O Álbum da Teresa

álbum de bebé

Os primeiros tempos da vida de um bebé passam a correr.

Parece um cliché, mas garanto que é verdade. Todos os dias os petizes aprendem coisas novas e, nos primeiros meses, crescem visivelmente da noite para o dia. Acreditem quando vos digo que há coisas importantes que, se não registamos, acabamos por esquecer muito rápido.

Eu faço questão de tirar muitas fotos, gravar vídeos e registar momentos da Teresa. Como um arquivo que não é tratado é uma espécie de arquivo morto, faz todo o sentido manter e organizar um álbum (mais álbuns, mas um como “resumo”) do primeiro ano de vida.

Antes de a cachuchinha nascer, pedi-vos ajuda na escolha do melhor álbum. Bom, até poderia ter sido eu a fazê-lo, mas já tinha assuntos a mais em mãos. Vi álbuns para todos os gostos: artesanais, produzidos em série, incompletos, com floreados a mais, a custarem os dois rins, baratos e feios… Até álbuns com fotografias de outros bebés na decoração eu encontrei. Qual é o sentido? Não é suposto serem os nossos bebés os protagonistas destas recordações?

álbum aiaimatilde

Acabei por optar pelo álbum da Aiaimatilde. Tenho vários artigos desta marca portuguesa, adoro todos e o álbum de bebé ia de encontro a tudo o que procurava: é lindo, tem um formato prático de manusear e compor, dá para registar tudo o que é mais relevante, não é caro (custa 12.50€) e sei que a Teresa vai adorar folheá-lo quando for mais crescida.

Há para menino e para menina, e só me arrependo de não ter pedido para personalizar a capa com o nome da minha pequenina.

Açúcar na Papa

Estou longe de ser a pessoa mais fundamentalista com a alimentação da minha filha. Tal como tudo na vida, o equilíbrio é um bom princípio. Ainda assim, preocupo-me muito com a saúde dela e sei que é importante ter cuidado com o que lhe ponho no prato.

Mantivemos o aleitamento materno exclusivo até aos 4 meses. Depois disso, apesar de não ter sido muito rígida, fui introduzindo a sopa e a fruta no regime alimentar da Teresa. Poderia (e deveria, talvez) ter mantido a amamentação exclusiva até aos 6 meses, mas angustiava-me ver a pequenina toda interessada em ver-nos comer e ficar triste por não poder comer nada. Parecia que queria saltar da cadeira e fazia (e faz, ainda faz…) caretas quando via talheres ou copos a passar à frente dela.

Sem stress nenhum, decidimos avançar com a introdução dos alimentos e foi um sucesso. Adora tudo o que lhe damos. Como sempre teve uma óptima progressão de peso, ainda não lhe dei a conhecer as papas. Achei que não faria sentido algum introduzir farinhas tão cedo. Porém, com o aproximar dos 6 meses, planeio dar-lhe mais alimentos novos e, finalmente, experimentar as papas. Preferencialmente feitas em casa!

Repito, não sou fundamentalista com a alimentação da Teresa. Sei bem que, fora de casa, pode ser necessário recorrer a um desses malfadados produtos de compra, pré feitos. Não estou assustada com essa parte e eu própria faço questão que ela coma de tudo. O problema para mim é que, segundo a indústria alimentar, o que deveria ser uma excepção transformou-se na regra.

papa bebé
Constituição de uma papa à venda no mercado, para bebés a partir dos 4 meses.

Na consulta dos 4 meses, quando discuti a introdução dos alimentos com a enfermeira que nos acompanha, foi-me dito que poderia apostar em papas de compra adequadas à idade da bebé. Infelizmente, pasmem-se, também se fala assim nas escolas. Ora bolas, poder até posso! Mas quem é que, no seu perfeito juízo e preocupação, sabendo ler um rótulo e interpretar a informação que tem à sua frente vai encharcar um bebé com açúcar e óleos da treta sem que haja um bom motivo (não vejo motivos, mas…)? Eu não!

É mesmo uma questão de desinformação, porque nem o argumento da disponibilidade económica é válido – sai muito mais barato comprar os ingredientes e fazer as papas em casa, como deve ser. Ainda não sei bem para onde me virar, mas o que não falta actualmente (porque é um assunto cada vez mais debatido, felizmente) são manuais e sítios com receitas para bebés.

