Há algum tempo tive um sonho bizarro que não partilhei convosco mas que vem agora à baila por motivos que logo vão entender, se continuarem a ler.

Estava com a família toda numa casa velha algures numa aldeia serrana, fazia frio e era um dia chuvoso. Tinha terminado o almoço e estavam a ser distribuídas tarefas de limpeza e arrumação por toda a gente. Como não me agradava nada a ideia de lavar a loiça ao frio e à chuva, porque o lava-loiça era no quintal, preferi optar por deslocar-me até ao contentor do lixo mais próximo para despejar alguns quatro ou cinco sacos pesadões.

Saí em desespero, pois não fazia ideia de onde encontraria os contentores naquela terriola. Andei, andei e andei. Por fim, eis que avisto um contentor de lata e, “olha! Uma árvore que dá botas-pantufa!”. Lá me desfiz do lixo e colhi um par de botas azul-petróleo e, esquecida do mau tempo, voltei para casa a correr para espalhar a minha grande descoberta. É claro que a mulherada da família ficou entusiasmada! Anotei os números de toda a gente e lá saí de novo, desta vez em plena alegria.

Como sou uma pessoa de sorte, apareceu um amigo meu com o seu mata-velhos e dispôs-se para me dar boleia antes que morresse gelada e encharcada, novamente. Contei ao meu amigo sobre o que tinha acabado de encontrar e ele também mostrou interesse em chegar à árvore das botas. Percorremos toda a aldeia a baixíssima velocidade, sendo que de qualquer forma não dava para acelerar visto a estrada ser pavorosa e feita de curvas apertadas, mas não voltámos a encontrar a dita árvore.

E eis que acordei.

Hoje, passado mais de um ano, não pude deixar de sorrir e lembrar-me deste sonho quanto vi estas botas-pantufa da Best Mountain no Spartoo.

Vocês sabem (pelo menos que me acompanha há mais tempo) que eu abomino botas-pantufa. Mas não tinha certa piada ficar com estas? O Spartoo não é a árvore das botas, mas está lá quase!

Long ago, I had a weird dream I did not share with you but now I decided to tell you what it was for reasons you will find out soon if you keep reading this post.

I was with my whole family in a old house, in a village somewhere in a mountain, it was cold and rainy. After lunch, we were delivering tasks to each one of us and, as I hate dishwashing and the sink was in the backyard, I accepted to go out and throw the garbage away.

I was desperate because I had no idea of where I would find the trash cans in that village. I walked for a long time and that was when I finally found the cans and, “look! A boots tree!”. I got rid of the garbage and took a pair of dark blue boots for me and, completelly away from reality and all the rain on that winter day, I got back home to tell everyone what I just found. Of course, all the women in my family got interested! I took note of everyone’s shoe number and then I got out again, this time completelly euphoric.

I am so lucky that I found a friend who offered to take me in his car before I died again with all that bad weather. I told my friend the news and he also got interested in finding the boots tree. We drove through the entire village but could not find the boots tree again.

And that was when I woke up.

Today, more than a year later, I could not help but smile reminding this dream when I found these blue “ugg” boots on Spartoo.

You know I hate this kind of boots, but would not it be fun to take these ones for me? Spartoo is not the boots tree, but it is almost there!

6 comments on “A Árvore das BotasThe Boots Tree

  1. os nossos sonhos são mesmo um universo enigmático :b mas acredito que têm sempre um significado, ou até que servem para nos darem pistas sobre o futuro e esse teu sonho, de certa forma, serviu para isso.

    eu não acho muita piada a essas botas-pantufa e acho ridículo quando as pessoas as calçam para sair à rua e, por outro lado, usa-las em casa faz todo o sentido 🙂

    beijinhos *

    • Ora aí está outra coisa que me faz comichão. As botas-pantufa têm tudo menos pinta de serem à prova d’água. Parecem ser muito quentinhas, mas no frio extremo há sempre humidade. É mesmo contraditório. Ando aqui a ponderar os prós e os contras. No pior dos cenários, as do post acabariam por substituir as minhas pantufas de carneira rosa 0.o

      Beijinho

  2. Como diria um amigo meu…” que sonho mais marado”. Falo bem, que os meus parecem filmes…
    No entanto, não me ralava nada se encontrasse uma árvore de Ugg ou semelhantes. Não as uso na rua, mas em casa não dispenso! Com umas calças largas de cashmere…oh, maravilha.

Deixar uma resposta