pastorinhos fátima

Eu e a religião não somos lá muito amigas, mas gosto de estar de bem com as divindades todas.

Se são bênçãos, eu quero. Se é respeito, eu tenho. Sou agnóstica, a minha família é católica e, só pela graça, tenho as minhas simpatias com alguns símbolos relevantes. E posso não ser religiosa mas tenho muita fé.

Bem sabem, tenho o meu carinho pelo Santo António. O número 13 é uma coisa cá nossa e, desde o ano passado, o 13 de Maio passou a ser uma data especial. Pastorinhos, Nossas Senhoras e Papas de lado, o 13 de Maio para nós foi, na verdade, o habemus casa.

Foi há um ano atrás. 13 de Maio, sexta-feira. Sexta-feira 13.

Ligam a estas coisas? Bom, andávamos há meses a lutar pela nossa casinha linda que é mais do que alguma vez poderíamos ter imaginado. Eu estava grávida, bem grávida. As burocracias eram muitas e o tempo era pouco.

Houve mais pessoas interessadas. Não tínhamos assim tantas hipóteses. Estávamos a ficar assustados, desesperados. Contrariamente ao que seria de prever, a casa é nossa.

Foi neste dia, há um ano atrás, que tudo ficou formalizado. A casa é nossa! Ainda está longe de ficar perfeita, à nossa maneira, mas é nossa, tem as nossas coisas, arrumadas ao nosso jeito, conforme as nossas regras. Tem o nosso cheiro. É o nosso lar.

O que se seguiu foi engraçado. Começámos as obras e limpezas no dia 14 de Maio. Mudámo-nos a 14 de Junho. A Teresa nasceu a 14 de Julho. Se fosse de propósito, não teria acontecido assim! Mas estas são histórias que ficam para outro dia. 2016 foi um ano do caraças!

Deixar uma resposta