Fica no ar a questão: como se admite às marcas que, em pleno século XXI e após décadas de lutas neste domínio, continuem a lucrar com a disseminação de informações erróneas e produtos que não fazem, de todo, bem à saúde dos nossos bebés? Eles adoram-nas, sem dúvida, são tão doces! Raríssimas são as marcas no mercado que disponibilizam papas com uma constituição minimamente decente.

E olhem que vos escreve uma pessoa que adora toda a espécie de papas doces…

A ver agora: Black Sails

Houve uma fase da minha vida em que acompanhava muitas séries. Mudam-se os tempos e a disponibilidade, mudam as vontades e a responsabilidade, e a dada altura desliguei-me da televisão e das manhas da Internet. Durante dois ou três anos, passou a ser raro acompanhar o que quer que fosse.

black sails velas negras

Com a chegada do Netflix a Portugal, durante a gravidez, voltei a ganhar apetite por séries e agora é raro o dia em que não vejo nem que seja 20 minutos de uma série. É terapêutico e por vezes é este o tempo de repouso que sobra antes de dormir. A vantagem aqui é que, como as temporadas estão disponíveis na totalidade a qualquer hora, vou vendo conforme posso e me apetece, quando já não quero faço pausa e dá para ver tudo o que há da mesma série de seguida, sem perder o fio à meada. Misturar histórias de várias séries quando as vemos em simultâneo, quem nunca?

De momento, estou a ver Black Sails.

O Luís gosta muito e está quase a chegar a 4ª temporada. Como gostamos de ver séries juntos, estou a ver o que já está feito e ele sempre aproveita para avivar a memória. Passámos agora para a 3ª temporada e eu adorei as outras duas.

Gosto de dramas de época, no geral. Se contarem com factos verídicos, um tanto melhor. Neste caso, a história é uma prequela d’A Ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson e a acção decorre essencialmente na ilha de New Providence, durante o apogeu da pirataria. Há uma luta pela independência desta colónia de Inglaterra, sendo que todas as nações civilizadas a declaram inimiga de todo o mundo. Como resposta, a solução encontrada pelos seus habitantes (muitos deles piratas) é declarar guerra ao mundo. Pelo meio, há muitas histórias e tricas que tornam o enredo muito mais interessante. Um dos pontos positivos para mim é a imprevisibilidade que tantas vezes surge no desenrolar dos episódios. A título de curiosidade, os piratas Charles Vane, Jack Rackham, Anne Bonny, Ned Low, Hornigold e Blackbeard existiram mesmo, embora as suas vidas sejam (parcialmente) ficcionadas na série.

Posto isto, se não conhecem a série mas gostam do género, recomendo muito que a vejam!

Feliz 2017!

mafalda português
Mafalda, Quino

Que este ano que começa agora nos/vos encha as medidas!

São estes os meus votos. Que, em jeito de retrospectiva e assim muito rápido, 2016 foi um ano do caneco. Para o bem e para o mal. Conheci o melhor e o pior deste mundo e gostava que 2017 me trouxesse só do melhor.

Para não me ir embora deste post assim, sem mais dizer, aqui fica uma lista de coisas nas quais vou investir. No final do ano, logo faremos um balanço:

