put all this stuff on the kitchen table (I prefer things this way, it’s easier, when I’m done I store everything again). At this point you should have figured out I’m portuguese and I have to struggle a lot with myself and Google to get the translation of some words or concepts. Don’t expect to read good english here, though I try my best to write “readable” texts. Boil some water for the pasta and use a frying pan to saute the garlic and the onion. Then, cook the tuna fish and the mushrooms and add the cream, oregons, english sauce and ketchup (don’t get too excited doing this or you’ll get a disgusting dish). Mix everything it’s done!

I hope this idea allows you to find new tastes and get some variations in your food routines. This is a quick meal, so don’t this too much and too often. Ketchup and cream would make you look like a baloon.

Uma Boa Chávena de Chá

Tea Time by Mellie Fee

Falemos de chá. Devo confessar que a minha paixão pelo chá é uma coisa recente, dado que me recusava a bebê-lo quando era pequena. Ao que parece, eu não gostava do chá porque a minha mãe o encharcava de açúcar, e eu não sou grande amante de doces. Descobri as maravilhas do chá quando, há três ou quatro anos, um amigo me deu uma chávena de chá sem açúcar. E adorei! Na verdade, esta é a minha bebida preferida desde então, e não passo um dia sem o beber. Aliás, se estiver em casa sou capaz de beber litros e litros de chá, sem exagero, porque enquanto estiver acordada haverá sempre uma caneca de chá nas minhas mãos! O fundo do copo é sempre difícil de beber, e por isso gosto de ter a caneca sempre cheia!

Tenho ouvido por aí que há pessoas que gostam do chá quando tem açúcar. Meus caros, lamento imenso, o chá com açúcar não é chá! O açúcar irá alterar os benefícios e o sabor do bom chá. No começo, o chá poderá parecer amargo. É uma questão de hábito. À medida que vamos bebendo o chá sem açúcar, aprendemos a achá-lo doce sem que tenha aditivos. Há, também, pessoas que dizem que adoram o chá, mas só bebem os cházinhos das saquetas que há nos supermercados! Pelo amor de Deus, esses chás não têm sabor, eu só os bebo em último caso! Não querendo entrar em jogos de publicidade, gosto de comprar o meu chá nos cafés Portela: compro a quantidade que quero, da variedade que quero, e sei que a qualidade é a melhor! Podem ser mais caros que os chás dos supermercados, mas têm a garantia que estão a beber um bom chá e a aproveitar ao máximo as suas propriedades. Outro aspecto a ter em conta, é a quantidade de chá que tem que ser colocada na água a ferver. O chá deve ser forte: mais vale beber um chá forte do que uma série deles que sabem a água de lavar pratos. É este o motivo pelo qual eu não gosto dos chás em saqueta. Quando colocamos o chá directamente na água, este vai ser muito melhor absorvido pela água. E falando em água, é importante referir que esta tem mesmo que estar a ferver para que possamos ter um bom chá. Os chineses foram espertos nesta matéria! Se repararem, as chávenas deles não têm asa. Tem lógica. Enquanto a chávena nos queimar as mãos, significa que o chá ainda está quente demais para beber.

Outro aspecto que gera polémica quando se fala em chá é o leite. Os nossos amigos ingleses gostam muito de misturar o chá com leite, e nós por cá continuamos a desgostar da ideia. A primeira vez que bebi chá com leite foi em casa do meu tio, porque ele percebeu que eu queria chá com leite em vez de leite, e não chá como me tinha proposto! E tive que beber uma chávena de chá de maçã e canela (mariquices!) com leite. E caiu-me tão mal… Mas hoje bebo outros chás com leite, volta e meia. Assim, e para aqueles que quiserem experimentar, creio que tenha mais lógica verter primeiro o chá e só depois o leite, para não corrermos o risco de colocar mais leite do que chá no copo, chávena, caneca, ou seja lá qual for o recipiente escolhido! Eu sou fiel às minhas canecas de 1 litro, que bebo assim que me pára nas mãos.

Por agora, penso que estes humildes conselhos que vos dei chegam para que aprendam a gostar do chá. Se tiverem mais coisas para dizer, digam! Para os interessados, deixo aqui um artigo (em inglês) que o senhor George Orwell escreveu com aquilo que ele julga serem os onze pontos essenciais para fazer um bom chá. Pergunto-me se teria opinado sobre os microondas se tivesse escrito o artigo nos dias de hoje…

Bebam bom chá!