Chloe Marshall, a Miss Surrey 2008

Longe vão os tempos em que a nossa percepção de beleza não metia ao barulho o Photoshop e uma série de factores físicos restritos. Prova disso são a publicidade e as revistas que nos inundam os olhos todos os dias, a toda a hora. Se no antigamente se apreciavam mulheres com curvas, até roliças, e não muito altas – hei, que têm a dizer das pinups?, hoje vemos desfilar maioritariamente meninas muito altas e muito leves. Chegámos ao ponto de em certas lojas encontrar roupa que não encaixa bem em nenhuma mulher normal, o que é ainda mais descabido tento em conta que a mulher portuguesa tem, por natureza, estatura média/baixa e curvas.

Mas nem tudo é mau! A legislação quanto às medidas das modelos anda a aparecer, a magreza doentia começa a sair de moda e as pessoas que os media nos trazem começam a gostar das suas curvas e a dar o exemplo ao resto da sociedade, as revistas começam a mostrar a beleza natural de cada um, sem grandes maquilhagens e retoques digitais e, vejam! No ano passado, a menina da foto foi a primeira modelo 44 a ir às finais do concurso Miss England! É, esta menina que se chama Chloe Marshall foi mesmo Miss do sítio onde vive, e com muito mérito. Tem uma carinha linda!

Durante as férias, recebi um email da Paula:

“Olá Guida,

Encontro-me numa daquelas crises existenciais…Não sei o que vestir, acho que visto sempre o mesmo e acho que nada me fica bem por ser gorda…
Tens alguma das tuas dicas divinais para me ajudar?”

Como acontece com toda a gente, por vezes temos problemas em decidir o que trazer das compras porque temos dúvidas se aquela peça que fica linda no cabide ou na montra nos cai bem. É normal, porque não somos tod@s iguais e muito menos iguais ao manequim usado para confeccionar uma determinada peça: as estaturas das pessoas diferem, não há dois corpos iguais, temos pesos diferentes e até as cores dos nossos olhos, pele e cabelo podem interferir nesta questão. Não obstante, e depois destes factores todos, quando temos peso a mais seja por que motivo for, a tarefa de ir às compras ainda se pode tornar mais complicada.
Por isso, cá vão algumas dicas que podem ajudar na hora de pensar no que se vai vestir – esta é uma opinião, visto que não sou pró do assunto! Acima de tudo, o importante é sentirmo-nos bem com o que vestimos.

1. Há que dar preferência às saias e vestidos. É claro que há excepções e há calças lindas para quem veste tamanhos grandes. Pessoalmente, e noto bastante isso quando estão em causa os jeans (até em mim, e é este o motivo pelo qual não gosto muito de calças), creio que as calças fazem as nossas pernas parecer mais gordinhas. No caso de termos um graaande traseiro, com calças também o estamos a destacar. Por isso, sugiro vestidos e saias que, no máximo, fiquem acimazinha do joelho. Há excepções, e no Inverno há vestidos e saias um pouco mais curtos que ficam lindos com botas de cano alto!

2. A tal teoria de que os estampados e as cores não são para quem tem uns quilinhos a mais é uma treta! Com cuidado, tudo pode ser usado: os estampados não devem ser de cores muito vivas e devem ser usados apenas numa peça do conjunto. Já as cores vivas requerem ser utilizadas numa só peça e eventualmente acessórios. A evitar estão as misturas de várias cores garridas.

3. A fim de disfarçar barriguinhas e braços gorduchos, não se devem usar camisolas e tops muito justos a todo o tronco. Em vez disso, é preferível optar por peças que sejam mais largas e soltas nos braços e abaixo do peito (se for cintada, melhor ainda!) e, de preferência, que não acabem logo no umbigo. Por vezes as túnicas também podem ser uma boa opção, mas com cuidado – é que em vez de adelgaçar, algumas túnicas de tecidos pouco elásticos, mesmo de linho ou algodão, têm o efeito contrário na imagem.

4. Um ponto a favor das meninas com peso a mais costuma ser o peito, que é avantajado – e a ala masculina aprecia!, pelo que os acessórios em torno do pescoço podem ser uma mais valia. Não só roubam as atenções da barriga como em certos casos ainda podem disfarçar os ombros largos!

5. Os decotes são uma das coisas que podem ajudar as gordinhas, mas com o devido cuidado para não cair no ordinário. Os cai-cais, no entanto, devem ser evitados.

6. Quanto à escolha dos acessórios, quase qualquer coisa é permitida. No entanto, os cintos devem ser utilizados na cintura e não na anca, sob o risco de a alargar mais. As pulseiras, se forem largas, ajudam a adelgaçar os braços. Quanto a malas, e porque de há uns tempos para cá até estão em alta, as grandalhonas são as melhores.