  • Ler 12 livros. Um por mês. Tenho lido muito pouco e… Não pode ser!
  • Tirar a carta de condução. Há quantos anos digo isto? E o jeito que me dava agora, com a Teresinha…
  • Fazer mais exercício físico. Neste momento, estou parada. Seja o ginásio, ou a piscina (de preferência com a Teresa), qualquer coisa é melhor que ser lontra a tempo inteiro.
  • Ir à praia. Uma das coisas em que 2016 falhou foi nisto. Mudanças, obras e bebé. Ter dado uns mergulhos na piscina e no rio já foi uma sorte. Foi o primeiro ano da minha vida em que não pus os pés no mar, e custou muito. Em 2017, quero praia a valer, com a minha Teresocas. Vai ser uma festa!
  • Manter o aleitamento materno. Pelo menos até a Teresa fazer um ano, gostava muito. E agora é que temo alguns obstáculos, com a introdução da alimentação complementar.
  • Ter uma situação profissional estável. Vou ficar com a Teresa(pelo menos) até ao seu aniversário, mas ainda assim…
  • Voltar a doar sangue. Por ora não posso, por causa da amamentação. O peso também pode ser um obstáculo.
  • Comer menos carne. Não consegui implementar, mas gostava que pelo menos 50% das refeições cá de casa fossem vegetarianas ou, na loucura, com peixe.
  • Acabar de arrumar a casa. Entenda-se terminar as obras e decoração (se é que é possível). Estamos bem, temos tudo o que é necessário (e alguns luxos, diria), mas está tudo muito simples e velhão. Ainda! Há muito a melhorar.
  • Viajar. É ambicioso, mas gostava que fôssemos passar uns dias fora dos locais habituais. Conhecer coisas novas. Mostrar o mundo à Teresa.
  • Manter o blog actualizado. Porque é algo de que gosto muito, mesmo, e estamos a aproximar-nos dos 10 anos!
  • Criar um negócio próprio. Ideias há muitas, preciso de as organizar.

Parece que é isto. E vocês, que ambições têm para este ano?

Matilda, a Gata

bosques da noruega

Em minha casa, as minhas regras.

Cresci habituada a ter animais de estimação, embora com algumas restrições. Na casa dos meus pais, a princesa era (e é) a Nina. Havia uma certa simpatia por cães, mas gatos nunca foram permitidos. Manias e preconceitos, vá-se lá entender.

Quando eu e o Luís nos juntámos, foi consensual que adoptaríamos um gato assim que possível. Aliás, imaginem-me na sala de partos do hospital (porque isto aconteceu), no pico do sofrimento, numa lástima, a praguejar e a dizer que o próximo filho só poderia ser cão ou gato. É claro que me passou a maluqueira, de tal forma que queremos manos para a Teresa, mas acabámos mesmo por trazer uma miau cá para casa.

Se o respectivo já tinha experiência com gatos eu, pelo contrário, não sabia muito bem o que esperar. Sempre me venderam que os gatos são animais ariscos e traiçoeiros, pelo que tinha algum receio. Cá para nós, com base no senso comum e na experiência do Luís, teimámos que queríamos um macho grande, felpudo e pacífico.

gata

gata

E eis que a Mati nos cai do céu.

Literalmente! Foi num sábado, no início de Novembro, que a história começou. A Tânia contou-me que lhe tinha caído uma gatinha no quintal. Linda, felpuda, de porte pequeno e muito dócil. Derretemo-nos, e como a Tânia não podia acolher mais bichanos (porque já tem dois), ficou decidido que se a gata não tivesse dono, viria morar connosco. Não há acesso directo ao local onde foi encontrada, pelo que foi necessário tratar do assunto com cautela.

Passaram dias, passou uma semana, foram feitos anúncios, averiguou-se se teria chip (não tinha), perguntou-se porta a porta e nunca surgiu ninguém. As expectativas foram crescendo, dissiparam-se as dúvidas e… Agora a Matilda faz parte da nossa família!

Matilda, Mati

Foi o nome que escolhemos sem ter de pensar muito. É o nome de um tanque de guerra. Eu própria sugeri, por causa de um jogo que o Luís tem na consola (World of Tanks), que se fosse um macho seria o Panzer ou o Maus. Sendo fêmea, tinha de se chamar Matilda. Não podia ser mais simples.

Temos tratado dela como a princesa que é e confiámos desde logo na Flamvet para todos os cuidados de saúde (checkups, vacinação e esterilização) necessários. Adoro a Dra. Marta (é a veterinária da Nina) e recuso-me a ir a outro lado ou ser atendida por outros profissionais.

bebés gatos

Estima-se que a Mati tenha agora cerca de 9 meses. É uma minorca (não pesa sequer 4kg) e pensamos que não vai crescer muito mais, embora seja provável que descenda de uma mistura de gato Europeu Comum com Bosques da Noruega. Está tudo bem com a saúde dela, e desde que está connosco já ganhou muito e bom pelinho. Está cada vez mais fofa!

Ficou integrada muito rapidamente e é muito mimosa – esta parte assusta-me, porque é tão dócil que aceita festinhas de toda a gente, o que nos deixa especialmente preocupados e amedrontados com a possibilidade de uma fuga acidental de casa. É ter cuidado em duplicado, pela Teresa e por ela.  É muito pacífica, não faz grandes avarias e até à bebé dá miminhos, com o bónus de respeitar o espaço e as coisas dela (devo tê-la apanhado duas ou três vezes em cima da colcha do berço e nada mais que isso).

Nunca pensei que fosse possível encontrar uma gata tão especial e docinha. Cá por casa, estamos encantados com a filha felina!

gato

Maquilhagem nova, quem disse?

quem disse berenice

Há muito que, no Brasil, O Boticário já não é só O Boticário. Para quem não sabe do que falo, eu explico: entre outros projectos e marcas, o boti boti detém uma marca de maquilhagem muito gira chamada Quem disse, Berenice?

Para quem vai tendo atenção ao que surge do outro lado do Atlântico, nomeadamente através de blogs, creio que é acertado dizer que há sempre algum entusiasmo com os coloritos, efeitos, acabamentos e críticas positivas que vão sendo tecidas em grande escala. Desta feita, estava a ser tremendamente injusto assistir a tudo do lado de cá e não poder pôr as mãos em cima de um montão de produtos muito catita.

Pois bem: no final de Novembro, a marca chegou a Portugal. Finalmente! Para muitas de vós, não deve ser novidade. De qualquer forma, são três as lojas (no Norteshopping, no Dolce Vita Tejo e no Vasco da Gama) repletos de opções para todos os gostos e habilidades. O melhor? Os preços são acessíveis.

A minha relação com a QDB começou uns dias antes da abertura das lojas. Chegou um pacotinho cá a casa com dois produtos para experimentar: um lápis preto (Pretuxo) e um batom vermelho (Vermeli). Bom, pensei eu, nada de novo, apesar de serem dos itens de maquilhagem que mais uso. Até que decidi experimentar o batom e percebi que não era só mais um.

É certo que os batons líquidos mate já andam neste mundo há algum tempo, mas se falarmos de um que é mesmo mate, que é à prova de beijinhos e refeições e que (atenção, atenção) não resseca nem repuxa as peles dos lábios, subimos a fasquia. Depois, o lápis de olhos. Bom, não é o mais preto que tenho, mas ainda assim é muito pigmentado, facílimo de aplicar e ganha pontos porque também é muito resistente, à prova de lágrimas e esfregadelas.

quem disse berenice
Lápis de olhos mate Pretuxo e metalizado Cobrelex; Batons líquidos mate – Vermeli e Marronli

Escusado será dizer que fiz logo uma pesquisa a correr, para ver o que as brasileiras mais recomendam da marca e quais as cores que mais me interessavam, e fui com a minha lista (enorme, por sinal) à loja do Vasco da Gama. Aqui fica um alerta: não se entusiasmem muito, porque há muitos produtos que ainda não chegaram a Portugal. E um recado para a marca, que aqui também se faz disso: por favor, tragam tudo depressa. Para ontem!

Mesmo com a loja apinhada e com a desilusão de não encontrar algumas das coisas que queria trazer, comprei aqueles que são os dois produtos que mais tenho utilizado nas minhas maquilhagens, mais um lápis em gel e um batom líquido mate – o Cobrelex e o Marronli, respectivamente. São perfeitos!

E vocês, já experimentaram algum produto da Quem disse, Berenice? Quais recomendam?

Guida Casada

casamento civil

Como se 2016 não tivesse sido emocionante o suficiente, hoje casei com o Luís, o pai da Teresa, o meu amor.

Não mudou grande coisa. O que fizemos, vendo bem, foi reforçar e formalizar o que temos. Amamo-nos, vivemos juntos e temos uma filha. Só faltavam o papel e o anel.

Já tinha partilhado, algures nestes 8 anos de blog, que não fazia questão de casar. Porém, confesso que sabe bem ter tudo tratadinho por escrito. Saber que é mesmo verdade!

alianças

Foi tudo discreto e decidido em pouco tempo. Não contámos a muitas pessoas. Fomos ao Registo Civil, convidámos os nossos pais e irmãos e, com a nossa Teresinha também presente, oficializámos a nossa situação perante a lei.