7. A nível de calçado feminino há montes de opções para todos os tipos de mulher, incluindo as que têm uns quilinhos a mais! Neste caso, os saltos altos são os grandes aliados pois ao dar alguns centímetros de altura a mais, cortam na largura. As botas com pêlo ou os uggs devem mesmo ser evitados, pois transformam as pernas fortes em pernas de elefante. Em alternativa, há botas com fivelas e até mesmo enrugadas por fora que são muito bonitas e tornam as pernas mais magras (sou a testemunha número um). Os canos altos são óptimos, dão a ilusão de que temos pernas mais altas e, consequentemente, mais magras.

8. Por fim, o pior erro que as pessoas fortes podem fazer é descuidar a imagem e achar que tudo o que é largo e feio vai esconder o peso. É errado, porque não só o peso continua a estar lá como ainda estamos a desvalorizar-nos e a passar uma imagem de desleixo. Hoje em dia, há montes de lojas que disponibilizam roupas lindas de tamanhos grandes para que todas as mulheres possam andar deslumbrantes. Nas passerelas internacionais há até desfiles modelos de tamanhos grandes e marcas dedicadas ao assunto, como é o caso da conhecida Elena Mirò.

Por cá, ao acesso de toda a gente e a preços convidativos, a La Redoute tem a linha Taillissime, que só tem tamanhos grandes. É bom espreitar, porque tem coisas lindas.

Não se esqueçam: todas as mulheres têm a sua beleza, independentemente de todos as as suas características físicas. Basta que se cuide, que acredite que é linda e que o transpareça aos demais!

25 comments on “As Rechonchudinhas Também Têm o Direito e o Dever de Ser Bonitas!

  1. Eu sou o exemplo típico da rechonchudinha e quando estou naqueles dias de TPM, inchada ainda por cima, parece que nada me fica bem e só quero fechar-me em casa. Por outro lado, também tenho fases de cuidar de mim,vestir-me mais cuidadosamente,cuidar melhor do cabelo,por uma maquilhagem e quando saimos a rua somos elogiados, e isso faz bem ao ego 🙂
    Não é por sermos gordinhas que não temos direito de estarmos bonitas, aliás há muitas pessoas que são lindas de cara (sem estar a gabar-me,elogiam-me muitas vezes nesse aspecto). É o que nos vale,porque algumas pessoas podem mesmo ser mázinhas no que toca ao pneuzinho..
    Eu sou feliz assim, não quero dizer que não preferia ter corpo de modelo, mas não tenho estrutura para isso,nem que deixasse de comer ficaria assim, e tenho que viver com isso. Não faço disso uma crise e só tenho pena que não haja mais lojas de roupas adequadas a gordinhas, de fácil acesso. Nem todas as pessoas podem ir a uma Elena Miró. Eu opto pela C&A, às vezes consigo achar algo na Stradivarius e na Zara, mas gostava de ter mais escolha..
    beijinhos Guida, parabéns por abordares este tema que as vezes trás dissabores a gente como eu..

  2. Marisa: De cara e de corpo! 🙂 É claro que há gordura pouco saudável, e quando é possível deve ser tratada. No entanto, não é isso que faz as pessoas feias. Quanto à rechonchudice normal? É linda! Ter corpo de modelo significa não ter carne? Obrigada, isso nem eu quero 😛 Hoje em dia parece-me que já começam a existir tamanhos grandes, até na H&M (o que é mau para mim, porque apesar de ter peso normal, sou baixinha e então visto números pequenos!). Há muitos sítios onde ir ;D

    Beijinho

  3. Guida eu moro no Algarve e aqui perto não há H&M. Tenho uns corsários da marca, mas é daquelas viagens raras à capital, aí é que se acaba por encontrar coisas giras. Por aqui há mesmo só a C&A, a Elena Miró e uma que se chama Kurokai (vê em http://www.kurokai.com/). Ah, e as vezes os chinocas também têm umas coisas engraçadas..ahaha. Mas não se pode esperar muito em termos de durabilidade!
    Pois eu sou grande, ultrapasso o 1,70m, e rechonchuda, por isso nao passo mesmo despercebida, para o bem e para o mal 🙂