Talvez futuramente façamos uma grande festa, mas por ora é isto que importa e foi mais um marco importante na nossa história.

A Teresa é uma Boti Baby

Eu sei, não me batam! Ultimamente mal postei e, quando posto, é só Teresinha, só Teresinha… Já pareço um baby blog e vocês já não aguentam tanto mel. Peço-vos alguma compreensão porque ela é, literalmente, a menina dos meus olhos e o motivo que me tem mantido afastada do resto do mundo. Prometo que não vamos falar só da Teresa, mas também tenho de a incluir por estas bandas!

Tão pequenina e já tão vaidosa…

Mesmo antes de a Teresa nascer, eu já tinha tomado uma série de decisões no que toca aos seus cuidados de higiene e beleza. Sim, beleza, que é de pequenino que se torce o pepino e as verdadeiras princesas já nascem coquetes. Eu já sabia que produtos escolheria, de que marcas e quando os utilizar, porque quero o melhor para a minha filha.

baby boti

Não sou maluquinha, calma! Pensei nos básicos, que hei-de partilhar convosco. Há de tudo, para todos os gostos e carteiras (que nem sempre o produto melhor é o mais caro).

Até disse, cá para mim, que água de colónia não seria algo a entrar em circulação logo à nascença e, portanto, nem sequer coloquei nenhuma no toucador da miss. Aliás, não poderia ser uma colónia qualquer: a primeira teria de ser Baby Boti, que vocês sabem que eu adoro (se não se lembram, dêem uma espreitadela aqui e aqui).

Para um recém-nascido, por muito tentador que possa ser enchê-lo de cheirinhos e perfuminhos bons, o melhor é mesmo evitar ao máximo as fragrâncias. Assim sendo, quando aferisse que era relativamente seguro utilizar colónia na pele/roupa da pequenina, logo trataria de a trazer para casa. Tolice a minha, porque quando a Teresa nasceu, O Boticário tratou logo de a apadrinhar.

Quando é que os vossos bebés começaram a utilizar água de colónia?

Só com quatro meses é que a Teresa começou e decidi liberar a utilização de alguns produtos de higiene mais cheirosos (sempre com cautela), mas já que teve o privilégio de receber como primeiro presente de princesa bonita e vaidosa um conjunto Baby Boti, com colónia, gel de banho, hidratante e protector solar, e apesar de me conter, não resisti a utilizar o protector solar logo nos primeiros tempos de vida.

O cheirinho a bebé é o mesmo e devo dizer quefoi de preciosa ajuda logo no primeiro mês da pequena – como os dias eram bons, fizemos questão de a levar a passear quase sempre, ao fim da tarde e com as devidas precauções.

Resumindo e concluindo: posso afirmar que a minha filha chegou a este mundo em beleza e não poderia andar mais bem cheirosa. Miminhos destes são mais um motivo para dizer que O Boticário é mesmo aquela marca do coração.

Muito obrigada, desta mamã que só quer dar ainda mais beijinhos à sua filhota bem cheirosa!

Quem não tem quando pode, não vai poder quando quiser.

família

Dei por mim a escrever, rescrever e riscar este texto muitas vezes. Porque é pessoal e porque é delicado. Apesar de não ter nada de mal e de ser algo em que penso muitas vezes, todos os dias, várias vezes, é a minha opinião sobre um assunto importante e que me é muito querido porque tem tudo a ver com a fase em que me encontro na vida: a parentalidade/maternidade.

A verdade é que cheguei à conclusão que, não sendo nenhum crime (muito pelo contrário!), partilhar o que tenho a dizer até pode ser útil e ajudar quem esteja a passar pelo que me aconteceu, de certa forma. Afinal, é para isto que serve um blog, não é? É isto que faço sempre: partilho conteúdos com os quais me identifico de uma forma ou de outra. Senti que era bom partilhar um bocadinho desta questão que é tão pessoal.

O melhor que aconteceu na minha vida foi o nascimento da minha filha Teresa. Tenho a certeza que a maior parte de vós que me lê neste momento e tem descendência irá concordar que ter filhos é a melhor coisa do mundo. Compreendo, porém, que haja quem pense de forma diferente e respeito muito as decisões dos outros. Só assim é que posso pedir que compreendam e respeitem as minhas.