  4. Guida: fantástico este post. Eu sou gordinha e sei perfeitamente como nem sempre é fácil encontrarmos roupa para nós… é frequente uma sessão de compras de roupa desanimar as mais gordinhas porque não encontram nada que sirva, nada que fica bem.
    Concordo plenamente com a questão inicial deste post. As gordinhas não devem desanimar e cair no desleixo…devem sim procurar coisas que lhes fiquem bem e adoptar as dicas que deste, que são óptimas.
    Afinal nós temos o direito de nos sentirmos bonitas! E não são uns quilinhos a mais que nos devem deitar abaixo!
    Parabens Guida, gostei mesmo! ***
    (vou começar a seguir-te)

    se quiseres dar uma passadinha no meu blog aqui fica o link: http://yellow-miscellaneous.blogspot.com/

  5. E muitos dos problemas de auto-estima são provocados pelas cadeias comerciais que apelam a corpos estruturais e ao uso de números pequenos.
    Falando por experiência própria, são incontáveis as vezes que saí das lojas quase com lágrimas nos olhos e a gostar bem menos do meu corpo porque não encontrava nada que gostasse e que não me fizesse parecer 20 anos mais velha, como as cores escuras e os cortes rectos.
    No entanto é com felicidade, por mim e por tantas outras jovens/mulheres, que vejo que as coisas estão a mudar aos poucos e o desleixo é muitas vezes devido ás próprias pessoas que, por terem peso a mais, não se importam com o que vão vestir porque ninguém vai olhar pra elas, o que vai também de encontro ao post anterior.

    Mas se todos pensássemos assim, ai valha-me Deus! o que importa é que as pessoas se sintam bem com elas, que arrisquem e que experimentem muito, tanto a nível de roupa como de maquilhagem. Há autênticos milagres que passam por apenas uma ou duas peças de roupa e as pessoas renascem, renascem para a vida e é fantástico o impacto que o nosso exterior tem para nós e para a sociedade.

    E ali o teu "não esquecer" está fabuloso. Boa Guida. 😉

  6. é isso mesmo guidinha… o grande segredo é sabermos realçar o melhor que nós temos, independentemente de sermos altas, baixas, gordas ou magras… que adianta ser-se alta e magra se nao soubermos tirar o melhor partido de nós?

    PORTANTO MINHAS AMIGAS: ABAIXO OS COMPLEXOS

  7. como sempre um Post á altura da Guida.
    Eu ando numa fase de usar roupa desportiva(bem é uma fase que dura já há muito-para desespero de alguns membros da família(sogra mesmo)mas porque me sinto há vontade..e para correr atrás dos traquinas tb não há melhor..
    Mas gostei imenso do seu Post..faz bem ao ego..bem aja

    beijocas

  8. Guia, escrevi há muito pouco tempo um artigo sobre o culto da imagem perfeita onde basicamente louvava o espirito da mulher independente fosse ela gorda ou magra. É claro que esta sociedade afecta em grande peso, mas cabe a cada um de nós a nível pessoal fazer as diferenças.
    Fizeste um bom artigo, haja atitude e vontade de dizer basta a toda esta indústria manipuladora de marcar a beleza numa balança! Beijinhos.

  9. obrigada Guidinha 😉

    Em relação aos vestidos e saias…eu costumo dizer que isso nunca, pois mostra as pernas e eu odeio as minhas pernas por isso opto mesmo por calças. Já nao sei ha quantos anos nao visto uma saia xD

    Quanto a padrões e estampados também nao visto porque acho que alargam muito :s

    Beijinhos

  10. Vejam o "What not to wear" na tv, é fixe para dicas. Eles acabam por repetir as dicas gerais em todos os programas, sim, mas basta vermos uns episódios e ficamos com os conceitos gerais de como nos vestirmos sem parecermos ridículas. Eu nao sigo à risca aquilo que dizem, como é óbvio, e ninguém deve..

    Cada um tem o seu gosto e usa aquilo de que gosta, mas vê-se lá cada aberração (roupas com demasiadas chamas, demasiados padrões, demasiado estragadas, só de uma cor, etc).
    É gente muito diferente, com diferentes profissões, algumas mais gordinhas que outras. As gordinhas devem tirar partido das suas melhores partes (como qualquer outra pessoa): peito, mas nao convem, p. ex., usar casacos com bolsos mesmo em cima das mamas ou calças com bolsos na parte de frente, a chamar a atençao. Devem usar-se calças a direito.
    A dica é chamar a atenção para a parte que mais nos favorece. O uso da saia ajuda a equilibrar a parte de baixo e a parte de cima. Se queremos chamar a atenção para a parte superior, p ex, devemos usar uma cor mais forte aí e uma mais escura na parte de baixo. Se a nossa parte mais bonita sao as pernas, devemos chamar a atençao para elas. Há gente gordinha que tem as pernas bonitas.
    Roupas largas estao fora de questao, pois fazem parecer um saco de batatas. Muito justas também nao, para nao acentuar as formas. E nao se trata de uma questao de esconder o que somos (o corpo nao desaparece), mas de usar a roupa a nossa favor.

    Outra coisa importante é o comprimento das saias: preferivelmente, logo abaixo do joelho.

    Cada pessoa tem de ter noção das partes mais bonitas do seu corpo e p. ex., se tem os ombros e os braços gorditos, nao convem usar tops sem mangas ou camisolas cuja manga acentue o volume do braço/chame a atenção para ele.

    No programa, aconselham a ter algumas peças obrigatórias no armário: calças ganga, calças de alfaiate, blazer, camisa branca, sapatos de salto alto. Claro que cada um adapta ao seu gosto. Não é para seguir as dicas de olhos fechados.

  11. Marisa: Bem, creio que não passar despercebido é bom 😛 Quanto à durabilidade das roupas de que falaste, pensa assim: sempre é uma desculpa para renovar o guarda roupa frequentemente 😛

    Yellow: Toda a gente tem o direito de se sentir bonita! E se não gostarmos de nós, quem gostará?

    Sara: Concordo! Acrescento que esse tal erro do desleixo por se pensar que de qualquer forma não vão olhar para nós é fatal, pois vão olhar, sim, e por maus motivos. Isso ainda deixa as pessoas a sentirem-se piores…

    BrownAndCookies: So true ;D

    Sónia: É para compensar o post anterior, que foi bastante controverso e houve quem não gostasse – apesar de ser a minha opinião 😛

    Habitat-m: Se não formos nós, pessoas reais, a dizer à indústria que estão redondamente enganados, ninguém consegue mudar nada! Devemos aceitar a beleza real e não criar um conceito de beleza baseado numa imagem irreal.

    Mikaka: Por que não? Se te sentes assim tão mal, já experimentaste com leggings ou collants? 🙂

    Babs: Ah, esse programa! 🙂 De vez em quando acompanho, e gosto de ver as dicas e transformações! Por vezes até dá para aproveitar algumas coisas. Tal como tu, também não concordo com algumas das decisões dos senhores do programa 😛 De facto, está aí um programa bom para todas as mulheres acompanharem 🙂

    Nanda: Há-de chegar cá ao blogue também 🙂 Obrigada pela sugestão!

    Beijinho

  12. Guida, nem sabes o desgosto que é levar meses até achar umas calças de que realmente goste…
    O ano passado, na passagem de ano, tinha comprado uma blusa linda, que só ficava bem com umas calças pretas, que não tinha. Bem, corri tudo… não encontrei. Tive de deixar a blusa nova para trás… |=
    Não é mesmo nada fácil arranjar algo que nos acente bem, e com a qual nos sintamos confortáveis.

    Kiss*

  13. Bem, cm pessoa rechonchuda sinto-me na obrigação de comentar este magnifico post! De facto concordo com tds os pontos k dixest, e de facto se nós não gostarmos de nós ixu vai ser transmitido àqueles que nos rodeiam! Ha uns 2 aninhos atras n ligava mt a minha imagem, mas dps ixu mudou, axim cm os comentários das pexoas…passaram de "Ahhh estás muito forte!" ou "Cresceste (pos lados entenda-se) muito!" para " Estás muito bonita!" e "Mudaste muito!"…
    Isso tem 1 saborzinho especial po noxo ouvido… 😉
    beijinho*

  14. Patrícia: Também tenho o mesmo problema com as calças 😛 E é por isso que não as uso assim tanto, e as saias até são mais femininas ^^

    Ju: Sabe tão bem quando nos dizem coisas bonitas 🙂

    Beijinho

  15. Deves estar a confundir os maios tipo Borat com bodys não? porque isso já vi, maiôs deste género nunca vi… o que é verdade é que usados com calças de ganga podem dar o mesmo efeito na parte de baixo e, dependendo do decote na parte de cima.
    Quanto às uggs se usasses umas percebias que não há bota que deixe o pé tão quentinho como elas… são as únicas assim que se podem usar num estilo fashion, moderno e sem ser desportivo… sim dá para usar uggs sem ser num estilo desportivo e é a grande vantagem desta bota: confortável, quente e super fashion.
    Quanto aos fato de treino, só concordo se nos limitar-mos aos modelos clássicos e tecidos "normais"… há por tanta coisa para a ginástica, totalmente fashion e virado para o estilo diário ou para práticas desportivas específicas… as calças de dança sã uma loucura… mas claro, para usar para praticar a actividade, o que não significa que não se possa ver na rua, desde que antes ou depois da actividade…

Deixar uma resposta