Acredito que tenham uma ideia, no geral, da minha história, mas cá vai uma partilha que pode ajudar a compreender o rumo inesperado (mas bom) que a minha vida tomou. Porque há fofocas e mimimis. Porque é desconfortável enfrentar juízos alheios quando não os pedimos. Porque devemos partir do pressuposto que uma pessoa adulta assume a responsabilidade dos seus actos e sabe o que é melhor para si e para os seus.

Porque não temos de ser todos carreiristas nem viver sob o domínio de trabalhos e dinheiros, na angústia de pensar que o futuro nos trará as condições que queremos dar aos nossos filhos. Porque é muito feio ouvir os “oh, tão nova?” que as pessoas que não conheço de lado nenhum e que, face à minha intervenção, respondem que não me dariam mais que 16 anos. Mesmo que só tivesse 16 anos, ou que tivesse 50 anos, cada um sabe o que é melhor para si e para os seus e se, ainda por cima, os estranhos não estão sequer na disposição se está tudo bem ou como podem ajudar, mais vale não dar nenhum palpite.

Acima de tudo, se há sempre histórias más e desfechos maus, quero passar um testemunho de que também se constroem finais felizes mesmo quando, no início da jornada, o futuro parece negro e complicado. Acima de tudo, devemos fazer o que nos parece melhor para ficarmos de consciência tranquila e manter a nossa integridade. Nossa. O que os outros dizem não deve ser o nosso foco e não podem ser eles a decidir o que fazer da nossa vida.

A minha gravidez não foi planeada. É irónico, no mínimo. Como é que, em pleno século XXI, com métodos contraceptivos (quase) infalíveis, uma estudante de enfermagem no fim da licenciatura se mete numa embrulhada destas? Não foi por desinformação. Não foi por descuido.

Apercebi-me muito cedo. Senti-me diferente e quis logo saber o que estava a acontecer no meu corpo. Confirmou-se: pelas contas, estaria grávida de 5 semanas. Apesar de estar num relacionamento recente, decidimos que queríamos muito um futuro em comum e com filhos. A Teresa não foi planeada mas foi muito desejada por nós, desde sempre.

família

Inicialmente, houve muita pressão e muitas decisões difíceis para tomar. É nestas alturas que conhecemos devidamente a nossa família e os nossos amigos. Acreditem: virão forças de onde não imaginavam, mas também vão descobrir que muitas pessoas que, até aqui, pareciam próximas irão desaparecer. Deixem-nas ir, porque não precisam delas. Foquem-se em vós, repito. É nestas alturas que é mais importante olharmos para nós e não dispersar.

Se há clichés pessimistas (e se passam/passaram por algo semelhante, têm conhecimento de muitos destes), deixem-me destacar um cliché muito positivo e optimista: as condições criam-se. Isto aplica-se a qualquer decisão que tomem e é mesmo verdade. Podem crer que quando queremos muito algo, é meio caminho andado para que o objectivo seja cumprido. E nós estávamos decididos a ser bem sucedidos na missão de trazer a Teresa ao mundo.

Não foi nada fácil, mas pegámos no que a vida nos deu e lutámos pelo que é nosso. Imaginem: um casal jovem sem poupanças e a ter de construir tudo do zero numa questão de meses. Se conseguíamos dar conta de tudo sozinhos, os dois? Não sei. Tivemos muita ajuda, é um facto. Tivemos muita sorte e considero que foi uma bênção ter quem se preocupasse connosco e pudesse dar a mão. Mas também temos muito mérito pela nossa determinação, empenho e trabalho. Faço aqui um aparte para as mães solteiras deste mundo: vocês valem por mil mulheres numa só! Sozinha, então, eu não conseguiria dar conta do recado.

Um ano depois do início desta aventura, ainda há arestas para limar (quem não as tem em início de vida de adulto?), mas posso dizer-vos que cumprimos os nossos objectivos. Conseguimos! Temos a nossa família linda, temos a nossa casa, temos as nossas coisas, estamos organizados, somos autónomos e felizes. Temos muito mais do que muita gente que se massacra a matutar no tal futuro melhor e propício à família. Eu não me imagino mais feliz do que sou agora!

Tenho cá para mim que a Natureza se encarrega de equilibrar tudo à sua maneira. A taxa de natalidade estava a descer a pique nos últimos anos e, de repente, há bebés em todo o lado. Sem dúvida, ter um filho é uma decisão muito importante e de muita responsabilidade. Não condeno quem não os quer ter e dá prioridade a outras decisões, mas nesta questão da maternidade eu considero que não sou eu quem deve decidir sobre outra vida que não a minha. Felizmente, não fiquei sozinha.

Tudo acontece por um motivo. Para mim, ter filhos é uma bênção e, sem dúvida, um grande marco na realização pessoal. Se era agora o momento ideal? Se há coisas que gostava de ter feito e não fiz? Ser mãe não faz com que outros objectivos caiam por terra e, como referi antes, as condições são algo que se cria e as oportunidades são para agarrar quando surgem.

Quem não quer quando pode, não vai poder quando quiser. Pensem em quantas pessoas adiam o sonho da maternidade, pelos mais variados motivos. Pensem nas pessoas (muitas delas até podem estar dentro dos nossos círculos de amigos) que tentam ter filhos e não conseguem. Pesquisem sobre as estatísticas relacionadas com a reprodução e vejam para onde caminhamos com tantas preocupações. Temos filhos cada vez mais tarde e, muitas vezes, já nem os conseguimos fazer como antigamente. Vejam os números relativos às consultas de reprodução assistida em hospitais e clínicas privadas.

Deste lado, optámos por ser muito felizes com a sorte que nos calhou. Como devem calcular, o último ano foi uma (boa) montanha russa e é por causa de tudo o que há de novo que tenho estado ausente. Optámos por mudar um bocadinho os nossos caminhos, as nossas vidas deram uma volta de 180º, mas eu não poderia estar mais realizada. Ser mãe é mesmo, mesmo a melhor coisa do mundo!

Guida guarda-tudo a investir na descendência

caixa bebé
A caixa da Teresa, obra da Kandandus da Avó Filó.

Filho de peixe sabe nadar. Posso dizer, com orgulho, que muitos dos meus brinquedos e colecções estão guardados e em boas condições para que a Teresa possa divertir-se como eu me diverti. Quem diz brinquedos, diz roupas e bugigangas.

Da mesma forma que a Teresa herda o que é meu, eu também herdei coisas da mãe, das avós, das primas e das tias. Se está nas minhas mãos, é garantido que vai ser bem estimado. Se está em bom estado ou tem remédio, gosto de guardar.

Disse algo novo até agora?

Deixem-me acrescentar que adoro que os meus pais tenham guardado muitas recordações da minha infância (há álbuns fotográficos intermináveis, o cordão umbilical, a primeira madeixa de cabelo cortada, o primeiro desenho) e lamento pelas que se perderam. Dá para imaginar que, há coisa de 20 anos, quando nos assaltaram a casa levaram os meus dentes de leite?

Dêem-me o desafio de completar colecções, que eu aceito sem pestanejar. Especialmente se for para a minha Teresocas, e espero que ela dê o devido valor um dia e lhe ganhe o gosto. Havia coisas que queria guardar e que não são compatíveis com os típicos álbuns de bebé, e longe estava eu de imaginar que há caixas destinadas a este fim.

É certo que não cheguei a investigar muito, porque fui surpreendida pela minha vizinha e amiga Filó com a caixa que vos mostro na foto. Não é amorosa? E tem espaço para as coisinhas bonitas que queria guardar da minha menina: no interior, tem 4 caixinhas com bonequinhos em biscuit nas respectivas tampas, para guardar a pulseira da maternidade, o cordão umbilical, a primeira madeixa de cabelo e os dentinhos de leite.

É um projecto a longo prazo daqueles que vai ser delicioso rever daqui a muitos anos.

A caixa exterior é personalizável e adorei a aproximação às características físicas. Será que vai ser mesmo assim? Foi uma surpresa e pêras ♥♥♥

Achei a ideia giríssima e é uma óptima sugestão para aquelas pessoas próximas que vão ter bebés e não sabemos o que oferecer. Aliás, se espreitarem a página Kandandus da Avó Filó, o que não falta são ideias e projectos giríssimos que merecem mesmo uma visita. E eu sou da opinião que os presentes feitos à mão são muito mais bonitos!